Biblioteca


Apresentação

Obrigado por visitar a minha biblioteca, a partir de agora também a sua biblioteca!

O objetivo desta funcionalidade é permitir o diálogo com outros pesquisadores, partilhando com eles as informações bibliográficas necessárias à excelência dos nossos trabalhos.

Como você pode ver, as obras estão catalogadas por assunto, permitindo que o visitante acesse de imediato os textos disponíveis no acervo de um determinado tema. Quatro dessas categorias espelham a minha própria inclinação acadêmica, deliberamente criadas para organizar os textos que uso com mais frequência em meus estudos:

1) Law & Literature e Racionalidade das Emoções. Reúne numa só categoria as publicações relativas ao movimento Direito e Literatura e aos estudos sobre a teoria das emoções, visto que em minhas pesquisas tais assuntos estão diretamente associados.
2) Teoria do Ethos Sertanejo e Poesia Oral do Sertão. Classifica os textos narrativos relacionados com o sertão brasileiro, especialmente aqueles coletados da oralidade sertaneja, e que em qualquer dos casos, juntamente com os ensaios literários ali também catalogados, ajudam a compreender essa forma de vida que interfere diretamente na minha compreensão do ethos e consequentemente na minha compreensão do direito.
3) Cosmopolitismo Jurídico-Político e Ética da Mundialidade. Organiza os textos de natureza filósofico-política que discutem as exigências, possibilidades e limites de uma autêntica fraternidade entre os povos, especialmente no campo do direito onde tenho projetado essa forma de pensar a comunidade.
4) Literatura Clássica e Estudos de Cultura Clássica. Reúne os textos clássicos de natureza literária e os ensaios literários produzidos sobre eles, ali se destacando as obras relacionadas à tragédia, dada a forte influência que o problema da tyche tem exercido em minhas pesquisas sobre o direito.

Caso não encontre um autor/livro específico em uma determinada estante, o mesmo poderá ser encontrado em outra, a exemplo de Martha C. Nussbaum cujo acervo poderia estar em diferentes categorias – hermenêutica jurídica, filosofia do direito, filosofia política, cosmopolitismo, etc. – mas que para facilitar a minha organização científica, aparece todo na estante Law & Literature e Racionalidade das Emoções.

Uma boa pesquisa, e se quiser fazer algum comentário, terei sempre muito prazer e dialogar contigo.

Filosofia, Filosofia do Direito e Filosofia Política

ABRÃO, Bernadette Siqueira. História da Filosofia. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 18.ed., ver. atu. São Paulo: Malheiros, 2018.

ACEMOGLU, Daron. Por que as nações fracassam: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza. Tradução Cristiana Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

ADEODATO, João Maurício. Filosofia do direito: uma crítica à verdade na ética e na ciência. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
ADEODATO, João Maurício (Editor). Human rights and the problem of legal injustice. São Paulo: Noeses, 2013.

ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A. Implementing cost-benefit analysis when preferences are distorted. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 269-311.

ADORNO, T. W. Caracterização de Walter Benjamim. In: BENJAMIN, Walter. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução Maria Luz Moita et alii. Lisboa: Relógio d’Água, 1992. p. 9-26.

ALBERT, Hans. Critical rationalism: the problem of method in social sciences and law. Ratio Juris/An International Journal of Jurisprudence and Philosophy of Law. Oxford, vol.1, nº 1, p. 1-19, March 1988.

AL-FÃRÃBÍ, Abu Nasr. La ciudad ideal. Tradução Manuel Alonso Alonso. 2.ed. Madrid: Tecnos, 1995.

ALVES, Pedro Manoel Santos. O conceito de direito no contexto da filosofia prática de Kant: princípios e conseqüências. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 60-112.

AMICOLO, Romina. La giustizia in nome della politica e la politica in nome della giustizia: morti parallele di Socrate e Giulio Cesare. Trento: Tangram Edizioni Scientifiche, 2010.

ANDRADE, Dermeval Corrêa de. Psicologia da ideologia: o desvendar das aparências. São Paulo: Centro Brasileiro de Pesquisa em Saúde Mental, 2001.

ANDRADE, Rachel Gazolla de. Platão: o cosmo, o homem e a cidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

APARISI, ngela; BALLESTEROS, Jesús (Eds.). Por um feminismo de la complementariedad: nuevas perspectivas para la familia y el trabajo. Navarra: Eunsa Astrolábio, 2002.

APEL, Karl-Otto. Paradigmas de filosofía primera. Buenos Aires: Promoteo Libros, 2013.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução Roberto Raposo. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARISTÓTELES. Etica a Nicómaco. Traducción [Bilingüe do grego para o espanhol] Maria Araujo e Julian Marias. Madrid: Instituto de Estudos Políticos, 1970.

________. Política. Traducción [Bilingüe Grego – Espanhol] Julian Marias y Maria Araújo. Madrid: Instituto de Estúdios Políticos, 1951.

________. A política. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

________. Constituição dos Atenienses. Tradução Delfim Ferreira Leão. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009.

________. Da alma (De anima). Tradução Carlos Humberto Gomes. Lisboa: Edições 70, 2001.

________. Metafísica.Tradução Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2006.

________. Poética. Tradução Ana Maria Valente. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

________. Órganon. 2. ed., rev. Tradução Edson Bini. Bauru: Edipro, 2010.

________. Ética a Eudemo. Tradução [Grego-Português] J. A. Amaral e Artur Morão. Lisboa: Tribuna da História, 2005.

ARISTOTLE. De Motu Animalium. Tradução [Bilíngüe Grego – Inglês] Martha C. Nussbaum. Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1985. p. 20-55.

AUBENQUE, Pierre. La prudencia en Aristóteles. Traducción Mª José Torres Gómez Pallete. Barcelone: Crítica, 1999.

AUSTIN, John. El objeto de la jurisprudencia. Traducción Juan Ranón de Parámo Argüelles. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constituicionales, 2002.

BACON, Francis. Nova Atlântida. In: Os pensadores. Tradução José Aluysio Reis de Andrade. São Paulo: Nova Cultural, 1997. p. 219-254.

________. Novum Organum ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza. In: Os pensadores. Tradução José Aluysio Reis de Andrade. São Paulo: Nova Cultural, 1997. p. 23-218.

BALLESTEROS, Jesús. Postmodernidad: decadencia o resistencia. 2. ed. Madrid: Tecnos, 1990.

BARBAS HOMEM, António Pedro. O justo e o injusto. Lisboa: Associação Acadêmica da Faculdade Direito Lisboa, 2001.

BARBOSA, Ruy. Oração aos moços. Bauru: Edipro, 2009.

BARCELLONA, Pietro. Postmodernidad y el regreso de la vinculación social. Tradución Hector Claudio Silveira Gorski et alii. Madrid: Biblioteca Universitária, 1992.

BARRETO, Tobias. Estudos de Filosofia. 2. ed. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1977.

BARTLETT, Steven J. Raízes da resistência humana aos direitos dos animais: bloqueios psicológicos e conceituais. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 69-94, Julho/Dezembro 2007.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Tradução José de Faria Costa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1998.

BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo: hacia uma nueva modernidad. Traducción Jorge Navarro, Daniel Jeménez e Mª Rosa Borrás. Barcelona/Buenos Aires/México: Paidós, 1998.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. A cidadania ativa: referendo, plebiscito e iniciativa popular. São Paulo: Ática, 1991.

BENJAMIN, Walter. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução Maria Luz Moita et alii. Lisboa: Relógio d’Água, 1992.

BENTHAM, Jeremy. A fragment on government. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

BERKELEY, George. Tratado do conhecimento humano. Tradução Vieira de Almeida. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2000.

________. Três diálogos entre Hilas e Filonous em oposição aos cépticos e ateus. Tradução Vieira de Almeida. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2000.

BERTI, Enrico. Aristóteles no século XX. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 1997.

BITTAR, Eduardo C.B. Doutrinas e filosofias políticas: contribuições para a história da ciência política. São Paulo: Atlas, 2002.

________. A justiça cósmica Platônica. Revista da Faculdade de Direito da USP. São Paulo, v. 95, p. 387-402, Janeiro/Dezembro 2000.

BITTAR, Eduardo C. B; ALMEIDA, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. Tradução Márcio Pugliesi et alii. São Paulo: Ícone, 2006.

BOÉCIO. A consolação da filosofia. Tradução [Bilingue Latim-Português] William Li. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado liberal ao Estado social. 9. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

BORRADORI, Giovanna. Philosophy in a time of terror: dialogues whith Jürgen Habermas and Jacques Derrida. Chicago: The University of Chicago Press, 2003.

BUZZI, Arcângelo R. Introdução ao pensar: o ser, o conhecimento, a linguagem. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

CAMPANELLA, Tommaso. A cidade do sol. Tradução Heloisa da Graça Burati. São Paulo: Rideel, 2005.

CANARIS, Claus-Wilhelm. Pensamento sistemático e conceito de sistema na ciência do direito. Tradução A. Menezes Cordeiro. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

CARDOZO, Benjamin N. A natureza do processo judicial. Tradução Silvana Vieira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CAROLINA, Cora. O boi Balão. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 291-296, Julho/Dezembro 2007.

CASTRO, Dinorah; LIMA JR., Francisco Pinheiro. Idéias Filosóficas na Faculdade de Direito da Bahia. Salvador: UFBA/Faculdade de Direito, 1997.

CHAMON JUNIOR, Lúcio Antônio. Filosofia do direito na alta modernidade: incursões teóricas em Kelsen, Luhmann e Habermas. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

________. Do “caso especial da argumentação moral” ao “princípio do discurso”: a legitimidade do direito da modernidade, ontem e hoje, na teoria do discurso de Jürgen Habermas. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.285-294.

CHALUMEAU, Jean-Luc. O capitalismo para principiantes. Tradução Alice Nicolau. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1983.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 13. ed. São Paulo: Ática, 2009.

CÍCERO. As catilinárias. Tradução Sebastião Tavares de Pinho. Lisboa: Edições 70, 2006.

________. Catão-o-Velho ou Da velhice. Tradução Carlos Humberto Gomes. 2.ed. Lisboa: Cotovia, 2006.

________. Dos deveres. Tradução Alex Martins. São Paulo: Martin Claret, 2005.

________. Sobre a amizade (De Amicitia). Tradução [bilíngue do latim para o português] João Teodoro D’Olim Marote. São Paulo: Nova Alexandria, 2006.

________. The Verrine Orations. Translated by L.H.G. Greenwood. Cambridge/London: Harvard University Press, 2002, [Loeb Classical Library, VII e VIII], v. I e II.

________. Tratado da República. Tradução Francisco de Oliveira. Lisboa: Círculo de Leitores, 2008.

________. Traité des lois. Traduit Georges de Plinval. Édition bilingue latim-français. Paris: Societé D’Édition, 1959.

COELHO, Nuno M. M. Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O fundamento do direito: estudos em homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1998.

COELHO, Nuno Manuel Morgadinho dos Santos. Direito, filosofia e a humanidade como tarefa. Curitiba: Juruá, 2012.

CONNIFF, Richard. História natural dos ricos. Tradução Lúcia Ribeiro da Silva. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

CORNELL, Drucilla. The Philosophy of the limit. New York: Routledge, 1992.

COSTA, Emilio. La filosofia grega nella giurisprudenza romana. Parma: Casa Editrice Luigi Battei, 1892.

COSTA, José de Faria. Em jeito de abertura. In: LEÃO, Delfim F.; ROSSETTI, Livio; FIALHO, Maria do Céu G. Z. Nomos: direito e sociedade na antiguidade classica. Coimbra/Madrid: Imprensa da Universidade/Ediciones Clásicas, 2004. p. 11-20.

CRETELA JÚNIOR, José. Curso de filosofia do direito. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

CUVILLIER, Armand. Vocabulário de Filosofia. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira e J. B. Damasco Penna. Lisboa: Livros Horizonte, 1997.

DALLARI, Dalmo de Abreu. O que é participação política. São Paulo: Abril Cultural/ Editora Brasiliense, 1984.

DERRIDA, Jacques. A voz e o fenômeno: introdução ao problema do signo na fenomenologia de Husserl. Tradução Maria José Semião e Carlos Aboim de Brito. Lisboa: Edições 70, 1996.

________. Adeus a Emmanuel Lévinas. Tradução Fábio Landa e Eva Landa. São Paulo: Perspectiva, 2008.

________. Adieu à Emmanuel Lévinas. Paris: Galilée, 1997.

________. Fuerza de ley: el “fundamento místico de la autoridade”. Traducción Adolfo Barberá y Antonio Peñalver. Doxa. Alicante, nº 11, p. 129-191, 1992.

________. Gramatologia. Tradução Miriam Schnaiderman e Renato Janini Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1973.

________. O animal que logo sou. Tradução Fábio Landa. São Paulo: UNESP, 2002.

________. Sob palavra: instantâneos filosóficos. Tradução Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século, 2004.

DESCARTES, René. Discurso do método. Tradução Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2005.

________. Discurso do método. Tradução João Gama. Lisboa: Edições 70, 2008.

________. Meditações metafísicas. Tradução Regina Pereira. Porto: Rés Editora, 2008.

DOUZINAS, Costas; WARRINGTON, Ronnie. Justice miscarried: ethics, aesthetics and the law. New York/London/Toronto/Sydney/Tokyo/Singapore: Harvester Wheatsheaf, 1994.

DUGUIT, Léon. Fundamentos do direito. Tradução Servanda Editora. Campinas: Servanda Editora, 2008.

DUMONT, René. A utopia ou a morte. Tradução Mamede de Sousa Freitas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da libertação: crítica à ideologia da exclusão. Tradução Georges I. Maissiat. São Paulo: Paulus, 1995.

DWORKIN, Ronald. A virtude soberana: a teoria da igualdade. Tradução Jussara Simões. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. Levando os direitos a sério. Tradução Nelson Boeira. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

_______. Uma questão de princípio. Tradução Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

_______. A raposa e o porco-espinho. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

ECO, Umberto. O signo. Tradução Maria de Fátima Marinho. 6.ed. Lisboa: Editorial Presença, 2004.

EINSTEIN, Albert. Por que a guerra? [Correspondência entre Einstein e Freud]. [s.n.t], p. 241-259.

ENGELS, Frederich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução L. H. Morgan. Lisboa: Presença, 1884.

ENGISCH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. Tradução J. Baptista Machado. 8. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

ENRLICH, Isaac. Crime e punição. Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº 2, p. 39-43, Janeiro/Abril 1992.

ERASMO DE ROTTERDAM. O elogio da loucura. In: SCHOPENHAUER; ERASMO DE ROTERDÃ. O elogio da Loucura; O livre arbítrio. São Paulo: Novo Horizonte, [s.d]. p. 7-148. (Os Grandes Clássicos da Literatura, v. III).

_______. Elogio da loucura. Tradução Paulo Sérgio Brandão. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2008.

ESCOTO, Juan Duns. De la teología en cuanto ciencia práctica. In: ESCOTO, Juan Duns. Dios uno y trino. Versión APERRIBAY, Bernardo, O.F.M. Edición bilingüe. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, MCMLX. p. 169-257.

ETZIONI, Amitai (Edit.). New communitarian thinking: persons, virtues, institutions, and communities. Charlottesville/London: University Press of Virginia, 1995.

FERREIRA, José Ribeiro. A democracia na Grécia antiga. Coimbra: Minerva,1990.

FERREIRA, Mariá Aparecida Brochado. Fundamento do direito em George Jellinek e Joaquim Salgado: do mínimo ético ao maximum ético. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.128-144.

FERRER, Diogo. Lógica, linguagem e sistema. Ars Interpretandi. Porto, p. 265-302, 2000. (Separata em Homenagem a Miguel Baptista Pereira).

FERRY, Luc. Homo Aestheticus: a invenção do gosto na era democrática. Tradução Miguel Serras Pereira. Coimbra: Almedina, 2003.

________. O homem Deus ou o sentido da vida. Tradução Maria do Rosário Mendes. Lisboa: Edições ASA, 1997.

FICHTE, Johann Gottlieb. Fundamento del derecho natural según los principio de la doctrina de la ciencia. Traducción José L. Villacañas Berlanga, Manuel Ramos Valera y Faustino Oncina Coves. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1994.

FORST, Rainer. Contextos da justiça: filosofia política para além do liberalismo e do comunitarismo. Tradução Denilson Luís Werle. São Paulo: Boitempo, 2010.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Antonio Ramos Rosa. São Paulo: Martins Fontes, 1966.

FRANCO, António Sousa. Análise económica do direito: exercício intelectual ou fonte de ensinamento? Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº2, p. 63-70, Janeiro/Abril 1992.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. Tradução José Otávio de Aguiar Abreu. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 129-194. (Os Pensadores).

FRIEDMAN, David. Direito e ciência económica. Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº 2, p. 31-39, Janeiro/Abril 1992.

FROMM, Erich. A arte de amar. Tradução Milton Amado. 3 ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1964.

________. A revolução da esperança. Tradução Edmond Jorge. 4 ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

GALILEI, Galileu. Ciência e fé. Tradução Carlos Arthur R. do Nascimento. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009.

GATTI, Uberto; VERDE, Alfredo. Cesare Lombroso: una revisione critica. Materiali per uma Storia della Cultura Giuridica. Genova, Anno XXXIV, nº 2, p. 295-314, Dicembre 2004.

GENRO, Tarso; SOUZA, Ubiratan de. Orçamento participativo: a experiência de Porto Alegre. 3. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

GHISELLI, Alfredo; CORNACCHIA, Giuseppe Antonio. Humanistas: gli autori latini per i licei classic. Bologna: Zanichelli, 1991.

GONZAGA, Tomás Antônio. Tratado de direito natural. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GOUVEIA, Homero Chiaraba. Cidadania coletiva: política da diferença e o princípio da participação. Curitiba: Juruá, 2017.

GOYTISOLO, Juan. A saga dos Marx. Tradução Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das letras, 1996.

GROTIUS, Hugo. Le droit de la guerre et de la paix. Traduit P. Pradier-Fodéré. Paris. Presses Universitaires de France, 1999.

GUIMARÃES, Aquiles Côrtes. Husserl e a visão fenomenológica dos fundamentos do direito. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 145-152.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003, v. I e II.

________. Técnica e ciência como “Ideologia”. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2001.

________. Teoría de la acción comunicativa: racionalidad de la acción y racionalización social. Versión Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Taurus, 1999. v. I.

________. Teoría de la acción comunicativa: crítica de la razón funcionalista. Versión Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Taurus, 1999. v. II.

________. Verdade e Justificação. Tradução Milton Camargo Mota. São Paulo: Loyola, 2004.

HAHN, Robert W. State and federal regulation reform: a comparative analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 37-76.

HAN, Byung-Chul. La sociedade de la transparencia. Traducción Raúl Gabás. Barcelona: Herder, 2013.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do espírito. Tradução Paulo Meneses. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

________. Prefácios [Do sistema da ciência, da ciência da lógica, da enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio, do direito natural e ciência do Estado em compêndio]. Tradução Manuel J. Carmo Ferreira. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990.

________. Princípios da filosofia do direito. Tradução Orlando Vitorino. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

________. Prólogo a H. F. W. Hinrichs: A religião na relação interna com a ciência. In: HEGEL, G. W. F. Prefácios. Tradução Manuel J. Carmo Ferreira. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990. p. 205-231.

HEIDEGGER, Martin. A ameaça que pesa sobre ciência. In: Escritos Políticos. Lisboa: Piaget, 1997. p. 153-176.

________. A essência do fundamento. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, [s.d].

________. A origem da obra de arte. Tradução Maria da Conceição Costa. Lisboa: Edições 70, 2005.

________. Introdução a metafísica. Tradução Mário Matos e Bernhard Sylla. Lisboa: Piaget, 1997.

________. Ser e Tempo. Tradução Márcia de Sá Cavalcante. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. v. I.

________. Ser e Tempo. Tradução Márcia de Sá Cavalcante. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2005. v. II.

HEINEMANN, F. A filosofia no século XX. Tradução Alexandre F. Morujão. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

HELD, David. Modelos de democracia. Tradução Alexandre Sobreira Martins. Belo Horizonte: Editora Paidéia, 1987.

HENESTROSA Y BOZA, Francisco Fernández. Doctrinas jurídicas de Santo Tomás de Aquino. Madrid: Tipografia de los Huérfanos, 1888.

HENRIQUES, Jose Carlos. Lineamentos acerca da questão do fundamento do direito no pensamento de Gehard Husserl. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.153-163.

________. O conceito e a estrutura da arte retórica segundo Aristóteles. Revista da Faculdade de Direito de Conselheiro Lafaiete. Conselheiro Lafaiete, ano 2, nº 3, p. 22-30, Novembro 2003.

HERACLITO. Fragmentos contextualizados. Tradução [bilingue do grego para o português] Alexandre Costa. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.

HESPANHA, António Manuel. Panorama histórico da cultura jurídica européia. Mem Martins: Europa-América, 1997.

HIPÓCRATES. Aforismos. Tradução José Dias de Moraes. São Paulo: Martin Claret, 2004.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de uma república eclesiástica e civil. Tradução João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HÖFFE, Orfried. Justiça política. Tradução Ernildo Stein. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Tradução Luiz Repa. São Paulo: Editora 34, 2003.

________. Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da filosofia do direito de Hegel. Tradução Rúrion Soares Melo. São Paulo: Esfera República, 2007.

HRYNIEWICZ, Severo. Para filosofar hoje. 7. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

HUISMAN, Denis. Dicionário de obras filosóficas. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HUME, David. Investigação sobre o entendimento humano. Tradução Alexandre Amaral Rodrigues. São Paulo: Hedra, 2009.

JAMES, William. O Pragmatismo: um nome novo para algumas formas antigas de pensar. Tradução Fernando Silva Martinho. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1997.

JHERING, Rudolf Von. A luta pelo direito. Tradução João Vasconcelos. 18. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Tradução José Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

________. Crítica da razão prática. Tradução Valério Rohden. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

________. Crítica da razão pura. Tradução Lucimar A. Coghi Anselmi e Fulvio Lubisco. São Paulo: Ícone, 2007.

________. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2009.

________. O fim de todas as coisas. In: KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 103-119.

________. Que significa orientar-se no pensamento? In: KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 39-55.

________. Resposta à pergunta: Que é o Iluminismo? In: KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 11-19.

________. Sobre a expressão corrente: Isto pode ser correcto na teoria, mas nada vale na prática. In: KANT, Immanuel. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 199. p. 57-102.

KATZ, Isaac M. Qué tan liberal es usted? México: Coyoacán, [s.d.].

KAUFMANN, Arthur. Filosofia do direito. Tradução António Ulisses Cortês. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2009.

________. Analogia y «naturaleza de la cosa»: hacia una teoria de la comprension jurídica. Traducción Enrique Barros Bourie. Santiago: Editorial Jurídica de Chile, 1976.

KELSEN, Hans. A justiça e o direito natural. Tradução João Baptista Machado. Coimbra: Almedina, 2009.

KIRCHMANN, Julius Hermann von. La jurisprudencia no es ciencia. Traducción Antonio Truyol y Serra. Madrid: Instituto de Estudios Políticos, 1949.

KONDER, Leandro. Idéias que romperam fronteiras. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 171-189.

KORNHAUSER, Lewis A. A análise económica do direito. Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº2, p. 43-51, Janeiro/Abril 1992.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2009.

LACERDA, Bruno Amaro. O fundamento do direito em Platão. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p..1-11.

LAKATOS, Imre. História da ciência e suas reconstruções racionais e outros ensaios. Tradução Emília Picado Tavares Marinho Mendes. Lisboa: Edições 70, 1978.

________. O efeito de Newton sobre os padrões científicos. In: LAKATOS, Imre. História da ciência e suas reconstruções racionais e outros ensaios. Tradução Emília Picado Tavares Marinho Mendes. Lisboa: Edições 70, 1978. p. 115-160.

________. Porque é que o programa de investigação de Copérnico suplantou o de Ptolomeu? In: LAKATOS, Imre. História da ciência e suas reconstruções racionais e outros ensaios. Tradução Emília Picado Tavares Marinho Mendes. Lisboa: Edições 70, 1978. p. 77-114.

LAKS, André. The Laws. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught. Cambridge Cambridige: Cambridige University Press, 2000. p. 258-292.

LANE, Melissa. Sócrates and Plato: an introduction. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught. Cambridige: Cambridige University Press, 2000, p. 155-163.

LASK, Emil. Filosofia jurídica. Tradución Roberto Goldschmidt. Buenos Aires: Editorial de Palma, 1946.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Discurso de metafísica. Tradução João Amado. Lisboa: Edições 70, 2000.

________. Princípios da filosofia [Monadologia]. Tradução Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século, 2001.

________. Princípios da natureza e da graça. Tradução Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século, 2001.

________. Los elementos del derecho natural. Traducción Tomás Guillén Vera. Madrid: Tecnos, 1991.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Tradução Pergentino S. Pivatto, Evaldo Antonio Kuiva et alii, Petrópolis: Vozes, 2004.

________. Entre nous: essais sur le penser-à-l’autre. Paris: Grasset & Fasquelle, 1991.

________. Totalidade e infinito. Tradução José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 2000.

LINHARES, José Manuel Aroso. Entre a reescrita pós-moderna da modernidade e o tratamento narrativo da diferença ou a prova como um exercício de «passagem» nos limites da juridicidade (Imagens e reflexos pré-metodológicos deste percurso). Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

________. Imaginação literária e «Justiça Poética»: um discurso de área aberta. Boletim da Faculdade de Direito da Universiade de Coimbra. Coimbra, v. LXXXV, p. 111-149, 2009.

________. Autotranscendentalidade, desconstrução e responsabilidade infinita: os enigmas de Force de loi. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, p. 551-667, [s.d]. (Stvdia Ivridica 90).

________. A «abertura ao futuro» como dimensão do problema do direito. In: NUNES, António José Avelãs; COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda (Coord.). O direito e o futuro/o futuro do direito. Coimbra: Almedina, 2008. p. 391-429.

________. Habermas e a universalidade do direito. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, p. 477-669, 1984. (Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Eduardo Correia II).

________. O dito do direito e o dizer da justiça: diálogos entre Lévinas e Derrida. Lisboa, ano VIII, nº 14, p. 5-56, 2007. (Separata da Themis/Revista da Faculdade de Direito de UNL).

________. O binómio casos fáceis/casos difíceis e a categoria de inteligibilidade sistema jurídico: um contraponto indispensável no mapa do discurso jurídico contemporâneo. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.

LLORENTE, Francisco Rubio. Constitución: valores, principios, derechos. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 135- 148.

LOCKE, John. Dois tratados do governo civil. Tradução Miguel Morgado. Lisboa: Edições 70, 2006.

________. Ensaio sobre o entendimento humano. Tradução Eduardo Abranches de Soveral. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008. v. I e II.

________. Segundo tratado sobre o governo. Tradução Alex Marins. São Paulo: Martin Claret, 2002.

LOUREIRO, Ana Paula. O conceito de direito em Luis Cabral de Moncada. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 194-215.

LOURENÇO, Daniel Braga. A liberdade de culto e o direito dos animais (Parte 2). Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 271-288, Julho/Dezembro 2007.

LUNGARZO, Carlos. O que é ciência, O que é lógica, O que é matemática?. São Paulo: Circulo do livro, [s.d.].

LYOTARD, Jean-François. La diferencia. Tradução Alberto L. Bixio. Barcelona: Gedisa Editorial, 1999.

_______. A condição pós-moderna. Tradução José Navarro. 3. ed. Lisboa: Gradiva, 2003.

MACINTYRE, Alasdair. Justiça de quem? Qual a racionalidade? Tradução Marcelo Pimenta Marques. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

________. La privatización del bien. In: MASSINI-CORREAS, Carlos (Org.). El iusnaturalismo actual. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1996. p. 215-236.

MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Marx: estado, poder e ideologia. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.113-127.

MAYNEZ, Eduardo García. Filosofía del Derecho. 2. ed. México: Porrúa, 1977.

MANON, Simone. Para conhecer Platão. Tradução Maria Teresa Serpa. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

MAQUIAVEL, Nicolai. A arte da guerra. Tradução David Martelo. Lisboa: Edições Sílabo, 2008.

________. O príncipe. Tradução David Martelo. Lisboa: Edições Sílabo, 2008.

________. O príncipe. Tradução Maurício Santana Dias. São Paulo: Penguin/Companhia das Letras, 2010.

MARCO AURÉLIO. Pensamentos. In: SÉNECA (Os Estóicos). Tradução João Maia. Lisboa: Nova Vega, 2008. p. 109-150.

MARCUSE, Herbert. O fim da utopia. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

MARINOFF, Lou. Mais Platão, menos prozac. Tradução Ana Luiza Borges. 12 ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

MARQUES, Mário Reis. Codificação e paradigmas da modernidade. Coimbra: Edições do Autor, 2003.

________. O direito: a gestão da urgência ou uma normatividade com um tempo próprio? AD Honorem. Coimbra, nº 3, p. 725-764, [s.d]. (Stvdia Ivridica 90).

________. Um olhar sobre a construção do «sujeito de direito». AD Honorem. Coimbra, nº 4, p. 95-110, [s.d]. (Stvdia Ivridica 96).

________. O modelo da justiça racionalista: uma construção para iludir o tempo? In: CUNHA, Paulo Ferreira (Org.). Direito Natural, justiça e política. Coimbra: Coimbra Editora, 2005. v. I, p. 189-212.

MARTINS, Leandro José de Souza. Uma leitura da teoria do ethos e da justiça em Aristóteles. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 12-34.

MARX, Karl. MARX, Karl. Oeuvres. Paris: Éditions Gallimard, 1968. v. II.

_____. Contribuição para a crítica da Economia Política. Tradução Maria Helena Barreiro Alves. 2. ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1973.

_____. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução Rubens Enderle e Leonardo de Deus. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. Tradução Marcus Mazzari. São Paulo: Hedra, 2010.

MASCARO, Alysson Leandro. Filosofia do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

MATOS, Olgária C. F. A escola de Frankfurt: luzes e sombras do iluminismo. São Paulo: Moderna, 1993.

MCCABE, Mary Margaret. Plato’s individuals. Princeton/Ney Jersey: Princeton University Press, 1994.

MELO, Romeu de. Os intelectuais e a política. Lisboa: Editorial Presença, 1964.

MELLO, Cleyson de Moraes. O fundamento do direito em Heidegger. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.164-175.

MENDES, Armindo Ribeiro. O processo executivo e a economia. Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº 2, p. 51-63, Janeiro/Abril 1992.

MESURE, Sylvie; RENAUT, Alain. Alter ego: os paradoxos da identidade democrática. Tradução José Luís Gondinho. Lisboa: Piaget, 2001.

MÉSZÁROS, István. Filosofia, ideologia e ciência social. Tradução: Ester Vaisman. São Paulo: Boitempo, 2008.

MIGUEL, Amando de. Apéndice: valores, sentimientos y estados de ánimo de los españoles. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 277-288.

MILLER JR., Fred D; BIONDI, Carric-Ann (Edit.). A history of the philosophy of law from the ancient greeks to the scholastics. Dordrecht: Springer, 2007. (A treatise of legal philosophy and general jurisprudence, v. 6, editedy for Enrico Pattaro).

MILL, John Stuart. Utilitarismo. Tradução Eduardo Rogado Dias. 2. ed. Coimbra: Atlântida Editora, 1976.

________. Ensaio sobre a liberdade. Tradução Orlando Vitorino. Lisboa: Arcádia, 1973.

MINDA, Gary. Postmodern legal movements: law and jurisprudence at century’s end. New York: New York University Press, 1995.

MIRANDOLA, Giovanni Pico Della. Discurso sobre a dignidade do homem. Tradução [bilíngue latam-português] Maria de Lurdes Sirgado Ganho. 6.ed. Lisboa: Edições 70, 2006.

MONCADA, L. Cabral de. Filosofia do Direito e do Estado. Coimbra: Coimbra Editora, 1995. v. I [Parte Histórica] e v. II [Doutrina e Crítica].

MONTESQUIEU. Do espírito das leis. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martin Claret, 2010.

MORAES, Renato Almeida de. Axel Honneth e a legitimidade para além do procedimento: uma reconstrução ético-formal da teoria crítica. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.311-322.

MORENTE, Manuel García. Fundamentos de filosofia: lições preliminares. Tradução Guilhermo de la Cruz Coronado. 8. ed. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1930.

MOSSÉ, Claude. O cidadão na Grécia antiga. Tradução Rosa Carreira. Lisboa: Edições 70, 1993.

MÜLLER, Friedrich. Teoria estruturante do direito. Tradução Peter Naumann e Eurides Avance de Souza. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

_______. Quem é o povo? A questão fundamental da democracia. Tradução Peter Naumann. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

NABUCO, Joaquim. Minha formação. São Paulo: Martin Claret, 2004.

________. O abolicionismo. Rio de Janeiro: BestBolso, 2010.

NADER, Paulo. Filosofia do direito. 12. ed. Rio de janeiro: Forense, 2002.

NEVES, A. Castanheira. A crise actual da filosofia do direito no contexto da crise global da filosofia: tópicos para a possibilidade de uma reflexiva reabilitação. Coimbra: Coimbra Editora, 2003.

________. Apresentação-comentário. In: BAPTISTA, Fernando Paulo. Tributo à Madre Língua. Coimbra: Pé de Página Editores, 2003. p. 23-42.

________. Coordenadas de uma reflexão sobre o problema universal do direito – ou as condições da emergência do direito como direito. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, p. 837-871, 2002. (Estudos em Homenagem à Professora Doutora Isabel de Magalhães Colaço, v. II).

________. Digesta: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Editora, 2008. v. 3º.

________. Digesta: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Editora, 1995. v. 2º.

________. Digesta: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Editora, 1995. v. 1º.

________. O direito interrogado pelo tempo presente na perspectiva do futuro. In: NUNES, António José Avelãs; COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. (Coord). O direito e o futuro/o futuro do direito. Coimbra: Almedina, 2008. p. 9-82.

________. O instituto dos «assentos» e a função jurídica dos supremos tribunais. Coimbra: Coimbra Editora, 1983.

________. O liberalismo jurídico de Vicente Ferrer de Neto Paiva: terá errado simultaneamente Kant e Krause? Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, p.195-210, 1999. (Stvdia Ivridica 45).

________. Palavras proferidas a propósito da conferência de Arthur Kaufmann. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, nº 78, p. 179-182, 2002.

________. Pessoa, direito e responsabilidade. Revista Portuguesa de Ciência Criminal. Coimbra, ano 6, fasc. 1º, p. 9-43, Janeiro/Março 1996.

________. Sumários de História do Pensamento jurídico. Coimbra: Policopiado, 1975.

________. Pensar o direito num tempo de perplexidade. In: DIAS, Augusto Silva et alii. Liber Amicorum de José de Sousa e Brito: estudos de direito e filosofia. Coimbra: Almedina, 2009. p. 3-28.

NEVES, Marcelo. Entre Hidra e Hércules: princípios e regras constitucionais como diferença paradoxal do sistema jurídico. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

OCKHAM, Guillermo de. Obra Política. Traducción Primitivo Mariño Gomez. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1992. v. I.

OLLERO, Andrés. Liberalismo político, moral pública y derecho. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 173-212.

ORTEGA Y GASSET, José. A rebelião das massas. Tradução Marylene Pinto Michael. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

________. O que é a filosofia? Tradução José Bento. Lisboa: Biblioteca Editores Independentes, 1994.

OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Tradução Joana Chaves. Lisboa: Piaget, 1997.

________. O tempo do direito. Tradução Maria Fernanda Oliveira. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

________. Contar a lei: as fontes do imaginário jurídico. Tradução Paulo Neves. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2005.

PADOVANI, Andrea; STEIN, Peter G. The jurists’ philosophy of law from Rome to the seventeenth century. Dordrecht: Springer, 2007. (A treatise of legal philosophy and general jurisprudence, v. 7, editedy for Enrico Pattaro).

PAGLIARO, Antonino. A vida do sinal: ensaios sobre a língua e outros símbolos. Tradução Aníbal Pinto de Castro. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983.

PAPINI, Giovanni. El crepusculo de los filosofos. Bueno Aires: Editorial Tor, [s.d.].

PAPPAS, Nickolas. A República de Platão. Tradução Abílio Queiroz. Lisboa: Edições 70, 1996.

PARMÉNIDES DE ELEIA. Sobre a natureza. Tradução António Monteiro e Miguel Real. Lisboa: Lisboa Editora, 1999.

PEDRO ABELARDO. Lógica para principiantes. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Ruy Afonso da Costa Nunes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 205-245. (Os Pensadores)

PENNER, Terry. Socrates. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught.Cambridge. Cambridige: Cambridige University Press, 2000. p. 164-189.

PEREIRA, Miguel Baptista. O lugar de Ser e Tempo na filosofia contemporânea da linguagem. Biblos/Revista da Faculdade de Letras. Coimbra, v. LVI, p. 7-93, 1980.

PERELMAN, Chaïm. Ética e direito. Tradução Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PFORDTEN, Dietmar von der. O que é o direito? Tradução João Tiago Proença. In: DIAS, Augusto Silva. Liber Amicorum de José de Sousa e Brito. Coimbra: Almedina, 2009. p. 175-194.

PINSKY, Jaime. Os profetas sociais e o deus da cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 15-27.

PLATÃO. A República. Tradução Maria Helena da Rocha Pereira. 9. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

________. Apologia de Sócrates. Tradução M. Oliveira Pulquério. Lisboa: Editorial Verbo, 1972.

________. Fédon. Tradução Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 55-126. (Os Pensadores).

________. O Banquete. Tradução José Cavalcante de Souza. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 1-53. (Os Pensadores).

________. Político. Tradução Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 197-261. (Os Pensadores).

________. Sofista. Tradução Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 127-195. (Os Pensadores).

________. Diálogos. [Parmênides. Político. Filebo. Lísis]. Tradução Edson Bini.Bauru: Edipro, 2009. v. IV.

_________. Protágoras. Tradução Eleazar Magalhães Teixeira. Fortaleza: EUFC, 1986.

PLATÓN. Obras completas. Traducción Maria Araujo et alii. Madrid: Aguilar, 1990.

PLATON. Diálogos. [Apología de Sócrates. Eutífron. Críton. Fédon. Symposio. Fedro]. Ciudad de México: Universidad Nacional de México, 1921.

_______. Diálogos. [Teetetes. Cratilo. Menon. Laques]. Ciudad de México: Universidad Nacional de México, 1922.

_______. Diálogos. [Protágoras. Gorgias. Carmides. Ion. Lysis]. Ciudad de México: Universidad Nacional de México, 1922.

PLOTINO. Tratado das Enéadas. [Texto integral de 12 tratados]. Tradução Américo Sommerman. São Paulo: Polar, 2002.

POPPER, Karl R. A lógica da pesquisa científica. Tradução Leônidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Cultrix, 2007.

________. A sociedade aberta e os seus inimigos I: o fascínio de Platão. Tradução Anabela Sottomayour Catarina Labisa. 5. ed. Lisboa: Fragmentos, 1993.

________. O mito do contexto: em defesa da ciência e da racionalidade. Tradução Paula Taipas. Lisboa: Edições 70, 1996.

POSNER, Richard A. Problemas de filosofia do direito. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

POUND, Roscoe. Introdução à filosofia do direito. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1965.

_______. Las grandes tendencias del pensamiento jurídico. Traducción José Puig Brutau. Barcelona: Ediciones Ariel, 1950.

PUFENDORF. Élémens du droit naturel et Devoirs de l’homme et du citoyen. Par Burlamaqui et Barbeyrac. Nouvelle Édition. Paris: Chez Janet et Cotelle Libraires, 1820.

RADBRUCH, Gustav. Filosofia do direito. Tradução Marlene Holzhausen. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

RAWLS, John. O liberalismo político. Tradução João Sedas Nunes. 1. ed. Lisboa: Presença, 1997.

________. Uma teoria da justiça. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. Storia della Filosofia. Milano: 2010, v. 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11.

REALE, Giovanni. História da Filosofia Antiga. Tradução Henrique Cláudio de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1994, v. II.

REALE, Giovanni. Para uma nova interpretação de Platão. Tradução Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1997.

REALE, Miguel. Filosofia do direito. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

________. Obras políticas: Primeira Fase-1931 a 1937. Brasília: Editora UnB, 1983.

REIS, José. Curso de filosofia do conhecimento. Lisboa: Colibri, 2001.

RENAUT, Alain. A era do indivíduo. Tradução Maria João Batalha Reis. Lisboa: Piaget, 1989.

REPOLÊS, Maria Fernanda Salcedo. Ronald Dworkin e o fundamento do direito. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.323-348.

RESWEBER, Jean-Paul. A filosofia dos valores. Tradução Marina Ramos Themudo. Coimbra: Almedina, 2002.

RIBEIRO, Ana Clara Torres; GRAZIA, Grazia de. Experiências de orçamento participativo no Brasil: período de 1997 a 2000. Petrópolis: Vozes, 2003.

RICHARDSON, Henry S. The stupidity of the cost-benefit standard. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 135-167.

RICOEUR, Paul. O justo ou a essência da justiça. Tradução Vasco Casimiro. Lisboa: Piaget, 1995.

_______. A simbólica do mal. Tradução Hugo Bastos e GonçaloMarcelo. Lisboa: Edições 70, 2013.

ROMERO, Sílvio. Ensaio de filosofia do direito. São Paulo: Landy Editora, 2001.

ROMEYER-DHERBEY, Gilbert. Os Sofistas. Tradução João Amado. Lisboa: Edições 70, 1999.

ROSS, Alf. Direito e justiça. Tradução Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2003.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato Social: princípios do direito político. Tradução Edson Bini. Baurú: Edipro, 2000.

________. O contrato social: princípios de direito político. Tradução Antônio de P. Machado. Rio de Janeiro: Editora Tecnoprint, [s.d].

ROWE, Christopher. Cleitophon an Minos. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught.Cambridge. Cambridige: Cambridige University Press, 2000. p. 303-309.

________. The Politicus and other dialogues. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught.Cambridge. Cambridige: Cambridige University Press, 2000, p. 233-257.

RUSSEL, Bertrand. Los problemas de la filosofía. Tradução Joaquim Xirau. 2. ed. Barcelona: Editorial Labor, 1937.

SANDEL, Michael J. O liberalismo e os limites da justiça. Tradução Carlos E. Pacheco do Amaral. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

_______. O que o dinheiro não compra: os limites morais do mercado. 8. ed. Tradução Clóvis Marques. São Paulo: Civilização Brasileira, 2017.

SANTAELLA, Lúcia. O que é Semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2005.

SAN ISIDORO DE SEVILLA. Etimologías. Versión D. Luis Cortés Góngora. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, MCMLI.

SANTO AGOSTINHO. A Cidade de Deus. Tradução J. Dias Pereira. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2006. V. I, II e III.

________. Confissões. Braga: Livraria A.I Braga, 2008.

________. Diálogo sobre a felicidade. Tradução [bilíngue latim-português] Mário A. Santiago de Carvalho. Lisboa: Edições 70, 2007.

SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA. Monológico. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Angelo Ricci. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 7-99. (Os Pensadores)

_______. Proslógico. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Angelo Ricci. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 101-175. (Os Pensadores)

_______. A verdade. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Ruy Afonso da Costa Nunes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 147-175. (Os Pensadores)

_______. O gramático. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Ruy Afonso da Costa Nunes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 177-203. (Os Pensadores)

_______. Lógica para principiantes: logica ingredientibus. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Ruy Afonso da Costa Nunes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 205-245. (Os Pensadores)

SANTO TOMÁS DE AQUINO. Verdade e conhecimento. Tradução Luiz Jean Laund e Mario Bruno Sproviero. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

________. Tratado de la justicia (2-2 q. 57-79). In: SANTO TOMÁS DE AQUINO. Summa Theologica. Versión Fr. Teofilo Urdanoz, O. P. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, MCMLVI. tomo VIII, p. 155-717.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 54, p. 197-215, Junho 1999.

SANTOS, Fernanda Barbosa dos; MARINHO, Leonardo Augusto Marques. Fundamentos do direito em Luiggi Ferrajoli. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 249-261.

SANTOS, Marcelo Paiva dos. A democracia brasileira no contexto da periferia latino-americana: o problema da jurisdição e o contributo possível da reflexão metodológica (diálogos com Friedrich Müller, Castanheira Neves, Niklas Luhmann e Miguel Reale). Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.  Coleção Nas Duas Margens, v. 1.

SANTOS, Milton. O espaço do Cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago. Algumas notas sobre a dimensão ecológica da dignidade da pessoa humana e sobre a dignidade da vida em geral. FRANCIONE, Gary L. Animais como propriedade. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 13-15, Julho/Dezembro 2007.

SARTRE, Jean-Paul. O Ser e o Nada. Petrópolis: Vozes, 1997.

_______. O existencialismo é um humanismo. 4. ed. Tradução Vergílio Ferreira. Lisboa/São Paulo: Presença/Martins Fontes, 1978.

SAVIGNY, F. C. De La vocación de nuestra época para la legislación y la ciencia del derecho. In: THIBAUT, U.F.T; SAVIGNY, F.C.V. La Codification: uma controversia programática basada em obras de Thibaut y Savigny. Traducción José Diaz Garcia. Madrid: Aguilar, 1970. p. 48-169.

SCHELER, Max. A situação do homem no cosmos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições Texto & Grafias, 2008.

SCHILLER, Friedrich. Sobre os limites necessários no uso de formas belas. In: SCHILLER, Friedrich. Sobre a educação estética do ser humano numa série de cartas e outros textos. Tradução Teresa Rodrigues Cadete. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1994. p. 103-122.

SCHOFIELD, Malcom. Approaching the Republic. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught.Cambridge. Cambridige: Cambridige University Press, 2000, p. 190-222.

________. Plato and practical politics. In: ROWE, Christopher; SCHOFIELD, Malcom (Edit). The Cambridge History of Greek an Roman Political Thaught.Cambridge. Cambridige: Cambridige University Press, 2000, p. 293-302.

SENNETT, Richard. O declínio do homem publico: as tiranias da intimidade. Tradução Lygia Araujo Watanabe. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SERRES Michel. O contrato natural. Tradução Serafim Ferreira. Lisboa: Piaget, 1990.

SCHOPENHAUER. O mundo como vontade e representação. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, MCMLXVI.

_______. O livre arbítrio. In: ERASMO DE ROTERDÃ; SCHOPENHAUER. O elogio da Loucura; O livre arbítrio. São Paulo: Novo Horizonte, [s.d]. p. 149-257. (Os Grandes Clássicos da Literatura, v. III).

SCHULZ, Fritz. Principios del derecho romano. Traducción Manuel Abellán Velasco. Madrid: Civitas, 1990.

SEN, Amartya. Sobre ética e economia. Tradução Pedro Elói Duarte. Coimbra: Almedina, 2012.

SILVA, Antonio Sá da. As três responsabilidades ético-planetárias do direito e da educação jurídica: contribuições para um diálogo entre a «justiça acadêmica» de Platão e a «ética da mobilização planetária» dos movimentos e organizações sociais contemporâneos, 2004. 215p. Mestrado em Ciências Jurídico-Filosóficas – Faculdade de Direito, Universidade de Coimbra, Coimbra/Portugal.

SILVA, Rui Sampaio. Wittgenstein e a Hermenêutica. Phainomenon. Lisboa, nº 7, p. 129-154, [s.d].

SIMÕES, Luís Miguel. A crítica de Derrida à teoria da significação de Husserl: a voz e o fenômeno e a primeira investigação lógica. Phainomenon. Lisboa, nº 9, 69-114, [s.d].

SOUSA, João Ramos de. Labeo e nós. Sub Judice/Justiça e Sociedade. Lisboa, nº 2, p. 27-29, Janeiro/Abril 1992.

SPENCER, Herbert. La justicia. Traducción Pedro Forcadell. Valencia: Sempere y Compania, 1947.

STEBBING, L. Susan. Introducción la lógica moderna. México-Buenos Aires: Fondo de cultura económica, [s.d.].

STRATHERN, Paul. Derrida em 90 minutos. Tradução Cassio Boechat. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

SUNSTEIN, Cass R. Cognition and cost-benefit analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 223-267.

TEIXEIRA, António Braz. Caminhos e figuras da filosofia do direito luso-brasileira. 2. ed. Lisboa: Novo Imbondeiro, 2002.

THIBAUT, U. F. T. Sobre La necessidad de um derecho civil general para Alemania. In: THIBAUT, U.F.T; SAVIGNY, F.C.V. La Codification: uma controversia programática basada em obras de Thibaut y Savigny. Traducción José Diaz Garcia. Madrid: Aguilar, 1970. p. 3-45.

THOMASIUS, Christian. Fundamentos de derecho natural y de gentes. Traducción Salvador Rus Rufino y Mª Assunción Sánchez Manzano. Madrid: Tecnos, 1994.

TIBURI, Marcia. Como conversar com um fascista: reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

TOURAINE, Alain. Como sair do liberalismo? Tradução Freitas e Silva. Lisboa: Terramar, 1999.

TROGO, Sebastião. A trama do olhar no Grande Sertão: veredas. [s.n.t].

_____. O impasse da má-fé na moral de J.-P. Sartre. Belo Horizonte: Ciência Jurídica, 2011.

TRUYOL Y SERRA, António. História da Filosofia do Direito e do Estado: das origens à baixa Idade Média. Tradução Henrique Barrilaro Ruas. Venda Nova/Amadora: Peres Artes Gráficas, 1985. v. 1.

________. História da Filosofia do Direito e do Estado: do Renascimento a Kant. Tradução Henrique Barrilaro Ruas. Venda Nova/Amadora: Peres Artes Gráficas, 1985. v. 2.

________. Utopia y realismo político en Tomas Campanella. Anuario de Filosofía del Derecho. Madrid, tomo III, nº 4, p. 137-169, 1955.

UGLIONE, Renato (A cura). La cittá ideale nella tradizione clássica e bíblico-cristiana. Torino: Regione Piemonte, 1985.

UNGER, Roberto Mangueira. Democracia realizada: a alternativa progressista. Tradução Carlos Graieb et alii. São Paulo: Boitempo, 1999.

_______. O direito e o futuro da democracia. Tradução Caio Farah Rodriguez. São Paulo: Boitempo, 2004.

VAZ, Henrique C. de Lima. Experiência mística e filosofia na tradição ocidental. São Paulo: Loyola, 2000.

_______. Escritos de Filosofia III: filosofia e cultura. São Paulo: Loyola, 1997.

VÁZQUEZ, José Mª Castán. La visón de las leyes en la literatura de utopía. Madrid: Universidade Pontifica Comillas, 1990.

VECCHIO, Giorgio del. História da filosofia do direito. Tradução João Batista da Silva. Belo Horizonte: Líder, 2004.

VIEIRA, Kayo Roberto. Educação ambiental e atribuição de significação moral a seres não-humanos. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 95-106, Julho/Dezembro 2007.

VISCUSI, W. Kip. Risk equity. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 7-35.

VITÓRIA, Francisco de. Releccionesde indios y del derecho de la guerra. [Con trozos de la referente a La potestad civil]. Versión [Bilingue Latim-Español] El Marquês de Olivart. Madrid: Espasa-Calpe, MCMXXVIII.

WALZER, Michael. Esferas da justiça: uma defesa do pluralismo e da igualdade. Tradução Jussara Simões. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WELZEL, Hans. Derecho natural y justiça material. Traducción Felipe González Vicén. Madrid: Aguilar, 1957.

WERT, José Ignacio. Partidos Políticos y valores morales. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 249-278.

WIEACKER, Franz. História do direito privado moderno. Tradução António Manuel Hespanha. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

WILLIAMS, Bernard. A ética e os limites da filosofia. Tradução Artur Morão e David G. Santos. Lisboa: Documenta, 2017.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratado lógico-filosófico. Tradução M. S. Lourenço. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

WOLFF, Christian. Principes du droit de la nature et des gens. Amsterdam: MarC Michel Rey, MDCCLVIII.

WOLKMER, Antonio Carlos. Introdução ao pensamento jurídico crítico. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

Direito & Literatura e Racionalidade das Emoções

AGUIAR E SILVA, Joana. A prática judiciária entre direito e literatura. Coimbra: Almedina, 2001.

________. El punto de vista de la ceguera: derecho y literatura en la constitución de la identidad. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 207-215.

________. Visões humanistas da justiça em Ensaio sobre a cegueira. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 209-236.

ALBUQUERQUE, Ruy de. Poesia e direito. Coimbra: Coimbra Editora, 2007.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução Eudoro de Sousa. 6. ed. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2000.

ATIENZA, Cristina Monereo. Narrativa y género. Sobre desigualdad y justicia social en Villette de C. Brönte e Insolación de E. Pardo Bazán. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 235-249.

BATAILLE, Georges. A literatura e o mal. Tradução Fernando Scheibe. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BENJAMIN, Walter. O narrador: reflexões sobre a obra de Nicolai Lesskov. In: BENJAMIN, Walter. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução Maria Luz Moita et alii. Lisboa: Relógio d’Água, 1992. p. 27-57.

________. O autor como produtor: conferência pronunciada no Instituto para o Estudo do Fascismo, em 27 de abril de 1934. In: BENJAMIM, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sergio Paulo Rouanet. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, [s.d ].(Obras Escolhidas, v. 1).

BERNAL, Andrés Botero. Derecho y Literatura: un nuevo modelo para armar. Instrucciones de uso. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 29-39.

BORGES, Jorge Luis. Pierre Menard, o autor do Quixote. In: BORGES, Jorge Luis. Ficções. Tradução José Colaço Barreiros. Porto: Público Comunicação Social S.A, 2003. p. 29-40.

BRAGA, Leopoldo. Relações e afinidades entre a poesia e a filosofia. Rio de Janeiro: [s.n], 1949.

BRONZE, Fernando José. “A imaginação no quadro da judicativo-decisória realização do direito”. Boletim da Faculdade de Coimbra. Coimbra, v. LXXXIV, p. 59-88, 2008.

CALDANI, Miguel Ángel Ciuro. La cultura jurídica argentina en sus expresiones literarias capitales: significados jurídicos de Facundo y Martín Fierro. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 71-90.

CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. Tradução Diogo Mainardi. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. O direito à literatura e outros ensaios. Coimbra: ngelus Novus, 2004. p. 11-33.

CÁRCOVA, Carlos María. Ficción y verdad en la escena del derecho. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 283-298.

CASTRO, Fabio Caprio Leite de. O que é o narcisismo jurídico? In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 133-154.

CHUEIR, Vera Karam de; SANTANA, Carolina Ribeiro. Então mete-se um homem na cadeia porque ele não sabe falar: Direito. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 403-416.

CÍCERO. Em defesa do poeta Árquias. Tradução Maria Isabel Rabelo Gonçalves. 3. ed. Me Martins: Editorial Inquérito, 1999.

CRAFT, Gretchen A. The persistense of dread in law and literature. The Yale Law Journal. Yale, v. 102, p. 521-546, 1992-1993

CUNHA, Paulo Ferreira. Do rito à literatura em direito. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 253-263.

D’AVILA, Fabio Roberto. Direito Penal, literatura e representações. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 155-164.

DAMÁSIO, António R. Ao encontro de Espinosa: as emoções sociais e a neurologia do sentir. Mens Martins: Europa-América, 2003.

________. O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Tradução Dora Vicente e Georgina Segurado. 16. ed. Portugal: Europa-América, 1994 .

DERRIDA, Jacques. Before the law. In: DERRIDA, Jacques. Acts of Literature. New York/London: Routledge, 1992. p. 181-218.

DESCARTES, René. As paixões da alma. Tradução Rosemary Costhek Abílio: São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DWORKIN, Ronald. How Law is like Literature. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 29-46.

EPICTETO. Manual do Epicteto. In: SÉNECA (Os Estóicos). Tradução Pedro Alvim. Lisboa: Nova Vega, 2008. p. 59-108.

ESPÍRITO SANTO, Arnaldo do. Imagens do Amor em Santo Agostinho. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 255-268.

FACHIN, Melina Girardi; CORRÊA, Rafael. Direito & Literatura: o discurso literário como proposta pedagógica do saber jurídico. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 379-402.

FIALHO, Maria do Céu. Representações de identidade e alteridade em Ésquilo. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 77-93.

FIGUEIREDO, Lídia. La filosofia narrativa de Alasdair MacIntyre. Navarra: Eunsa, 1999.

FISH, Stanley. Working on the chain gang: interpretation in Law and Literature. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 47-60.

GAUDÊNCIO, Ana Margarida Simões. Recensões: “Cultural Software”, de J. M. Balkin. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, v. LXXXII, p. 847-863, [s.d].

________. Recensões: “Raconter la loi”, de François Ost. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, vol. LXXXII, p. 1013-1035, 2006.

________. «Às portas da lei»(?): reflexos do diálogo divergente entre West e Posner sobre as possíveis leituras de Kafka na perspectivação do Homem perante o Direito. Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias/Estudos e Ensaios. Lisboa, nº 12, p. 133-154, 2008.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Direito e Literatura no Brasil. Notas a propósito do antifetichismo institucional nas crônicas de Lima Barreto. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 91-104.

________. Direito e Literatura. Os pais fundadores: Jonn Henry Wigmore, Benjamim Nathan Cardozo e Lon Fuller. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 41-68.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Tradução Marcos Santarrita. 9. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

GONZÁLEZ, José Calvo. A controvérsia fática: contribuição ao estudo da quaestio facti a partir de um enfoque narrativista do directo. Tradução Manuela Vianna Espindola e André Karam Trindade. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 237-268.

________. Derecho y Literatura. Intersecciones instrumental, estrutural e institucional. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 3-27.

________. La controversia fáctica. Contribución al estudio de la quaestio facti desde una perspectiva narrativista del derecho. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 363-389.

________. Médio rural y justicia (Literatura social-reformista en España, 1914-1925). In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 145-188.

________. Prejuicio y marginalidad. Guineos y gitanos. Los «otros» em lírica popular del villancico, s. XVII y XVII. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 121-144.

________. Sobre hermenéutica y relato. Notas para una ilustración narrativista acerca de di-versiones y extra-versiones interpretativas. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 471-477.

HABERLE, Peter. Das grundgesetz der literaten. Baden-Baden: Nomos Verlagsgesellschaft, 1983.

HANAFIN, Patrick. Una voz más alla de la ley. Narrando la violencia en el derecho y la literatura. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 217-233.

HEIDEGGER, Martin. A caminho da linguagem. Tradução Márcia Sá C. Schuback. Petrópolis: Vozes, 2003.

________. Carta sobre o humanismo. Tradução Pinharanda Gomes. Lisboa: Guimarães Editores, 1998.

HEILBRUN, Carolyn; RESNIK, Judith. Convergences: Law, Literature, and Feminism. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 91-126.

HERCULANO, Alexandre. Da propriedade literária e da recente convenção com França: ao Visconde de Almeida Garret. In: HERCULANO, Alexandre. Obras Completas de Alexandre Herculano. S. l: Livraria Bertrand, [s.d]. tomo II, p. 524-554. (Opúsculos).

HUME, David. Tratado da natureza humana. Tradução Déborah Danowski. 2.ed. São Paulo: UNESP, 2009.

JOÃO PAULO II, Papa. Carta do Papa aos Artistas. 2. ed. São Paulo: Paulinas. 1999.

LAGOS, Juan Omar Cofre. Justicia dramática: uma comparación entre estructuras literarias y jurídicas. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 417-430.

LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996.

LINHARES, José Manuel Aroso. O logos da juridicidade sob o fogo cruzado do ethos e do pathos: da convergência com a literatura (Law as Literature, Literature as Law) à analogia com uma poiêsis-technê de realização (Law as Musical and Dramatic Performance). Boletim da Faculdade de Coimbra. Coimbra, v. LXXX, p. 59-135, 2004.

________. Imaginação literária e «justiça poética» – um discurso da «área aberta»? In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 269-306.

________. Law in/as Literature as Alternative Humanistic Discourse: the unavoidable resistance to legal scientific pragmatismo or the fertile promise of a communitas without Law? Italian Society for Law and Literature [Dossier Law and Literature: a discussion on purposes and method, Proceedings of the Special WS on Law and Literature held at 24th IVR World Conference, September, 2009, Beijing, Edited by M. Paola Mittica, Bologna, p. 22-42]. Disponível em: <HTTP://www.lawandliterature.org>. Acesso em: 15 jun. 2011.

LOPES, Mônica Sette. Clarice Lispector and forgiveness: incidences and coincidences. Italian Society for Law and Literature [Dossier Law and Literature: a discussion on purposes and method, Proceedings of the Special WS on Law and Literature held at 24th IVR World Conference, September, 2009, Beijing, Edited by M. Paola Mittica, Bologna, p. 43-63]. Disponível em: <HTTP://www.lawandliterature.org>. Acesso em: 15 jun. 2011.

LUHMANN, Niklas. Notes on the project ‘poetry and social theory’. Theory, Culture & society. London, v. 18, p. 15-27, 2001.

MACINTYRE, Alasdair. Modernidad y Tradición. Barcelona: Edit Euro, 1997.

________. Whose justice? Which rationality? London: Duckworth, 1988.

MARCOS, Rui de Figueiredo. O Padre António Vieira e as Companhias de Comércio. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, v. LXXIII, p. 149-171, 1997.

________. O romance histórico e o direito. In: CORDEIRO, António Menezes; LEITÃO, Luis Menezes; GOMES, Januário da Costa (Orgs). Estudos em homenagem ao Prof. Doutor Inocêncio Galvão Telles. Coimbra: Almedina, 2003. p. 977-991.

________. Eça de Queirós, a Europa e a Faculdade de Direito de Coimbra no Século XIX. Coimbra: Almedina, 2005.

MARTÍNEZ, Faustino Martínez. Unrecht [Não Direito]. Tradução Roberta Magalhães Gubert. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 165-208.

MELKEVIK, Bjarne. Vérité ou droit. La défense Lincoln, de Michael Connelly. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 265-281.

MITTICA, Maria Paola. Narrativas de mulheres a partir do mundo da vida. Tradução André Karam Trindade. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 307-343.

NAGY, Gregory. Poetry as performance: Homer and beyond. New York: Cambrige University Press, 1996.

NEVES, António Castanheira. Excurso – Dworkin e a interpretação jurídica – ou a interpretação jurídica, a hermenêutica e a narratividade. In: NEVES, António Castanheira. O actual problema metodológico da interpretação jurídica. Coimbra: Coimbra Editora, 2003. p. 349-444.

NIETZSCHE, Friedrich. A filosofia na idade trágica dos gregos. Tradução Maria Inês Madeira de Andrade. Lisboa: Edições 70, 2009.

________. A origem da tragédia. Tradução Álvaro Ribeiro. 12. ed. Lisboa: Guimarães Editores, 2004.

________. Introdução à tragédia de Sófocles. Tradução Ernani Chaves. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

NUSSBAUM, Martha C. The Fragility of Goodness: luck and ethics in greek tragedy and philosophy. New York: Cambridge University Press, 2001.

________. A plea for difficulty. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 105-114.

________. Aristotle’s De Motu Animalium. Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1985.

________. Emoções racionais. Tradução Maurício Ramires e Marcelo Cattoni. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 345-379.

________. For love of country: in a new democracy forum on the limits of patriotism. Boston: Beacon Press, 2002.

________. From Disgust to Humanity: sexual orientation and constitutional law. Oxford: Oxford University Press, 2010.

________. Frontiers of justice: disability, nationality, species membership.Cambridge/London: The Belknap press of Harvard University Press, 2007.

________. Hiding from humanity: disgust, shame and the law. New Jersey: Princeton University Press, 2006.

________. Invisibility and recognition: Sophocles ‘Philoctetes and Ellison’s Invisible Man. Philosophy and Literature. Baltimore, nº 23.2, p. 257-283, 1999.

________. Liberty of conscience: in defense of America’s tradition of religious equality. New York: Basic Books, 2008.

________. Little C. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 338-346.

________. Not for profit: why democracy needs humanities. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2010.

________. Poetic Justice: the literary imagination and public life. Boston: Beacon Press, 1995.

________. Poetry and the passions: two stoic views. In: NUSSBAUM, Martha C; BRUNSCHWIG, Jacques (Edit). Passions & Perceptions: studies in hellenistic philosophy of mind proceedings of the tifth symposium hellenisticum. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. p. 97-149.

________. The costs of tragedy: some moral limits of cost-benefit analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 169-200.

________. The professor of parody. The New Republic Online. Disponível em: <HTPP://www.tnr.com/index.mhtml>. Acesso em: 22 fev. 1999.

________. The therapy of desire. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2009.

________. Toward a globally sensitive patriotism. American Academy of Arts & Sciences/Daedalus. Cambridge, p. 78-93, 2008.

________. Upheavals of thought: the intelligence of emotions. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

________C. Virtue ethics: a misleading category? The Journal of Ethics: An International Philosophical Review. Danveres, nº 3, vol.3, p. 163-201, 1999.

________. Women and human development: the capabilities approach. New York: Cambridge University Press, 2000.

________. A República de Platão: a boa sociedade e a deformação do desejo. Tradução Ana Carolina da Costa e Fonseca et alii. Porto Alegre: Editora Bestiário, 2004.

NUSSBAUM, Martha C; COHEN, Joshua; HOWARD, Matthew. Introduction: feminism, multiculturalism, and human equality? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 105-114.

NUSSBAUM, Martha C; SEN, Amartya. The Quality of Life. Oxford: Oxford University Press, 1993.

OLIVEIRA, Francisco. Geontropologia e imperialismo em Plínio O Antigo. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 65-80.

OLIVO, Luis Carlos Cancellier de. A representação do jurídico no discurso literário: um estudo de Machado de Assis. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 105-120.

OST, François. Raconter la loi: aux sources de l’imaginaire juridique. Paris: Odile Jacob, 2004.

PACHECO, Rosa Núñez. El derecho al amor en los tiempos utópicos. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 189-205.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Europeus e asiáticos num tratado de climatologia médica. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. vol. I, p. 177-186.

________. Fragilidad y poder del hombre em la poesia grieca arcaica. Estudios Clásicos. Murcia, 49, p. 301-318, 1966.

________. O estatuto social dos artistas gregos. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 47, p. 23-37, Fevereiro 1997.

PEREIRA, Miguel Baptista. Sobre o trágico. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 237-241. (Actas do Colóquio Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra).

PÉREZ, Beatriz Espinosa. Narraciones en el campo jurídico. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 451-470.

PETER, Laurence J. Todo mundo é incompetente inclusive você. Tradução Heitor Ferreira. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1982.

POSNER, Richard A. Law and Literature: a relation reargued. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 61-89.

________. Law and literature. Revised and enlarged edition. Cambridge: Havard University Press, 1998.

PRADO, Daniel Nicory do. Autos da barca do inferno: o discurso narrativo dos participantes da prisão em flagrante. Salvador: Juspodivm, 2010.

________. Panorama dos estudos sobre “Direito e literatura” no Brasil. Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFBA. Salvador, nº 15, p. 143-160, 2008.

RESTA, Eligio. «Jura que não dirá a ninguém!». In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 101-111.

RICOEUR, Paul. A metáfora viva. Tradução Dion Davi Macedo. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

RODRIGUES, Nuno Simões. Um olhar a Oriente: imagens do mundo semítico na literatura grega dos poemas homéricos a Xenofonte. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 335-365.

ROERMUND, Bert van. Derecho, relato y realidad. Traducción Hans Lindahl. Madrid: Tecnos, 1997.

ROJAS, Carlos del Valle et alii. Sentencia penal y actos de discurso. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 431-450.

ROUSSEAU, J.- J. Emílio ou Da educação. Tradução Roberto Leal Ferreira. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

ROWLANDS, Mark. Scifi=Scifilo: a filosofia explicada pelos filmes de ficção científica. Tradução Edmo Suassuna. Rio de Janeiro: Relume, 2005.

SÁBATO, Ernesto. Sobre heróis e tumbas. São Paulo: Círculo do Livro, [s.d].

SANTO AGOSTINHO. O livre-arbítrio. Tradução Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulus, 1995.

SCHELER, Max. Esencia y formas de la simpatía. Tradução José Gaos. 3. ed. Buenos Aires: Losada S.A, 1957.

SCHILLER, Friedrich. Sobre a utilidade moral de costumes estéticos. In: SCHILLER, Friedrich. Sobre a educação estética do ser humano numa série de cartas e outros textos. Tradução Teresa Rodrigues Cadete. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1994. p. 123-131.

SÉNECA. A vida feliz. In: SÉNECA (Os Estóicos). Tradução João Forte. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2008. p. 1-58.

SERRES, Michel. A grande narrativa do humanismo. Tradução António Veigas. Lisboa: Piaget, 2008.

SIQUEIRA, Ada Bogliolo Piancastelli de et alii. Direito e a literatura infantil: uma abordagem a partir dos contos de fadas. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 9-26.

SKOBLE, Aeon J; CONARD, Mark T; IRWIN, William. Os simpsons e a filosofia. Tradução Marcos Malvezzi Leal. São Paulo: Madras, 2004.

SMITH, Adam. Teoria dos sentimentos morais. Tradução Lya Luft. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SOARES, Carmem Leal. A visão do “Outro” em Heródoto. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 95-176.

SOLANO, Gustavo González. La racionalidad o razonabilidad jurídica: una história de ciencia ficción. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 315-343.

SOUSA E SILVA, Maria de Fátima. O estrangeiro na comédia grega antiga. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 239-264.

________. Representações de alteridade no teatro Eurípides: o bárbaro e o seu mundo. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 187-237.

SOUSA, Ronald. The Rationality of Emotion. Cambridge/London: The Massachusetts Institute of Tecnology, 1997.

SPENGLER, Fabiana Marion. O tempo e as dificuldades de contar o direito: a refiguração da experiência temporal através da narrativa identitária. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 113-131.

SPINOZA. Ética. Tradução Tomaz Tadeu. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

STOW, Simon. Republic of Readers: The Literary Turn in Political Thought and Analysis. New York: State University of New York Press, 2007.

TALAVERA, Pedro. La relación entre el dereho y la literatura. In: TALAVERA, Pedro. Derecho y literatura: el reflejo de lo jurídico. Granada: [s.n.], 2006. p. 7-60.

TEIXEIRA, Cláudia Amparo; FERREIRA, Paulo Sérgio. Visões da escravatura na literatura latina. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha (Orgs.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 103-122.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. 2 ed. São Paulo: Editôra Perspectiva, 1970.

TRINDADE, André Karam. A teoria do direito após Auschwitz: notas a partir de «O leitor», de B. Schlink. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta Magalhães; NETO, Alfredo Copete (Orgs.). Direito & Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris, 2010. p. 27-100.

VALDIVIA, Jaime Francisco Coaguila. Jueces, abogados e escribanos: recetario para uma construcción relacional de la identidad arequipeña. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 393-416.

________. Narrativismo como método en la teoría del derecho y modelo de la argumentación jurídica. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 299-313.

VÁZQUEZ, Carlos Pérez. Un Hércules para Piedra de Sol. In: GONZÁLEZ, José Calvo (Dir.). Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Camares, 2008. p. 345-362.

VICO, Giambattista. Princípios de (Uma) ciência nova (Acerca da natureza comum das nações). Tradução Antonio Lázaro de Almeida Prado. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Os Pensadores).

WEST, Robin. Economic man and literary woman: one contrast. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 127-136.

WHITE, James Boyd. Acts of hope: creating authority in literature, law, and politics. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

________. From expectation to experience: essays on law and legal education. Michigan: The University of Michigan Press, 1999.

________. Heracles’bow: essays on the rhetoric and poetics of the law. London: The University of Wisconsin Press, 1985.

________. Justice as Translation: an essay in cultural and legal criticism. Chicago: The University of Chicago Press, 1990.

________. The edge of meaning. Chicago: The University of Chicago Press, 2003.

________. The judicial opinion and poem: ways of reading, ways of life. In: LEDWON, Leonora (Edit). Law and literature: text and theory. New York/London: Garland Publishing, 1996. p. 5-28.

________. The Legal Imagination. Chicago: The University of Chicago Press, 1985.

________. When words lose their meaning: constitutions and reconstitutions of language, character, and community. Chicago: The University of Chicago Press, 1984.

WILLIAMS, Bernard. Shame and Necessity. Berkeley/Los Angels/London: University of California Press, 1994.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Tradução M. S. Lourenço. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

ZAGALO-CARDOSO, J. A et alii. A domesticação da arte, da loucura e da marginalidade. In: ZAGALO-CARDOSO, J. A et alii. «Esquizofrenia»: uma doença ou alguns modos de se ser humano? Lisboa: Editorial Caminho, 1992.

Teoria do Ethos Sertanejo e Poesia Oral do Sertão

ALENCAR, José de. O sertanejo. In: ALENCAR, José de. Til/O sertanejo. [s.l]: [s.n], 1971. p. 149-332. (Obras Completas, v. V).

ALENCAR, Nezite. Retiramos do planeta mais do que ele pode dar. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2006.

ALMEIDA, Gerino Batista de. A vida de um nordestino em São Paulo. São Paulo: Luzeiro, 2001.

_______. O encontro de Canção de Fogo com Vicente o Rei dos Ladrões. São Paulo: Luzeiro, 1991.

AMÂNCIO, Geraldo; PEREIRA, Wanderley. Gênios da cantoria. Fortaleza: Edições do Autor, 2004.

AMÂNCIO, Geraldo; VIANA, Klévisson. O Conflito do Iraque e os 3 tiranos da guerra. 1. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2003.

AMARAL, Firmino Teixeira do. Peleja o Cego Aderaldo com Zé Pretinho do Tucum. Mossoró: Queima- Bucha, [s.d].

AMORIM, Severino. Um réu inocente ou uma defesa feita por Frei Damião. [s.n.t].

ANTÔNIO FRANCISCO. A sorte do preguiçoso e o peixinho encantado. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

ARÊDA, Francisco Sales. João Besta e a jia da lagoa. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

BANDEIRA, Pedro. A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó. Juazeiro do Norte: Edições do Autor, 2006.

_______. Fazenda, gado e vaqueiro. Juazeiro do Norte: Edições do Autor, 2006.

_______. Ferrovia Transnordestina. Juazeiro do Norte: [s.n], 2005.

_______. Missa do vaqueiro, Serrita-Pernambuco. Juazeiro do Norte: Edições do Autor, 2006.

_______. Pista, cavalo e mourão. Juazeiro do Norte: Edições do Autor, 2006.

BARROS, João Antônio de (Jotabarros). Lampião e Maria Bonita no paraíso tentados por Satanás. São Paulo: Luzeiro, 1980.

_______. Lampião, governo geral do inferno. São Paulo: Luzeiro, 1980.

BARROS, Leandro Gomes de. A batalha de Oliveiros com Ferrabrás. São Paulo: Luzeiro, 1913.

_______. A prisão de Oliveiros e seus companheiros. São Paulo: Luzeiro, 1913.

_______. História da Donzela Teodora. Mossoró: Queima-Bucha, 2007.

_______. O cachorro dos mortos. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. O testamento da Cigana Esmeralda. [s.l]: Biblioteca Nacional do Cordel, 1990.

_______. Vida e testamento de Canção de Fogo. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

BASTINHA. Fraternidade e Amazônia: “Vida e missão neste chão”. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2007.

BATISTA, Abraão. Futebol no Congresso. Juazeiro do Norte: Oficinas de Xoligravura e Cordel, 2005.

_______. História do Beato José Lourenço e o boi mansinho. Juazeiro: Biblioteca Nacional do Cordel, 1990.

_______. O bicho maior come o bicho menor e o sabido come os três. Juazeiro do Norte: [s.n], 2006.

BATISTA, Esmeralda. O santo e o doutor. [s.n.t].

_______. Romeiros x Romarias. [s.n.t].

BATISTA, Hamurabi. A história do cangaço. Juazeiro do Norte: Projeto Cordel Vivo, [s.d].

_______. As estranhas aparições de Samuel do Horto (O homem que matou a mulher com mais de sessenta facadas e morreu). [s.l]: [s.n], 1997.

BOCCACCIO, Giovanni. A noite das camas trocadas. São Paulo: Luzeiro, 1979.

BRADESCO-GOUDEMAND, Yvonne. O ciclo dos animais na literatura popular no Nordeste. Tradução Therezinha Pinto. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1982.

BRANDÃO, Adelino. Crime e Castigo no Cordel: crime e pena no folheto de cordel e no romanceiro folclórico do Brasil. Rio de Janeiro: Presença, 1991.

CACÁ ARAÚJO. Testamento do Judas: juiz assassino. Crato: Edições Populares Mestre Eloi, 2005.

CALASANS, José. Canudos na literatura de cordel. São Paulo: Ática, 1984.

CALDAS, João Bandeira de. A queimação dos panos ensangüentados da hóstia e depoimento do Padre Antonio Vieira. Juazeiro do Norte: [s.n], 2000.

_______. O urubu e o sabeá. Juazeiro do Norte: Projeto SESC Cordel Novos Talentos, 2006.

_______. Quadras e Quadrões. Juazeiro do Norte: HB Gráfica, 2002.

CAMELO, José. Coco Verde e Melancia. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

CAMPOS, Renato Carneiro. Ideologia dos poetas populares do Nordeste. 2. ed. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1977.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. 13. ed. São Paulo: Global, 2004.

_______. Literatura oral no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia/Editora da USP, 1984.

_______. Prelúdio da cachaça: etnologia, história e sociologia da aguardente no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1986.

CAVALCANTE, Rodolfo Coelho. A chegada de Lampião no céu. São Paulo: Luzeiro, 1959.

_______. O mundo vai se acabar. São Paulo: Luzeiro, 1959.

_______. Quem ama mulher casada não tem vida segura. São Paulo: Luzeiro, 1959.

CAVENAGHI, Hélio. Eleição dos Bichos. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. Festa da Bicharada. Paulo: Luzeiro,1950.

_______. No reino dos insetos: o casamento. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. O contador de mentira. São Paulo: Luzeiro, 1978.

CHAGAS, Américo. Montalvão. 2 ed. Salvador: EGBA, 1988.

COELHO, Lourdes. Um matuto cantadô. [s.l]: Gráfica Universitária. [s.d].

CORREIA, José Edmilson. Falando da rapadura. Juazeiro do Norte: Projeto SESC Cordel Novos Talentos, [s.d].

COSTA, Gutenberg. Breviário profano do povo: a religiosidade popular em forma de bom humor nas orações profanas, causos, rezas, adivinhações, preces, sátiras, cânticos e simpatias criadas e divulgadas pelo povo. Natal: Edições do Autor, 2003.

_______. Dicionário de poetas cordelistas do Rio Grande do Norte. Natal: Edições do Autor, 2004.

CUNHA, Euclides da. Canudos e outros temas. Brasília: Edições do Senado Federal, 2003, v. 2.

_______. Os Sertões: Campanha de Canudos. São Paulo: Martin Claret, 2006.

DAMÁSIO, Arnaldo. Lei Maria da Penha: divulgação em literatura de cordel. [s.n.t].

DANTAS, Anchieta (O Zé do Jati). O bispo que negou água aos flagelados da seca e a transposição. Fortaleza: [s.n], 2008.

_______. A visita do juiz Nicolau ao inferno e a corrupção no Brasil. Fortaleza: [s.n], [s.d].

DANTAS, Janduhi. Peleja da carta como o e-mail. Patos: [s.n], 2006.

DAUS, Ronald. O ciclo épico dos cangaceiros na poesia popular do Nordeste. Tradução Rachel Teixeira Valença. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1982.

DENDÊ, Wilton. A chegada de Patativa no céu. Fortaleza: Academia dos Cordelistas do Crato, 2002.

EVANGELISTA, João Lucas. O menino das abelhas e a formiga encantada. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

FERRÉ, Pere. Romanceiro português da tradição oral moderna: versões publicadas entre 1828-1960. Lisboa: Fundação Caloustre Gulbenkian, 2000, v. I, II, III e IV.

FERREIRA, João Melquíades. Romance do Pavão Misterioso. Parnamirim: Chico Editora, 2008.

FIALHO, Adam. O costureiro de honra. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

FILHO, J. Figueiredo. Patativa do Assaré: novos poemas comentados. Fortaleza: Museu do Ceará, 2005.

FILHO, Manoel D’Almeida. A vingança do amor. São Paulo: Luzeiro, 1979.

_______. A vitória de Floriano e a negra feiticeira. São Paulo: Luzeiro, 1960.

_______. Briga de São Pedro com Jesus por causa do inverno. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. O milagre da Apolo 13. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. Os mistérios da princesa dos 7 palácios de metais. São Paulo: Luzeiro, 1979.

_______. Os três conselhos da sorte. São Paulo: Luzeiro, 2005.

FREIXINHO, Nilton. O sertão arcaico do nordeste do Brasil: uma releitura. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA. O Cordel-Testemunha da História do Brasil: antologia. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1987.

GALENO, Juvenal. Lendas e canções populares. 4. ed. Fortaleza: Casa de Juvenal Galeno, 1978.

GERALDO, Evaristo. O homem que pôs um ovo! Mossoró: Queima-Bucha, 2007.

GOULART, Eugênio Marcos Andrade. O caminho dos currais do Rio das Velhas: a estrada real do sertão. Belo Horizonte: Coopmed, 2009.

GURGEL, Nilson. Pedido do Vaqueiro José Dionísio a Jesus Nosso Senhor. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

HAURÉLIO, Marco. As três folhas da serpente. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2009.

_______. História da Moura Torta. Mossoró: Queima-Bucha, 2007.

_______. O herói da montanha negra. São Paulo: Luzeiro, 2006.

_______. Presença dos contos tradicionais de Câmara Cascudo na literatura de cordel. Mossoró: Queima-Bucha, 2007. (Coleção 12 Contos de Cascudo em Folhetos de Cordel, volume de apresentação, p. 3-12).

JOTABÊ. Os projetos do seu Lunga para quando for prefeito. [s.n.t].

JUAZEIRO, João Pedro do. Mulher Faladeira. Fortaleza: Folheteria Padre Cícero, 2005.

_______. Mulher fofoqueira. 2. ed. Juazeiro: [s.n], [s.d].

_______. O boi morto que andou. Fortaleza: Folheteria Padre Cícero, 2005.

_______. O homem que virou macaco. Fortaleza: Folheteria Padre Cícero, 2005.

_______. O jerimum gigante. Juazeiro do Norte: Folheteria Padre Cícero, 2005.

_______. Xilogravura: a arte de gravar. Fortaleza: Centro Cultural Banco do Nordeste, 2006.

_______. Saudades de um magistrado: Dr. Carlos Alberto. Juazeiro do Norte: HB Gráfica, 2006.

KURY, Lorelai Brilhante (Org.). Sertões adentro: viagens nas caatingas séculos XVI a XIX. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio, 2012. 

LACERDA, José M. A mula doida de mais. Santa Luzia: Secretaria da Educação e Cultura, [s.d].

_______. Adágios em poesia. Santa Luzia: Secretaria da Educação e Cultura, [s.d].

_______. Jararaca, o cangaceiro que virou santo. Santa Luzia: [s.n], [s.d].

_______. Labareda, o Capador de Covardes. Santa Luzia: [s.n], [s.d].

_______. O corpo que a terra não quis. Santa Luzia: Secretaria da Educação e Cultura, [s.d].

_______. O negrinho do pastoreio. Santa Luzia: Secretaria da Educação e Cultura, [s.d].

LACERDA, Josenir A. de. O linguajar cearense. 2. ed. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2007.

_______. O caçador e a caipora. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 1993.

LACERDA, Zé. O que é o que é: adivinhações em verso com as respostas rimadas. Santa Luzia: Secretaria da Educação e Cultura, [s.d]. v. I, II, III e IV.

LESSA, Orígenes; LUNA E SILVA, Vera Lúcia de. O cordel e os desmantelos do mundo: antologia. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1983.

LIMA, Arievaldo Viana. História completa do navegador João Calais. Mossoró: Queima-Bucha, 2007.

LIMA, João Ferreira de. História de Mariquinha e José de Souza Leão. São Paulo: Luzeiro, 1977.

LIMA, Natanael de. O escravo fiel. São Paulo: Luzeiro, 1977.

_______. O ferreiro das três idades. São Paulo: Luzeiro, 1980.

_______. O romance de João sem direção. São Paulo: Luzeiro, 1977.

LIMA, Silvino Pirauá de. O capitão do navio. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

LLOSA, Mario Vargas. La guerra del fin del mundo. Buenos Aires: Seix Barral, 1985.

LOBATO, Monteiro. Idéias de Jeca Tatu. São Paulo: Globo, 2008.

LUIZ ANTÔNIO. O rapaz que encheu um saco de mentiras. Mossoró: Queima-Bucha, 2007.
MACHADO, Ana Maria. Recado do nome: leitura de Guimarães Rosa à luz do nome de seus personagens. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.

MAGALHÃES, Francisco Sérgio. Midas, o rei das orelhas de jumento. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2004.

MATTOS, Florisvaldo. Lampião na passarela: a cultura do espetáculo no banditismo do Nordeste. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 143-154, 2008. 

MEDEIROS, Francisco Honorato de Sousa e. “O lobisomem”: Vicente/Fininho. [s.l]: Gráfica Royal, [s.d].

MELO, Antônio Francisco Teixeira de. Dez cordéis num cordel só [Meu sonho, Aquela dose de amor, O guarda-chuva de prata, As seis moedas de ouro, Do outro lado do véu, A oitava maravilha, Os sete constituintes, O feiticeiro do sal, História de pescador, A arca de Noé e De calça curta e chinela]. 8. ed. Mossoró: Queima Bucha, 2006.

MESTRE AZULÃO. O Fazendeiro Mendigo e a Cabocla Encalhada. 2. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2006.

MILTON, Aristides A. A campanha de Canudos. Brasília: Edições do Senado Federal, 2003. v. 5.

MONTEIRO, Manoel. O preço da soberba ou A mãe desnaturada. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2002.

MOTA, Leonardo. Cantadores: poesia e linguagem do sertão cearense. 7. ed. Rio de Janeiro/São Paulo/Fortaleza: Abc Editora, 2002.

_______. Sertão alegre: poesia linguagem do sertão nordestino. 3. ed. Rio de Janeiro/São Paulo/Fortaleza: Abc Editora, 2002.

_______. Violeiros do Norte: poesia e linguagem do sertão nordestino. 7. ed. Rio de Janeiro/São Paulo/Fortaleza: Abc Editora, 2002.

MOURA, Raimundo Bezerra de. Nascimento, vida e morte do Padre Cícero Romão Batista e suas profecias em 1934. Juazeiro do Norte: Gráfica e Editora Royal Ltda, [s.d].

NASCIMENTO, Chico. A lição do Padre Vieira. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2002.

NASCIMENTO, José Soares. A história de Josina, a menina perdida. São Paulo: Luzeiro, 1990.

NETO, Antônio Fausto. Cordel e a ideologia da punição. Petrópolis: Vozes, [s.d].

NORDESTINO, Franklin Maxado. Vaquejada de sete peões para derrubar a mineira. [s.n.t].

OLIVEIRA, Gildson. Luiz Gonzaga: o matuto que conquistou o mundo. 6. ed. Recife: Comunicarte,1991.

OLIVEIRA, Severino Gonçalves de. A vitória do Príncipe Roldão no reino do pensamento. São Paulo: Luzeiro, 1993.

ONG, Walter J. Oralità e scrittura: le tecnologie della parolla. Traduzione Alessandra Calanchi. Bologna: Il Mulino, 1986.

PACHECO, José. A intriga do cachorro com o gato. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. Os prantos de Cacilda e a vingança de Raul. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

PAIXÃO, Fernando; VIANA, Antônio Klévisson. Lágrimas de uma sentenciada ou O triunfo do amor de Maribel e Tibério. 1. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2006.

PATATIVA DO ASSARÉ. A Sariema de Totelina. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2003.

_______. Aqui tem coisa. São Paulo: Hedra, 2004.

_______. Diabo a cete. Assaré: Fundação Memorial Patativa do Assaré, [s.d].

_______. Digo e não peço segredo. São Paulo: Escrituras Editora, 2001.

_______. Emigrantes nordestinos no sul do país. Juazeiro do Norte: BSG, [s.d].

_______. Inspiração nordestina. São Paulo: Hedra, 2003.

_______. Ispinho e fulô. 3. ed. Fortaleza: BC Edições, 2001.

_______. Lagartixas verdinhas pelo chão. 2. ed. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2004.

_______. Pelo sinal aos índios do Brasil. Juazeiro do Norte: BSG, [s.d].

_______. Um Mundo desconhecido. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2003.

_______. Uma voz do Nordeste. São Paulo: Hedra, 2000.

PAULA, Francisco Firmino de. A história do Boi Leitão ou o Vaqueiro que nunca mentia. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. O Boi Leitão e o Vaqueiro que não mentia. Mossoró: Queima- Bucha, 2007.

_______. O herói do ar. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

PINTO DE OURO. A galinha mãe do rato e a ousadia da raposa. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2009.

POITEVIN, Guy. As estratégias de comunicação das tradições orais populares: o caso dos cantos da mó. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 40-52.

REZENDE, José Camelo de Melo. História do bom pai e o mau filho. São Paulo: Luzeiro, 2005.

RINARÉ, Rouxinol do. O Justiceiro do Norte. 4. ed. Mossoró: Queima-Bucha, 2009.

_______. O papagaio real ou O príncipe de Acelóis. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

ROCHA, José Pacheco. A chegada de Lampião no inferno. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. A grande briga de Lampião com a moça que virou cachorra. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

_______. O prazer do rico e o sofrimento do pobre. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

ROCHA, José Pacheco. Peleja dum cantador de coco com o diabo. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

RODRIGUES, Abraão. A hostil discussão entre a ignorância e a educação. 2. ed. Juazeiro do Norte: [s.n], 2000.

ROMERO, Sílvio. Folclore brasileiro: cantos populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia/Editora da USP, 1985.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SANTOS, Antônio Teodoro dos. Maria Bonita, a Mulher do Cangaço. São Paulo: Luzeiro, 1986.

SANTOS, Enéias Tavares dos. A morte, o enterro e testamento de João Grilo. São Paulo: Luzeiro, 1980.

_______. O homem que pagou a promessa enganando o santo. São Paulo: Luzeiro, 1979.

SANTOS, José Francisco dos. Chicuca o professor dos ladrões. São Paulo: Luzeiro, 1989.

SANTOS, Olga de Jesus; VIANNA, Marilena. O negro na literatura de cordel. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1989.

SANTOS, Vidal; VIANA, Arievaldo. O menestrel e a lagartixa. 2. ed. Fortaleza: Secretaria da Educação Básica do Estado do Ceará, 2006.

_______. O príncipe das sete capas. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

SARAMAGO, José. Discursos de Estocolmo. Lisboa: Editorial Caminho S.a, 1999.

SILVA, Antônio da. Meu sertão. Crato: Academia dos cordelistas do Crato, 2003.

SILVA, Damásio Paulo da. O Mercador e o Gênio. 1. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2006.

SILVA, Gonçalo Ferreira da. Antonio Silvino: a justiça acima da lei. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Literatura de Cordel, 2006.

SILVA, José Machado da. Coisas do meu sertão véi. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2003.

SILVA, Marcos Mairton da. O advogado, o diabo e a bengala encantada. Juazeiro do Norte: Tipografia Lira Nordestina, [s.d].

SILVA, Minelvino Francisco. Encontro de Canção de Fogo com Pedro Malazarte. São Paulo: Luzeiro, 1957.

_______. História do bicho de sete cabeças. São Paulo: Luzeiro, 1978.

_______. História do Vaqueiro Damião. São Paulo: Luzeiro, 1980.

SILVA, Sebastião Santos. O triste fim do Major Esupério Borges. Urandi: Dejan Gráfica, 2008.

_______. Os manda-chuvas de Urandi. Urandi: Dejan Gráfica, 2008.

SILVA, Severino Milanês da. O Príncipe do Barro Branco e a Princesa do Reino Vai-Não-Torna. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

SIQUEIRA, Maércio L. Falando sobre ética. Crato: Academia dos Cordelistas do Crato, 2001. 2 exemplares.

SOBRINHO, Joaquim Luiz. História do Menino dos Bodinhos e a Princesa Interesseira. São Paulo: Luzeiro, 1990.

SOBRINHO, Manoel Pereira. A princesa do reino da pedra fina. São Paulo: Luzeiro, [s.d].

SOUSA, Gilson de. Sertão sem lei. Juazeiro do Norte: [s.n], [s.d].

SOUZA, Anildomá Willians de. Lampião, a história: nem herói nem bandido. Serra Talhada: GDM Gráfica, 2006.

SOUZA, Cícero de. A visita de D. Fernando Panico e Caravana a Roma para pedir a reabilitação do Padre Cícero. [s.n.t].

TORRES, Argemiro Galdino. História completa de Euclides e Florimar. São Paulo: Luzeiro, 1993.

TURRER, Daisy. O livro e ausência do livro em Tutaméia, de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

VASCONCELOS, Cláudia Pereira. Ser-tão baiano: o lugar da sertanidade na configuração da identidade baiana. Salvador: Edufba, 2011.

VIANA, Antônio Klésisson. As aventuras de Pedro Malzartes e o urubu adivinhão. Mossoró: Queima-Bucha, [s.d].

_______. História de Helena e a Guerra de Tróia. 2. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2006.

_______. O cachorro encantado e a sorte da megera. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2006.

ZÉ ANTÔNIO. O bandido cabeleira, o amor de Luizinha. São Paulo: Luzeiro, 2007.

_______. O príncipe do Oriente e o pássaro misterioso. 3. ed. Fortaleza: Tupynanquim Editora, 2007.

Cosmopolitismo Jurídico-Político e Ética da Mundialidade

AL-HIBRI, Azizah Y. Is western patriarchal feminism good for third: world/minority women? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 41- 46.

AN-NA’IM, Abdullahi. Promises we should all keep in common cause. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 59- 64.

APPIAH, K. Anthony. Identidade, autenticidade, sobrevivência: sociedades multiculturais e reprodução social. In: TAYLOR, Charles. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Tradução Maria Machado. Lisboa: Instituto Piaget, 1994. p.165-79.

AZEVEDO, Maria Teresa Schiappa de. Platão: Helenismo e Diferença. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I. p. 265-333.

BARBER, Benjamin R. Fe constitucional. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 43-50.
BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no direito constitucional contemporâneo: a construção de um conceito jurídico à luz da jurisprudência mundial. Tradução Humberto Laport de Mello. 2ª reimp. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2013.

BHABHA, Homi K. Liberalism’s sacred cow. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 79- 84.

BOK, Sissela. De las partes al todo. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 51-58.

BORRADORI, Giovanna. Filosofia em tempo de terror: diálogos com Habermas e Derrida. Tradução Roberto Muggiati. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BURKE, Edmund. El descontentamento político. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 1997.

BUTLER, Judith. La universalidad de la cultura. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 59-66.

CÁMARA, Ignacio Sánchez. Democracia, mayorías, minorías. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 57-82. 

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Nova ordem mundial e ingerência humanitária (claros-escuros de um novo paradigma internacional). Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, v. LXXI, p. 1-26, 1995.

CAREY, George. Tolerating religion. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 45-64.

CARVALHO, Orlando de. Para um novo paradigma interpretativo: o projecto social global. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, vol. LXXIII, p. 1-17, 1997.

CELA-CONDE, Camilo J. Ética, diversidade e universalismo: a herança de Darwin. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 77-90.

CHANGEUX, Jean-Pierre. O debate ético numa sociedade pluralista. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 13-44.

COGGIOLA, Osvaldo. Autodeterminação nacional. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 311-341.

COHEN, Joshua. Prefácio. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 9-10.

COMBESQUE, Marie Agnès. Introdução aos direitos do homem. Tradução Maria Filomena Duarte. Lisboa: Terramar, 1998.

COMPARATO, Fábio Konder. Rumo à sociedade mundial do gênero humano? Boletim de Ciências Econômicas. Coimbra, Separata do nº LI, 2008.

DANTE ALIGHIERI. Da monarquia. Tradução João Penteado E. Stevenson. Rio de Janeiro: Tecnoprint/Ediouro, [s.d].

DELGADO-GAL, Álvaro. Relativismo moral y democracia. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 21-56.

DELMAS-MARTY, Mireille. O direito é universalizável? In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 139-158.

DERRIDA, Jacques. Cosmopolitas de todos os países, mais um esforço! Tradução Fernanda Bernardo. Coimbra: Minerva, 201.

________. Le droit à la philosophie du point de vue cosmopolitique. Lagrasse: Verdier/Éditions Unesco,1997.

DERRIDA, Jacques; DUFOURMANTELLE, Anne. Da hospitalidade. Tradução Fernanda Bernardo. Braga: Palimage Editores, 1997.

DINECHIN S. J, Olivier de. Que abertura a uma sabedoria universal nas éticas religiosas? In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 63-76.

DUBET, François. A escola entre o universal e os indivíduos. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 173-184.

FAGOT-LARGEAULT, Anne. Os problemas do relativismo moral. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 45-61.

FALK, Richard. Una revisión del cosmopolitismo. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 67-76.

FERREIRA, José Ribeiro. Hélade, Pan-Helenismo e identidade helénica. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 15-42.

FERRY, Luc. A escola da República e os direitos do homem. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 185-195.

FITZGERALD, Garrett. Toleration or solidarity? In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 13-26.

GARAUDY, Roger. Para um diálogo das civilizações: o Ocidente é um acidente. Tradução Manuel J. Palmeirim et alii. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1977.

GHIRARDI, José Garcez. O inglês como idioma da globalização. In: SUNDFELD, Carlos Ari; VIEIRA, Oscar Vilhena. (Coord.). Direito global. São Paulo: Max Limonad, 1999. p. 305-309.

GILMAN, Sander L. “Barbaric” Rituals? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 53-58.

GLAZER, Nathan. Los límites de la lealtad. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 77-82.

GUARINELLO, Norberto Luiz. Cidades-Estado na antigüidade clássica. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 29-47.

GUTMANN, Amy. Ciudadanía democrática. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 83-90.

HABERMAS, Jürgen. La inclusión del otro: estúdios de teoria política. Traducción Juan Carlos Velasco Arroyo et alli. Barcelona/ Buenos Aires/ México: Paidós, 1999.

_________. Lutas pelo reconhecimento no estado constitucional democrático. In: TAYLOR, Charles. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Tradução Marta Machado. Lisboa: Piaget, 1994. p. 125-164.

_________. Más allá del Estado nacional. Traddución Manuel Jiménez Redondo. Madrid: Editorial Trotta, 1997.

_________. O Ocidente dividido. Tradução Luciana Villa Boas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2006.

HALLEY, Janet E. Culture constrains. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 100-104.

HÉRITIER, Françoise. O eu, o outro e a tolerância. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 109-119.

HILL, Christopher. Toleration in seventeenth-century England: theory and practice. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 26-44.

HIMMELFARB, Gertrude. Las ilusiones del comopolitismo. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 91-98.

HONIG, Bonnie. “My culture made me do it”. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 35-40.

IGNATIEFF, Michael. Nacionalism and toleration. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 77-106.

JESUS, Gustavo Santana de. A importância de um tribunal jurisdicional de caráter estatal para o processo de integração no Mecosul. Aracaju: ArtNer Comunicação, 2015.

KANT, Immanuel. A paz perpétua: um projecto filosófico. In: _______. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 21-37.

KANT, Immanuel. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. In: _______. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 21-37.

KENNEDY, Helena. The politics of intolerance. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 107-118.

KONDER, Rodolfo. Trevas e luzes: a Anistia Internacional. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 385-397.

KYMLICKA, Will. Liberal Complacencies. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 31-34.

LEÃO, Delfim Ferreira. Cidadania e Exclusão: mecanismos de gradação identitária. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA, Maria Helena da Rocha. (Coord.). Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. v. I, p. 43-75.

LINHARES, José Manuel Aroso. Jus cosnopoliticum e civilização de direito: as “alternativas” da tolerância procedimental e da hospitalidade ética. Boletim da Faculdade de Coimbra. Coimbra, v. LXXXII, p. 135-180, 2006.
________. Humanitas, singularidade étnico-genealógica e universalidade cívico-territorial. O «pormenor» do direito na «ideia» de Europa das Nações: um diálogo com o narrativismo comunitarista. Revista Xurídica da Universidade de Santiafo de Compostela. Santiago de Compostela, vol. 15, nº 1, p. 17-67, 2006.

LOCKE, John. Carta sobre a tolerância. Tradução João da Silva Gama.Lisboa: Edições 70, 2000.

MACINTYRE, Alasdair. Toleration and the goods of conflict. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 133-154.

MARQUES, Mário Reis. A proteção internacional dos direitos humanos: dos sistemas regionais ao intento global da ONU. Boletim de Ciências Econômicas. Coimbra, v. LVII/ii, p. 2005-2058, 2014.

MAZZARELLA, Eugenio. Individuo e comunità nello spazio planetario: verso un’ecologia dello spirito. Revista Portuguesa de Filosofia. Braga, tomo LIX, fasc. 3, p. 841-852, 2003.

MCCONNELL, Michael W. No olvidemos las pequeñas unidades. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 97-103.

MENDUS, Susan. My brother’s keeper: the politics of intolerance. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 1-12.

MÉRAD, Ali. Ética e diversidade cultural: uma abordagem islâmica. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. 159-171.

NEUBERGER, Julia. Religious toleration in the UK: is it feasible?. In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 119-132.

NICOLAU DE CUSA. A paz da fé. Tradução João Maria André. Coimbra: Minerva, 2002.

_________. Carta a João de Segóvia. Tradução João Maria André. Coimbra: Minerva, 2002.

NUSSBAUM, Martha C. Los Límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999.

 PAREKH, Bhikhu. A varied moral world. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 69-75.

 PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Europa: os enigmas de um nome. In: FIALHO, Maria do Céu; SOUSA E SILVA, Maria de Fátima; PEREIRA. Gênese e consolidação da idéia de Europa: de Homero ao fim da época clássica. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2005. V. I, p. 7-14.

 _________. Nas origens do humanismo ocidental: os tratados filosóficos ciceronianos. Revista da Faculdade de Letras, Línguas e Literaturas. Porto, nº II, v. 1, p. 7-28, 1985.

 _________. Unite et pluralite culturelle: le paradigme de l’empire romain face aux defis de l’union europeenne. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 7-18.
_________. Les fondements classiques de l’idée européenne. Hvmanitas. Coimbra, v. XLIX, p. 25-39, 1997.

 PINSKY, Robert. Eros contra esperanto. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 105-112.

 POLLITT, Katha. Whose Culture? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 27-30.

 POST, Robert. Between norms and choices. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 65-68.

 PUREZA, José Manuel. O património comum da humanidade: rumo a um direito internacional da solidariedade? Porto: Afrontamento, 1998.

 PUTNAM, Hilary. ¿Debemos escoger entre el patriotismo y la razón universal? In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 113-120.

 RAWLS, John. O direito dos povos. Tradução Luis Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

 RAZ, Joseph. How perfect should one be? And whose culture is? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 95-99.

 RODRIGUES, Nuno Simões. Identidade e alteridade jurídica em Roma. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 35-158.

 SABINE, George H. Teoria da Comunidade Universal. In: _______. História das teorias políticas. Tradução Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964. p. 149-321.

SASSEN, Saskia. Culture beyond gender. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 76-78.

 SCARRY, Elaine. La dificultad de imaginar a otras gentes. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 121-134.

 SCLIAR, Moacyr. O nascimento de um cidadão. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 585-588.

 SEN, Amartya. Humanidad y ciudadanía. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 135-144.

 SERRES, Michel. Atlas. Tradução João Paz. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.

 STEINER, George. A idéia de Europa. Tradução Maria de Fátima St. Aubyn. Lisboa: Gradiva, 2005.

 SUNSTEIN, Cass R. Should sex equality law apply to religious institutions? In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 85-94.

 TAMIR, Yael. Siding with the underdogs. In: OKIN, Susan Moller. Is multiculturalism bad for women? Princeton/New Jersey: Princeton University Press, 1999. p. 47-52.

 TASSO, Maria Laura. Il diritto tollerante. Materiali per uma Storia della Cultura Giuridica. Genova, Anno XXXIV, nº 2, p. 425-466, Dicembre 2004.

 TAYLOR, Charles. A Política de reconhecimento. In: _______. Multiculturalismo: examinando a política de reconhecimento. Tradução Marta Machado. Lisboa: Piaget, 1994, p. 21-121.

 _________. Inwardness and the culture of modernity. In: HONNETH, Axel et alii (Orgs.). Zwischenbetrachtungen: Im Prozeß der Aufklärung. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1989. p. 601-623.

 _________. Por qué la democracia necesita el patriotismo. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 145-148.

TRÍAS, Eugenio. Fundamentalismo integrista o pensar la religión: un dilema inaplazable. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 83-100.

TRUYOL Y SERRA, António. Genèse et fondements spirituels de l’idée d’une communauté universelle: de la «civitas maxima» stoïcienne à la «civitas gentium» moderne. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Lisboa, v. XII, p. 119-176, 1958.

_________. Genèse et fondements spirituels de l’idée d’une communauté universelle: de la «civitas maxima» stoïcienne à la «civitas gentium» moderne. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Lisboa, v. XIV, p. 23-84, 1962.

VATTIMO, Gianni. As aventuras da diferença. Tradução José Eduardo Rodil. Lisboa: Edições 70, 1988.

WALDRON, Jeremy. Particular values and critical morality. California Law Review. Berkeley, v. 77, p. 561-589, 1989.

WALLERSTEIN, Immanuel. Ni patriotismo ni cosmopolitismo. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 149-152.

 WALZER, Michael. Esferas de afecto. In: NUSSBAUM, Martha C. Los límites del patriotismo: identidad, pertenencia y «ciudadania mundial». Traducción Carme Castells. Barcelona: Paidós, 1999. p. 153-155.

 _________. The politics of diference: statehood and toleration in a multicultural world. Ratio Juris/An International Journal of Jurisprudence and Philosophy of Law. Oxford, v. 10, nº 2, p. 165-176, June 1997.

 _________. Toward a global civil society. Providence/Oxford: Berghahn Books, 1998. 

WILLIAMS, Bernard. Tolerating the intolerable In: MENDUS, Susan (Edit.). The politics of toleration in modern life. Durham: Duke University Press, 2000. p. 65-76.

Educação e Educação Jurídica

AL-MUFTI, In’am. Educação e excelência: investir no talento. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 212-217.
AMAGI. Isao. Melhorar a qualidade do ensino escolar. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 218-220.

ANTUNES, Fátima. Os locais das escolas profissionais: novos papéis para o Estado e a europeização das políticas educativas. In: STOER, Stephen R; CORTESÃO, Luiza; CORREIA, José A (Orgs.). Transnacionalização da educação: da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001. p. 163-208.

 ARAÚJO, Alberto Filipe. O simbolismo do “mito do paraíso” na Utopia de Tomas More. In: DIAS, José Ribeiro et aliiEducação e utopia. Braga: Universidade do Minho, 1996. p. 55-83.

 ARAUJO, Alberto Filipe; ARAÚJO, Joaquim Machado. Amaurota entre o mito e a utopia da cidade ideal. In: ARAÚJO, Alberto Filipe; MAGALHÃES, Justino (Orgs.). História, educação e utopia II. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 61-95.

 ARAÚJO, Joaquim Machado. Valores e educação na metáfora da viagem. In: DIAS, José Ribeiro; ARAÚJO, Alberto Filipe. Filosofia da Educação: temas e problemas. Minho: Universidade do Minho, 1998. p. 297-308.

 BACKER, Larry Catá. Internationalizing the american law school curriculum (in light of the carnegie foundation’s report). In: KLABBERS, Jan; SELLERS, Mortimer (Edits.). The Internationalization of Law and Legal Education. New York: Springer, 2008. p. 49-112.

 BALESTRA, Carlos Fontan. Criminologia y educacion. Buenos Aires: Libreria Hachette, 1943.

 BARCELLONA, Pietro; HART, Dieter; MÜCKENBERGER, Ulrich. La formación del jurista: capitalismo monopolistico y cultura jurídica. Traducción Carlos Lasarte. Madrid: Editorial Civitas, 1997.

 BARRETTO, Vicente. Sete notas sobre o ensino jurídico. In: Ensino Jurídico, 1978-1979, Brasília. Anais dos Encontros da UnB. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 73-86.

 BASTOS, Aurélio Wander. Ensino e jurisprudência: notas críticas (1). In: Ensino Jurídico, 1978-1979, Brasília. Anais dos Encontros da UnB. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 87-98.

 BEITRAG, Kurzer. Für eine europäische juristenausbildung. Juristem JZ Zeitung. Tübingen, p. 911-912, 1990.

 BELLINTANI, Guilherme Cortizo. O investimento em educação como fator de desenvolvimento: as justificativas em torno da expansão do ensino superior. In: MATTA, Alfredo Eurico Rodrigues et alli (Orgs). Educação, cultura e direito: coletânea em homenagem a Edivaldo M. Boaventura. Salvador: EDUFBA, 2005. p. 770-782.

 BERNARDES, Hugo Gueiros. O ensino jurídico e o método: graduação e pós-graduação. In: Ensino Jurídico, 1978-1979, Brasília. Anais dos Encontros da UnB. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 99-106.

 BIDART, Adolfo Gelsi. Cuestiones de cultura y enseñanza. Montevideo: Ediciones Jurídicas, [s.d].

 BRASIL. Estatutos do Visconde da Cachoeira. 2março1825. Regulamenta os Cursos Jurídicos criados pelo Decreto de 9 de janeiro de 1825. Imprensa Nacional/Tipografia Nacional. Rio de Janeiro, Coleção das Leis do Império do Brasil de 1827, parte primeira, 1828, p. 7/39.

 CANDEIAS, António. Processos de construção da alfabetização e da escolaridade: o caso português. In: STOER, Stephen R; CORTESÃO, Luiza; CORREIA, José A (Orgs.). Transnacionalização da educação: da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001. p. 23-89.

 ________. Utopias, hipocrisias e educação. In: ARAÚJO, Alberto Filipe; MAGALHÃES, Justino (Orgs.). História, educação e utopia II. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 45-52.

 CARBONNIER, Jean. A parte do direito na angústia contemporânea. In: Ensino Jurídico, 1978-1979, Brasília. Anais dos Encontros da UnB. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 55-66.

 CARNEIRO, Ivana Libertadoira Borges. A antropologia filosófica: a educação como elemento fundante do homem. Salvador: JusPodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2010.

 CARNEIRO, Roberto. Educação e comunidades humanas revivificadas: uma visão da escola socializadora do novo século. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 221-224.

 CARVALHO, Adalberto Dias de. A dimensão filosófica dos projectos educativos. In: DIAS, José Ribeiro; ARAÚJO, Alberto Filipe. Filosofia da Educação: temas e problemas. Minho: Universidade do Minho, 1998. p. 113-118.

 ________. A educação como prejecto antropológico. Porto: Afrontamento, 1992.

 CENDALES, Lola; POSADA, Jorge. A questão pedagógica na educação popular. In: GARCIA, Pedro Benjamim et aliiO pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Tradução Jorge Vicente Muñoz e Cristiane Menezes Muñoz. Rio de Janeiro: Relume-Dumara, 1994. p. 115-118.

 CHAUÍ, Marilena. Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

 CHAVES, Simone Miranda. Ensino superior: entre a inovação e a tradição. In: Olhares, (UNIJORGE), (NPPD). Salvador, nº1, 2009. p. 34-39.

 CHUNG, Fay. Educação na África atual. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 225-227.

 COELHO, Inocêncio M. A reforma universitária e a crise do ensino jurídico. In: Ensino Jurídico, 1978-1979, Brasília. Anais dos Encontros da UnB. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 131-144.

 CORAGGIO, José Luis. Educação para a participação e a democratização. In: GARCIA, Pedro Benjamim et aliiO pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Tradução Jorge Vicente Muñoz e Cristiane Menezes Muñoz. Rio de Janeiro: Relume-Dumara. p. 89-104, 1994.

 CORREA, Luz María Martínez de. Paradigmas filosóficos de la educación: una aproximación idealista y realista de la educación. Fronesis/Revista de Filosofia Jurídica Social y Política. Maracaíbo, v. 7, nº 3, p. 115-146, dez. 2000.

 CORREIA, José Alberto; MATOS, Manuel. Da crise da escola ao escolocentrismo. In: STOER, Stephen R; CORTESÃO, Luiza; CORREIA, José A (Orgs.). Transnacionalização da educação: da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001. p. 91-117.

 CORTESÃO, Luiza. Guliver entre gigantes: na tensão entre estrutura e agência, que significados para a educação? In: STOER, Stephen R; CORTESÃO, Luiza; CORREIA, José A (Orgs.). Transnacionalização da educação: da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001. p. 277- 300.

 CORTINA, Adela. Autoridad, responsabilidad y libertad en el proceso educativo. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 149-172.

 COSTA, Mário Júlio de Almeida. O Direito (Cânones e Leis). In: Universidade de Coimbra. História da Universidade em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, [s.d]. v. I, tomo I, p. 823-834.

COSTA, Mário Júlio de Almeida; MARCOS, Rui de Figueiredo. Reforma Pombalina dos Estudos Jurídicos.  Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, v. LXXV, p. 67-98, 1999.

 DANTAS, San Tiago. A educação jurídica e a crise brasileira. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 47-54. (Anais dos Encontros de Ensino Jurídico da UnB, 1978-1979). 

 ________. Renovação do direito. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 37-45. (Anais dos Encontros de Ensino Jurídico da UnB, 1979). 

DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003.

DIAS, José Ribeiro. Educação e utopia na vida de Tomás Moro. In: DIAS, José Ribeiro et aliiEducação e utopia. Braga: Universidade do Minho, 1996. p. 7-31.

 DOMMANGET, Maurice. Os grandes socialistas e a educação: de Platão a Lenine. Tradução Célia Pestana. Braga: Europa-América, 1974.

 EBY, Frederick. História da educação moderna: (séc. XVI/séc. XX), teoria, organização e prática educacionais. Tradução Maria Ângela Vinagre de Almeida et alli. 2. ed. Porto Alegre: Editora Globo/MEC, 1976.

 FARIA, José Eduardo. O ensino jurídico e a função social da dogmática. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 107-117. (Anais dos Encontros de Ensino Jurídico da UnB, 1978-1979). 

FERRAZ JR., Tércio Sampaio. O ensino jurídico. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 67-71. (Anais dos Encontros de Ensino Jurídico da UnB, 1979). 

FILHO, Alberto Venâncio. Análise histórica do ensino jurídico no Brasil. Brasília: Editora UnB, 1979. p. 11-36. (Anais dos Encontros de Ensino Jurídico da UnB, 1979). 

FOULQUIÉ, Paul. A Igreja e o ensino no decorrer dos séculos. In: FOULQUIÉ, Paul. A Igreja e a educação com a encíclica sôbre a educação. Tradução Maria das Dores Ribeiro de Figueiredo e Castro. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1957. p. 9-102.

 FULLAT I GENÍS, Octavi. Dos modelos antropológicos de la educación. In: DIAS, José Ribeiro; ARAÚJO, Alberto Filipe. Filosofia da Educação: temas e problemas. Minho: Universidade do Minho, 1998. p. 161-264.

 GARCÍA Y GARCÍA, Antonio. Los estudios jurídicos en la universidad medieval. In: GARCÍA Y GARCÍA, Antonio. Estudios sobre la canonistica portuguesa medieval. Madrid: Fundacion Universitária Española, 1976. p. 17-94.

 GARIN, Eugenio. L’educazione in Europa/1400-1600: problemi e programmi. Bari: Laterza, 1966.

 GAUTHIER, Jacques. Interdisciplinaridade e complexidade. Olhares/Revista do NPPD-UniJorge. Salvador, nº 1, p. 13-20, 2009.

 GENOVESI, Giovanni. La dimensione utopica della storia e dell’educazione: alcune riflessioni sulla ricerca storico-educativa In: ARAÚJO, Alberto Filipe; MAGALHÃES, Justino (Orgs.). História, educação e utopia II. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 25-44.

 GEREMEK, Bronislaw. Coesão, solidariedade e exclusão. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 228-232.

 GROSSMAN, Claudio. Building the world community through legal education. In: KLABBERS, Jan; SELLERS, Mortimer (Edits.). The Internationalization of Law and Legal Education. New York: Springer, 2008. p. 21-35.

 GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática. Belo Horizonte: Del Rey, 2002.

 JAEGER, Werner W. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução Artur M. Parreira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

 ________. Cristianismo primitivo e paidéia grega. Tradução Teresa Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 2002.

 KENNEDY, Duncan. Legal education and the reproducion of hierarchy: a polemic against the system. New York: New York University Press, 2004.

 KLABBERS, Jan. Reflections on globalization and university life. In: KLABBERS, Jan; SELLERS, Mortimer (Edits.). The Internationalization of Law and Legal Education. New York: Springer, 2008. p. 7-19.

 KORNHAUSER, Aleksandra. Criar oportunidades. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 233-239.

 KOVACIC-FLEISCHER, Candace Saari. Maternity leave laws in the United States in the light of european legislation. In: KLABBERS, Jan; SELLERS, Mortimer (Edits.). The Internationalization of Law and Legal Education. New York: Springer, 2008. p. 129-148.

 ________. Metodologia do ensino jurídico e sua história: Idade Média – a Escolástica. In: LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. São Paulo: Max Limonad, 2002. p. 113-140.

 ________. Metodologia e ensino do direito: a modernidade. In: LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. São Paulo: Max Limonad, 2002. p. 213-233.

 MAGALHÃES, António M. O síndroma de Cassandra: reflexividade, a construção de identidades pessoais e a escola. In: STOER, Stephen R; CORTESÃO, Luiza; CORREIA, José A (Orgs.). Transnacionalização da educação: da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Afrontamento, 2001. p. 301-337.

 MAGALHÃES, Justino. História, educação e utopia. In: ARAÚJO, Alberto Filipe; MAGALHÃES, Justino (Orgs.). História, educação e utopia II. Braga: Universidade do Minho, 1998. p. 15-24.

 MANACORDA, Mario Alighiero. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. Tradução Gaetano lo Monaco. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 MANLEY, Michael. Educação, autonomização e reconciliação social. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 240-242.

 MANSO, Artur. Algumas questões da educação na sociedade actual: violência na escola e educação moral e cívica. In: DIAS, José Ribeiro; ARAÚJO, Alberto Filipe. Filosofia da Educação: temas e problemas. Minho: Universidade do Minho, 1998. p. 286-296.
MARCOS, Rui Manuel de Figueiredo. A primeira república e a reforma dos estudos jurídicos na Faculdade de Direito de Coimbra. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, nº LXXXV, p. 57-71, 2009.

MARITAIN, Jacques. Rumos da educação. Tradução da Abadia de Nossa Senhora das Graças. 4. ed. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1966.

 MARQUES, Mário Reis. Ciéncia e acção: o poder simbólico do discurso jurídico universitário no período do ius communeAnuário del Departamento de História. Madrid, v. III, p. 109-118, 1991.

 MARTINEZ, Sérgio Rodrigo. Manual da Educação Jurídica: um contra-arquétipo na proposta de criação de um núcleo transdisciplinar. Curitiba: Jaruá, 2003.

 ________. Pedagogia Jurídica: do ensino tradicional à emancipação. Curitiba: Jaruá, 2002.

 MATTA, Alfredo E. Rodrigues et alii. Educação, cultura e direito: coletânea em homenagem a Edivaldo M. Boaventura. Salvador: Editora da UFBA, 2005.

 MAXEINER, James R. Integrating practical training and professional legal education. In: KLABBERS, Jan; SELLERS, Mortimer (Edits.). The Internationalization of Law and Legal Education. New York: Springer, 2008. p. 37-48.

 MAZA E, Gonzalo de la. Abrir janelas para o futuro: cinco reflexões sobre alianças para a educação popular. In: GARCIA, Pedro Benjamim et aliiO pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Tradução Jorge Vicente Muñoz e Cristiane Menezes Muñoz. Rio de Janeiro: Relume-Dumara, p. 9-19, 1994.

 MEJÍA, Marco Raúl. Educação e política: fundamentos para uma nova agenda latino-americana. In: GARCIA, Pedro Benjamim et aliiO pêndulo das ideologias: a educação popular e o desafio da pós-modernidade. Tradução Jorge Vicente Muñoz e Cristiane Menezes Muñoz. Rio de Janeiro: Relume-Dumara, 1994. p. 45-88.

 MONROE, Paul. História da educação. Tradução Idel Becker e Therezinha G. Garcia. São Paulo: Editora Nacional, 1958.

 MONSTONE, K. Notas sobre mi mesmo. In: MONSTONE, K. Impro: improvisación y el teatro. Santiago do Chile: Quatro Vientos Editorial, 2000. p. 1-21.

 NANZHAO, Zhou. Interações entre educação e cultura, na óptica do desenvolvimento econômico e humano: uma perspectiva asiática. In: DELORS, Jacques et aliiEducação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo/Brasília: Cortez/MEC/UNESCO, 2003. p. 257-267.

NEWMAN, John Henry. Origem e processo das universidades. Tradução Pe. Roberto Sabóia de Medeiros, S. J. São Paulo: Congregação Mariana S. Domingos Sávio, 1951.

 NOVA ESCOLA/A Revista do Professor. Grandes pensadores: a história do pensamento pedagógico no Ocidente pela obra de seus maiores expoentes. São Paulo: Editora Abril, 2004.

 NUNES, Ruy Afonso de Costa. História da Educação na Idade Média. São Paulo: EPU, 1979.
NUSSBAUM, Martha C. El cultivo de la humanidad: uma defensa clásica de la reforma em la educación liberal. Traducción Juana Pailaya. Barcelona: Andres Bello, 2001.

______. Lawyer for humanity: theory and practice in ancient political thought. Nomos, New York, n. 37, p. 181-215, 1995.

Ética Filosófica e Ética Jurídica

ACKERMAN, Felicia. Flourish your heart in this world. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 310-331.

 AGUIAR, Mônica. Direito à filiação e bioética [Capítulo I: etiologia histórica do direito à filiação]. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 195- 214, 2006.

 ARISTÓTELIS. Ética a Nicómaco. Tradução António de Castro Caeiro. 2. ed. Lisboa: Quetzal Editores, 2006.

______. Etica a NicómacoTraducción [Bilingüe Grego-Espanhol] Maria Araujo y Julian Marias. Madrid: Instituto de Estudos Políticos, 1970.

ATLAN, Henri. Os níveis da ética. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 91-107.

BAUMAN, Zygmunt. Ética pós-moderna. Tradução João Rezende Costa. São Paulo: Paulus, 1997.

BENDER, Rüdiger. The aesthetics of ethical reflection and the ethical significance of aesthetic experience: a critique of Alasdair MacIntyre and Marta Nussbaum. Disponivel em: <HTTP://www.webdoc.sub.gwdg.de7edoc/ia/eese/artic98/bender/1_98.html>. Acesso em: 26 maio 2006.

 BOFF, Leonardo. Ethos mundial: um consenso mínimo entre humanos. Brasília: Letrativa, 2000.

 ______. Saber cuidar: ética do humano-compaixão pela terra. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

 BOFF, Leonardo; KRENAK, Ailton. Natureza e sagrado: a dimensão espiritual da consciência ecológica. In: UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos filosóficos do pensamento ecológico. São Paulo: Loyola, 1992. p. 75-84.

 BROCK, Dan W. Cloning Human Beings: an assessment of the ethical issues pro and con. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 141-164.

 CÍCERO. Dos Deveres (De Officiis). Tradução Carlos Humberto Gomes. Lisboa: Edições 70, 2000.

 DAWKINS, Richard. What’s wrong whith cloning? In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 54-66.

 DERRIDA, Jacques; DUFOURMANTELLE, Anne. Da hospitalidade. Tradução Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.

 DONIGER, Wendy. Sex and the mythological clone. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 114-135.

 DOWORKIN, Andrea. Sasha. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 73-77.

 DUSSEL, Enrique. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Tradução Epharaim Ferreira Alves et alii. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

 ELSHTAIN, Jean Bethke. To Clone or not to clone. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 181-189.

 EPICURO. Carta sobre a felicidade. Tradução João Forte. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2008.

 EPSTEIN, Richard A. A rush to caution: Cloning Human Beings. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 262-279.

 ESKRIDGE JR., Willian N; STEIN, Edward. Queer clones. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 95-113.

 FAGOT-LARGEAULT, Anne. L’homme bio-éthique: pour une déontologie de la recherche sur le vivant. Paris: Maloine, 1985.

 FILHO, Saul Quadros. A ética no exercício da advocacia. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 61-65, 2000.

 FOLTZ, Bruce V. Habitar a terra: Heidegger, ética ambiental e a metafísica da natureza. Tradução Jorge Seixas e Sousa. Lisboa: Piaget, 2000.

 GAUTHIER, René Antoine. Introdução à moral de Aristóteles. Tradução Maria José Ribeiro. Mem Martins: Europa-América, 1992.

 GIULLAUME, P. A formação dos hábitos. Tradução Ramiro de Almeida. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1939.

GORDILHO, Heron. Carne é pecado: versão da musica “Meat is murder” do The Smiths. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 297-298, Julho/Dezembro 2007.

GOULD, Sthephen Jay. Dolly’s fashion and Louis’s Passion. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 41-53.

HARE, R. M. El lenguaje de la moral. Traducción Genaro R. Carrió y Eduardo A. Rabossi. Ciudad Universitaria: Universidad Nacional Autónoma de México, 1975. (Cuadernos 30).

INGENIEROS, José. A caminho de uma moral sem dogmas: lições sobre o eticismo. Salvador: Progresso, 1957.

JOHNSON, George. Soul searching. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 67- 72.

JONAS, Hans. El principio de responsabilidad: ensayo de uma ética para civilización tecnológica. Traducción Javier Mª Fernández Retenda. Barcelona: Herder, 1994.

JÚNIOR, José Cretella; NETO, José Cretella. 1.000 perguntas e respostas sobre o Estatuto da OAB e o Código de Ética e Disciplina. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

 KANT, Immanuel. Sobre um suposto direito de mentir por amor à humanidade. In: _______. A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995. p. 173-179.

KEMPIS, Tomás de. Imitação de cristo. Tradução: Monsenhor Manuel Marinho. São Paulo: Hedra, 2008. 

KÜNG, Hans. Projeto de ética mundial: uma moral ecumênica em vista de sobrevivência humana. Tradução Haroldo Reimer. São Paulo: Edições Paulinas, 1993.

______. Uma ética global para a política e a economia mundiais. Tradução Carlos Almeida Pereira. Petrópolis: Vozes, 1999.


LEVAI, Laerte Fernando. A condição animal em Kaspar Hauser: crítica à ética nacionalista: o bom selvagem e a esterilidade da razão. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 209-237, Julho/Dezembro 2007.

LÉVINAS, Emmanuel. Humanismo do outro homem. Tradução Pergentino S. Pivatto. Anísio Meinerz et alii. Petrópolis: Vozes, 1993.

 LINHARES, José Manuel Aroso. A ética do continnum das espécies e a resposta civilizacional do direito. Boletim da Faculdade de Coimbra.Coimbra, v. LXXVIII, p. 197-216, 2003.

 ______. Homenagem: palavras proferidas na homenagem ao Doutor António Castanheira Neves. Boletim da Faculdade de Coimbra. Coimbra, v. LXXX, p. 875-877, 2004.

LYOTARD, Jean-François. Moralidades pós-modernas. Tradução Marina Appenzeller. São Paulo: Papirus Editora, 1996.

 MACINTYRE, Alasdair. Dependent rational animals: why human beings need the virtues. Chicago: Open Court, 1999.

 ______. Trás la virtud. Traducción Amélia Valcárcel. Barcelona: Crítica, 2001.

 MARINA, José Antonio. Los derechos en el crepúsculo del deber. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 101-134.

 MEHLER, Jacques; RAMUS, Franck. Poderá a psicologia cognitiva contribuir para o estudo do raciocínio moral? In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 121-137.

 MILLER, William Ian. Sheep, Joking, Cloning and the Uncanny. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 78-87.

 MUSIL, Robert. O homem sem qualidades. Tradução Lya Luft e Carlos Abbenseth. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

 NACONECY, Carlos M. Ética animal… Ou uma “ética para vertebrados”? Um animalista também pratica especismo? Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 119-153, Julho/Dezembro 2007.

 NALINI, José Ricardo. Ética geral e profissional. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

 NATIONAL BIOETHICS ADVISORY COMMISSION. The science and application of cloning. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 29-40.

 ______. Recommendations of the Commission. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 289-294.

 ______. Religious Perspectives. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 165-180.

NUSSBAUM, Martha C. A fragilidade da bondade: fortuna e ética na tragédia e na filosofia grega. Tradução Ana Aguiar Cotrim. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

 PÁDUA, José Augusto de; GRIMBERG, Miguel. Valores pós-materialistas e movimentos sociais: o ecologismo como movimento histórico. In: UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos filosóficos do pensamento ecológico. São Paulo: Loyola, 1992. p. 57-65.

 PERISTIANY, J. G. Honra e vergonha: valores das sociedades mediterrânicas. Tradução José Cutileiro. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1966.

 PHILLIPS, Adam. Sameness Is All. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 88-94.

 POSNER, Eric A; POSNER, Richard A. The Demand for Human Cloning. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 233-261.

 ROCHA, Zeferino. Uma mensagem ética para nosso tempo. In: ROCHA, Zeferino. A morte de Sócrates: uma mensagem ética para nosso tempo. Recife: Editora Universitária, 1994. p. 233-302.

 ROTHMAN, Barbara Katz. On Order. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 280-288.

SANDEL, Michael J. What Money can’t buy: the moral limits of markets. New York: 2012.

SANTOS, Laymert Garcia dos; UNGER, Nancy Mangabeira. Humanismo e biocentrismo: o ecologismo como questão filosófica I. In: UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos filosóficos do pensamento ecológico. São Paulo: Loyola, 1992. p. 15-23.

 SCHELER, Max. Le formalisme en éthique et l’éthique matériale des valeurs: essai nouveau pour fonder un personnalisme éthique. Traduit Maurice de Gandillac. 3. ed. Paris: Nrf Gallimard, 1955.

 SÉNECA. Da vida feliz. Tradução João Forte. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2008.

SÈVE, Lucien. Entender-se em ética: actos de linguagem e linguagem dos atos. In: CHANGEUX, Jean-Pierre (Direc.). Uma mesma ética para todos? Lisboa: Piaget, 1999. p. 197-207.

 ______. Para uma crítica da razão bioética. Lisboa: Piaget, 1997.

 SINGER, Peter. Ética prática. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

______. Um só mundo: a ética da globalização. Tradução Maria de Fátima St. Aubyn. Lisboa: Gradativa, 2004.

______. Prioridades do movimento de direito do animal no Brasil. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 09-13, Julho/Dezembro 2007. (Entrevista).

SUNSTEIN, Cass R. The constitution and the clone. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998, p. 207-220.

 TAYLOR, Charles. A ética da autenticidade. Tradução Luis Lóia. Lisboa: Edições 70, 2009.

 TRACY, David. Human cloning and the public realm: a defense of intuitions of the good. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 190-203.

 TRESMONTANT, Claude. La doctrine morale des prophètes d’Israël. Paris: Editions Du Seuil, 1958.

 TRIBE, Laurence. On not Banning Cloning for the wrong reasons. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 221-232.

 TUTTLE, Lisa. World of Strangers. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 297-309.

 UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos filosóficos do pensamento ecológico. São Paulo: Loyola, 1992.

 VAZ, Henrique C. de Lima. Escritos de filosofia IV: introdução a ética filosófica I. São Paulo: Loyola, 1999.

 VILLAS-BÔAS, Maria Elisa. Da eutanásia ao prolongamento artificial [Capítulo 3: a difícil definição da eutanásia e os novos conceitos relacionados. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador. v. XXIX, p. 215-248, 2006.

 VIVES, José, S. J. Génesis y evolución de la ética platónica: estudio de las analogías en que se expresa la ética de Platón. Madrid: Gredos, 1970.

 WEIL, Pierre; GUDYNAS, Eduardo. Ecologia e Ética: o ecologismo como questão filosófica II. In: UNGER, Nancy Mangabeira (Org.). Fundamentos filosóficos do pensamento ecológico. São Paulo: Loyola, 1992. p. 37-42.

VIDAL-QUADRAS, Alejo. Las servidumbres de la partitocracia. In: OLLERO, Andrés (Coord.). Valores en una sociedad plural. Madrid: Fundación para el Análisis y los Estudios Sociales, 1999. p. 213-248.
 WILLIAMS, C. K. My clone. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 332-337.

 WILMUT, I; SCHNIEKE, J; MCWHIR, J; KIND, A. J; CAMPBELL, K. H. S. Viable offspring derived from fetal and adult mammalian cells. In: NUSSBAUM, Martha C; SUSTEIN, Cass R (Edit.). Clones and Clones: facts and fantasies acout human cloning. New York: W.W Norton & Company, 1998. p. 21-28.

Teoria Hermenêutica, Teoria da Argumentação, Teoria Retórica e Teoria da Decisão

AARNIO, Aulis. Lo racional como razonable: un tratado sobre la justificación jurídica. Traducción Ernesto Garzón Valdéz. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1991.

AGUIAR E SILVA, Joana. Para uma teoria hermenêutica da justiça: repercussões no eixo problemático das fontes e da interpretação jurídicas. Coimbra: Almedina, 2011.

ALBERT, Hans. O direito à luz do racionalismo crítico. Tradução Gunther Maluschke. Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 2013.

ALEXY, Robert. Teoria da argumentação jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da justificação jurídica. Tradução Zilda Hutchinson Schild Silva. São Paulo: Landy, 2008.

AMARAL, Gustavo. Direito, escassez & escolha: em busca de critérios jurídicos para lidar com a escassez de recursos e as decisões trágicas. Rio de Janeiro; São Paulo: Renovar, 2001.

 ARISTÓTELES. Retórica. Tradução Manuel Alexandre Júnior et alii. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1998.

 ATIENZA, Manuel. Las razones del derecho: teorias de la argumentación jurídica. Madrid: Centro de Estúdios Constitucionales, 1997.

AUBENQUE, Pierre. La prudencia em Aristóteles. Traducción Mª José Torres Gómez Pallete. Barcelone: Crítica, 1999.

 AZEVÊDO, Bernardo Montalvão Varjão de. O ato de decisão judicial: uma irracionalidade disfarçada. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001.

BALKIN, Jack M. Deconstructive practice and legal theory. Faculty Scholarship Series, Paper 291, New Haven, p. 1-70, 1987 Disponível em: <HTPP://digitalcommons.lawyale.edu/fss_papers/291>. Acesso: 20 mar. 2017.

BERTI, Enrico. As razões de Aristóteles. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo Loyola, 1998.

______. Gadamer and the reception of Aristotle’s intellectual virtues. Revista Portuguesa de Filosofia. Braga, vol. 56, fasc. 3-4, p. 345-360, Julho/Dezembro 2000.

BETTI, Emilio. L’ermeneutica come metódica generale dele scienze dello spirito. Truduzione Ornella Nobile Ventura. Roma: Città Nuova, 1987.

_______. Interpretação da lei e dos atos jurídicos. Tradução Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BRONZE, Fernando José. Alguns Marcos do século na história do pensamento metodológico-jurídico. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, Volume Comemorativo, p. 151-177, 2003.

 ______. Breves considerações sobre o estado actual da questão metodonomológica. Boletim da Faculdade de Coimbra. Coimbra, v. LXIX, p. 177-199, 1993.

 ______. Racionalidade e Metodonomologia. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 243-270.

BROOKE-ROSE, Christine. História palimpsesta. In: ECO, Humberto. Interpretação e superinterpretação. Tradução MF. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 147-177.

BRUNO, Vânia. O fundamento do direito em Chaïm Perelman. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 238-248.

CALABRESI, Guido; BORBITT, Philip. Tragic choices: the conflicts society confront in the allocation of tragically scarce resources. New York; London: W. W. Norton & Company, 1978.

COELHO, Fernando. Lógica jurídica e interpretação das leis. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

COELHO, Nuno Manuel Morgadinho dos Santos. Fundamentos filosóficos da interpretação do direito: o romantismo. São Paulo: Rideel, 2012. 

______. Sensatez como modelo e desafio do pensamento jurídico em Aristóteles. São Paulo: Rideel, 2012. 

CULLER, Jonathan. Em defesa da superinterpretação. In: ECO, Humberto. Interpretação e superinterpretação. Tradução MF. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 129-146.

DILTHEY, Wilhelm. Teoria das concepções do mundo [A consciência histórica e as concepções do mundo/Tipos de concepção do mundo e a sua formação metafísica]. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1992.

DILTHEY, Wilhelm. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. Tradução Marco Casanova. Editora UNESP, 2010.

_______. Literatura y fantasia. Traducción Emilio Uranga y Carlos Gerhard. México: Fondo de Cultura Económica, 1997. (Obras de Wilhelm Dilthey, IX)

DUNNE, Joseph. Black to the rought ground: practical judgment and the of technique. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 2001.

 ECO, Umberto. Leitura do texto literáriolector in fabula. Tradução Mário Brito. Lisboa: Editorial Presença, [s.d].

 ______. Os limites da interpretação. Tradução José Colaço Barreiros. Lisboa: Difel, 1992.

______. Obra aberta. Tradução João Rodrigo Narciso Furtado. Lisboa: Difel, 1989.

______. Interpretação e superinterpretação. Tradução MF. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

ESSER, Josef. Principio y norma en la elaboración jurisprudencial del derecho privato. Traducción Eduardo Valenti Fiol. Barcelona: Bosh Casa Editorial, 1961.

______. Precomprensione e scelta del método nel procsso di individuazione del diritto: fondamenti di razionalità nella prassi decisionale del giodice. Traduzione Salvatore Patti e Giuseppe Zacaria. Camerino: Scuola di Perfezionamento in Diritto Civile dell’Università di Camerino, 1983.

FERRARA, Francesco. Como aplicar e interpretar as leis. Tradução Joaquim Campos de Miranda. Belo Horizonte: Líder, 2002.

FISH, Stanley. Como escrever uma sentença: um guia de estilo e argumentação para criar frases de impacto. Tradução Luís Carlos Borges. São Paulo: Saraiva, 2012.

______. Práctica sin teoria: retórica y cambio em la vida institucional. Traducción José Luís Fernández-Villanueva. Barcelona: Ensayos/Destino, 1992.

 GADAMER, Hans-Georg. Verdad y método: fundamentos de uma hermenéutica filosófica. Tradujeron Ana Agud Aparicio y Rafael Agapito. Salamanca: Sígueme, 1977.

GAUDÊNCIO, Ana Margarida Simões. Entre o centro e a periferia: a perspectiva ideológica-política da dogmática jurídica e da decisão judicial no Critical Legal Studies Movement. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

GENY, François. Método de interpretación y fuentes en derecho privado positivo. Prólogo Raimundo Saleilles. Madrid: Hijos de Reus Editores, 1902.

GOMES, Alexandre Travessoni. Fundamentação do direito e argumentação jurídica: a proposta de Alexy. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 295-310.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica constitucional: a sociedade aberta dos intéerpretes da constituição – contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Tradução Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Fabris Editor, 2002.

HECK, Philipp. Interpretação da lei e jurisprudência dos interesses. Tradução José Osório. Coimbra : Arménio Amado, 1947.

JACOBSON, Arthur J. Origins of the game theory of law and the linits of harmony in Plato’s Laws. Cardozo Law Review. New York, v. 20, p. 1335-1400,1998/1999.

KENNEDY, Duncan. Il pensiero giuridico post-testualista: il caso degli Stati Uniti. Ars Interpretandi: Annuario di Ermeneutica Giuridica. Traduzione Elena Pariotti. Milani, nº 2, p. 197-229, 1997.

 KORNHAUSER, Lewis A. On justifying cost-benefit analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 201-221.

 LAFONT, Cristina. Lenguaje y apertura del mundo: el giro lingüístico de la hermenéutica de Heidegger. Madrid: Alianza Editorial, 1997.

LAMEGO, José. Hermenêutica e jurisprudência: análise de uma “recepção”. Lisboa: Fragmentos, 1990.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de retórica literária. Tradução R. M. Rosado Fernandes. 5. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

 LINHARES, José Manuel Aroso. A representação metanormativa do(s) discurso(s) sobre o juiz: o «testemunho» crítico de um «diferendo»? Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Estudos e Ensaios. Lisboa, nº 12, p. 101-120, 2008.

 _______. A unidade dos problemas da jurisdição ou as exigências e limites de uma pragmática custo/beneficio: um diálogo com a Law & Economics Scholarship. Coimbra. Separa do Boletim da Faculdade de Coimbra, v. LXXVIII, p. 65-178, 2002.

_______. Decisão judicial, realismo de “complexidade” e maximização da riqueza: uma conujugação impossível? Boletim de Ciências Econômicas. Coimbra, v. LVII, p. 1753-1789, 2014.

LOMBARDI, Luigi. Saggio sul Diritto Giurisprudenziale. Milano: Giuffrè, 1967.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. Tradução José Lamego. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2005.

MACCORMICK, Neil. Argumentação jurídica e teoria do direito. Tradução Waldéa Barcellos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e aplicação do direito. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
MONTAIGNE. A arte da conferência. In: MONTAIGNE; PASCAL, Blaise. A arte de persuadir [Precedida de A arte da conferência de Montaigne]. Tradução Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2004. p. 1-62.

 MEYER, Michel. Questões de retórica: linguagem, razão e sedução. Tradução António Hall. Lisboa: Edições 70, 2007.

 NEVES, A Castanheira. Metodologia Jurídica: problemas fundamentais. Coimbra: Coimbra Editora, 1993.

 ______. O actual problema metodológico da interpretação jurídica I. Coimbra: Coimbra Editora, 2003.

 ______. O sentido actual da metodologia jurídica. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, Volume Comemorativo, p. 115-150, 2003.

 ______. Entre o «legislador», a «sociedade» e o «juiz» ou entre «sistema», «função» e «problema» – os modelos actualmente alternativos da realização jurisdicional do direito. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, v. LXXIV, p. 1-44, 1998.

 ORTEGA, Manuel Segura. La racionalidad del derecho: sistema y decisión. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, v. LXXI, p. 117-144, 1995.

 OST, François. Juge-pacificateur, juge-arbitre, juge-entraineur. Trois modéles de justice in: GÉRARD, Philippe; KERCHOVE, Michel van de; OST, François (Direc.). Fonction de juger et pouvoir judiciaire: trasnformations et déplacements. Bruxelas: Facultes Universitaires Saint-Louis, 1983. p. 1-70.

 ______. Jupiter, Hercules, Hermes: tres modelos de juez. Doxa/Cuadernos de Filosofía del Derecho. Alicante, nº 14, p. 169-194, 1993. (Tradução Isabel Lifante Vidal).
 PALMER, Richard E. Hermenêutica. Tradução Maria Luisa Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2006.

PASCAL, Blaise. Do espírito geométrico e da arte de persuadir. In: MONTAIGNE; PASCAL, Blaise. A arte de persuadir [Precedida de A arte da conferência de Montaigne]. Tradução Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2004. p. 63-123. 

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado de argumentação. Tradução João Duarte. Lisboa: Piaget, 2006.

PERELMAN, Chaïm. Lógica jurídica: nova retórica. Tradução Vergínia K. Pupi. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

POSNER, Richard A. Reflections on judging. Cambridge: Harvard University Press, 2013.

______. El rol del juez en el siglo XXI. Thémis Revista de Derecho, Lima, v. 58, p. 199-211, 2010.

______. How judge think. Cambridge: Harvard University Press, 2008.

______. Cómo deciden los jueces. Traducción Victoria Roca Pérez. Madrid; Barcelona; Buenos Aires: 2011.

RODRIGUES, Sandra Martinho. A interpretação jurídica no pensamento de Ronald Dworkin: uma abordagem. Coimbra: Almedina, 2005.

RORTY, Richard. A trajetória do pragmatista. In: ECO, Humberto. Interpretação e superinterpretação. Tradução MF. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 105-127.

ROSA, Alexandre Morais da; LINHARES, José Manuel Aroso. Diálogos com a Law & Economics. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do processo penal conforme a teoria dos jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

SANTO TOMÁS DE AQUINO. A prudência: a virtude da decisão certa. Tradução Jean Lauand: São Paulo: Martins Fontes, 2005.

SAVIGNY, M.F.C de. Interpretacion de las leyes. In : _______. Sistema del derecho romano actual. Traducción M. Ch. Guenoux y Jacinto Mesía y Manuel Poley. Madrid: F. Góngora y Compañía, 1878. tomo I, p. 145-221.

_______. Metodologia jurídica. Tradução Heloísa da Graça Buratti. São Paulo : Rideel, 2005.

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. Tradução Celso Reni Braida. 7.ed. Petrópolis, 2005.

SOARES, Ricardo Maurício Freire. Hermenêutica e interpretação jurídica. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

STRECK, Lenio Luiz; ABBOUD, Georges. O que é isto – o precedente judicial e as súmulas vinculantes. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

STRECK, Lenio Luiz; ALVIM, Eduardo Arruda; LEITE, George Salomão (Coords.). Hermenêutica e jurisprudência no código de processo civil: coerência e integridade. 2.ed.São Paulo: Saraiva, 2018.

TOULMIN, Stephen E. Os usos do argumento. Tradução Reinaldo Guarany e Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

VIEHWEG, Theodor. Tópica e jurisprudência: uma contribuição à investigação dos fundamentos jurídico-científicos. Tradução Kelly Susane Alflen da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris editor, 2008.

ZALUSKI, Wojciech. Game theory in jurisprudence. Kraków: Copernicus Center Press, 2013.

Introdução ao Direito e Teoria do Direito

ALEXY, Robert. A theory of constitutional rights. Translated Julian Rivers. New York: Oxford University Press, 2002.

 ANDRADE, Lédio Rosa de. Introdução ao direito alternativo brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado, [s.d].

 ARANGUREN, José Luis L. El bien moral supremo. Anuário de filosofia del derecho. Madrid, tomo III, nº 4, p. 19-45, 1955.

 ARAUJO, Fernando. A hora dos direitos dos animais. Coimbra: Almedina, 2003.

 AYOUB, Victor. The judicial process in two african tribes. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 124-131.

 BARCELLONA, Pietro (A cura). L’uso alternativo del diritto: i scienza giuridica e analisi marxista. Roma: Editori Laterza, 1973.

 BARRETO, Tobias. Introdução ao estudo do direito: política brasileira. São Paulo: Landy, 2001.

 BARTLETT, Steven J. Raízes da resistência humana aos direitos dos animais: bloqueios psicológicos e conceituais. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 17-66, Julho/Dezembro 2007.

 BECKER, Gary S. A comment on the conference on cost-benefit analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 313-316.

 BEM, Leonardo Schmitt de. Teoria da relação Jurídica: análise da parte geral do novo código civil. Curitiba: JM Editora, 2004.

 BENTHAM, Jeremy. Nomografía o el arte de redactar leyes. Traducción Cristina Pabón. 2.ed. Madrid: Centro de Estúdios Políticos y Constitucionales, 2004.

 BERGALLI, Roberto. Usos y riesgos de categorias conceptuales: conviene seguir empleando la expressión “uso alternativo del derecho”? Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 20-36, 1992.

 BEVILAQUA, Clovis. Teoria geral do direito civil. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1975.
 BOBBIO, Norberto. Teoria da norma jurídica. Tradução Fernando Pavan Baptista e Ariani Bueno Sudatti. 4. ed. Bauru: Edipro, 2008.

 _______. Teoria do ordenamento jurídico. Tradução Maria Celeste Cordeiro Leite dos Santos. 10. ed. Brasília: Editora UNB, 1999.

 BOHANNAN, Paul. Justice and julgament among thetiv. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 110-124.

 BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992.

 CALABRESI, Guido. Sobre los límites de los análisis económicos del Derecho. Anuario de Filosofia del Derecho. Madrid, tomo II, p. 219-228, 1985.

 CANARIS, Claus-Wilhelm. Direitos fundamentais e direito privado. Tradução Ingo Wolfgang Sarlet e Paulo Mota Pinto. Coimbra: Almedina, 2003.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição dirigente e vinculação do legislador: contributo para compreensão das normas constitucionais programáticas. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

 CARDOZO, Benjamim N. The nature of the judicial process. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 14-18.

 CARNELUTTI, Francesco. A morte do direito. Tradução Hiltomar Martins Oliveira. Belo Horizonte: Líder, 2004.

 _______. Como nasce o direito. Tradução Hiltomar Martins Oliveira, 2. ed. Belo Horizonte: Líder, 2002.

CARVALHO, Aurora Tomazini de. Curso de teoria geral do direito: o constructivismo lógico-semântico. 3. ed. rev. amp. São Paulo: Noeses, 2013.

 CASSUTO, David N. Dominando o que você come: o discurso da alimentação. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 27-48, Janeiro/Dezembro 2009.

CASTRO, Celso Luiz Braga de. Gasto público e jurimetria: o caso dos municípios baianos. Salvador: Editora Fundação Faculdade de Direito, 2013.

CASTRO JÚNIOR, Marco Aurélio de. Direito e pós-modernidade: quando os robôs serão sujeitos de direito. Curitiba: Juruá, 2013.

 CASTRO, Marcos Augusto Lopes de. Classificação ontológico-normativa dos animais. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 103-126, Janeiro/Dezembro 2009.

 CHALFUN. Mery. Animais humanos e não-humanos: princípios para solução de conflitos. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 69-101, Janeiro/Dezembro 2009.

 COELHO, Luiz Fernando. Teoria crítica do direito. 3. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2003. 

_______. Do direito alternativo. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 7-18, 1992.

 COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; ARANTES, Camilloto. O fundamento do direito na teoria pura do direito. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 176-195.

 COHEN, Felix S. Transcendental nonsense and the functional approach. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 54-71.

 COSSIO, Carlos. La teoria ecologica del derecho y el concepto juridico del libertad. 2. ed. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1964.

 DELITALA, Giacomo. A crise de direito na sociedade contemporânea. In: CARNELUTTI, Francesco. A morte do direito. Tradução Hiltomar Martins Oliveira. Belo Horizonte: Líder, 2004. p. 25-44.

 DIAS, Edna Cardozo. Códigos morais e os animais. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 127-146, Janeiro/Dezembro 2009.

 _______. Direitos dos animais e isonomia jurídica. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 107-117, Julho/Dezembro 2007.

 DIMOULIS, Dimitri. Manual de introdução ao estudo do direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

 DINIZ, Maria Helena. Compêndio de introdução à ciência do direito. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.
______. Lei de introdução às normas do direito brasileiro interpretada. 17. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

 EWALD, François. Defesa e ilustração do Estado-Providência. In: EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Tradução António Fernando Cascais. Lisboa: Vega, 1993. p. 201-207.

 _______. Direito social e liberdades. In: EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Tradução António Fernando Cascais. Lisboa: Vega, 1993, p. 185-199.

 _______. Justiça, igualdade, juízo. In: EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Tradução António Fernando Cascais. Lisboa: Vega, 1993, p. 129-154.

 FERRAZ JR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

 _______. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 FRANCIONE, Gary L. Animais como propriedade. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 13-15, Julho/Dezembro 2007.

 FRANK, Jerome. Law and the modern mind. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 19-27.

 FRANK, Robert H. Why is cost-benefit analysis so controversial? In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 77-94.

 FRASCH, Pamela D; LUND, Hollie. O tratamento desigual de animais por espécie e prática nos Estados Unidos: um dilema moral e legal. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p.11-26, Janeiro/Dezembro 2009.

 FREIRE, Gilmar Miranda. Experimentação animal: um estudo de caso numa universidade Baiana. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 253-265, Janeiro/Dezembro 2009.

 FREIRE, Ricardo Maurício. Curso de introdução ao estudo do direito. Salvador: JusPodivm, 2009.

 FÜLLER, Lon L. O caso dos exploradores de cavernas. Tradução Plauto Faraco de Azevedo. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1976.

 GABEL, Peter. Reification in legal reasoning. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 17-43.

 GAUDÊNCIO, Ana Margarida Simões. Critical Legal Studies Movement: uma deriva política do pensamento jurídico (?). In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.262-84.

 GAUDET, Frederick J. Individual differences in the sentencing tendencies of judges. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 352-367.

 GENRO, Tarso Fernando. Em defesa do poder normativo e da reforma do Estado. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 95-98, 1992.

 GLUCKMAN, Max. The judicial process among the barotse of northern Rhodesia. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 90-109.

 GORDILHO, Heron José Santana. Abolicionismo animal. Salvador: Evolução, 2009.

 GORDON, Robert W. Critical Legal Histories. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 93-161.

 GREEN, Edward. Judicial attitudes in sentencing. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 368-388.

 HAINES, Charles G. General observations on the effects of personal, political, and economic influences in the decision of judge. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 40-49.

HARRIS, Paul; GABEL, Peter. Building power and breaking images: Critical Legal Theory and the practice of law. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 363-405.

 HART, H. L. A. O conceito de direito. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

 HAYAKAWA, Takeo. Civil liberties in the Japonese Supreme Court. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 325-334.

 HERNDON, James. The role of the judiciary in state political systems. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 153-161.

 HERRFAHRDT, Heinrich. Revolución y ciência del rerecho. Traducción Antonio Pólo. Madrid: Editorial “Revista de Derecho Privado”, 1932.

 JEMOLO, Arturo Carlo. A crise do estado moderno. In: CARNELUTTI, Francesco. A morte do direito. Tradução Hiltomar Martins Oliveira. Belo Horizonte: Líder, 2004. p. 45-101.

 KALINOWSKI, Georges. Le droit à la vie chez Thomas d’Aquin. Archives de Philosophie du droit. Paris, tome 30, p. 315-330, 1985.

 KAUFMANN, Arthur. Prolegómenos a uma lógica jurídica e a uma ontologia das relações: fundamento de uma teoria do direito baseada na pessoa. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, nº 78, p. 183-208, 2002.

 KEEFE, William J. Political attitudes toward the «missouri plan» in Pennsylvania. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 265-272.

 KELMAN, Mark. Interpretive construction in the substantive criminal law. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.) Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 217-299.

 KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. Tradução João Baptista Machado. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
_______. Teoria Geral do Direito e do Estado. Tradução Luis Carlos Borges. 4. ed. São Paulo, 2005.
 KENNEDY, Duncan. Freedom and constrain in adjudication: a critical phenomenology. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 45-49.

________. The estructure of blackstone’s commentaries. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 3-15.

________. The politics of hierarchy’from legal education and the reproduction of hierarchy: a polemic against the system. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 427-446.

 ________. Toward an historical understanding of legal consciousness: the case of classical legal thought in America. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 193-214.

 KORT, Fred. Simultaneous equations and boolean algebra. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 477-491.

 KRISLOV, Samuel. Power and coalition in a nine-man body. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 461-464.

 LASSWELL, Harold D. Power and personality. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 28-40.

 LAWLOR, Reed C. Stare decisis and electronic computers. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 492-505.

 LEAL JR., Rey. O início da personalidade jurídica da pessoa natural: uma questão do século XXI. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 359-370, 2000.

LINHARES, José Manuel Aroso. Jurisdição, diferendo e «área aberta»: a caminho de uma «teoria» do direito como moldura? Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, p. 443-477,
[s.d.]. (Stvdia Ivridica 101).

________. Relatório com a pespectiva e os conteúdos, o programa e os métodos de ensino da(s) disciplina(s) de Teoria do Direito e (ou) Pensamento jurídico contemporâneo. Coimbra: Policopiado, 2008.
________. Os Desafios-Feridas da Allgemeine Rechtslehere: um tempo de teoria do direito reconhecido (reencontrado?) Pela perspectiva de outro tempo de teoria. In: DIAS, Augusto Silva. Liber Amicorum de José de Sousa e Brito. Coimbra: Almedina, 2009, p. 261-314.
 LOEVINGER, Lee. Jurimetrics. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 72-76.

 LOPES, José Reinaldo de Lima. Voltar à teoria da justiça? Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 71-76, 1992.

LUHMANN, Niklas. El derecho de la sociedad. Traducción Javier Torres Nafarate et alii. México: Universidad Iberoamericana, 2002.

 ________. L’unité du système juridique. Archives de philosophie du droit. Paris, tome 31, p. 163-188, 1986.

 MARCH, James G. Sociological jurisprudence revisited. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 132-152.

 MARTIN, Nuria Belloso. El fundamento del derecho en el realismo jurídico americano. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p. 216-237.

 MATA-MACHADO, Edgar da. Elementos de teoria do direito: introdução ao direito. 4. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1995.

 MATTA, Emmanuel. Orlando Gomes e a teoria pura do direito: notas para o cenário do jurista. 1. ed. Salvador: JM Gráfica e Editora, 2010.

 MELLO, Marcos Bernardes. Teoria do fato jurídico. Plano de existência 13. ed. São Paulo: Saraiva 2007.

 ________. Teoria do fato jurídico. Plano de validade. São Paulo: Saraiva, 1995.

 ________. Teoria do fato jurídico: plano da eficácia. São Paulo: Saraiva 2004.

 MIAILLE, Michel. Introdução critica ao direito. Tradução Ana Prata. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.

 MINAHIM, Maria Auxiliadora. Nos limites da maioridade penal: um tema recorrente. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 123-140, 2000.

 MIRANDA, Custódio da Piedade U. Teoria geral do direito privado. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

 MIRANDA, Pontes de. Fontes e evolução do direito civil brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense,1981.

 ________. Introdução à política científica. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

 MONTORO, André Franco. Introdução à ciência do direito. 26. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

 MOTT, Rodney L. Prestige differentials among appellate courts. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 287-300.

 MOTT, Rodney L; ALBRIGHT, Spencer D; SEMMERLING, Helen R. Judicial personnel. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 195-205.

 MOULIN, Carolina Corrêa Lougon. Consumo de animais: o despertar da consciência. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 267-296, jan/dez 2009.

 MURPHY, Walter F. Leadership, bargaining, and the judicial process. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 395-414.

 NACONECY, Carlos. Bem-estar animal ou libertação animal? Uma análise crítica da argumentação antibem-estarista de Gary Francione. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 179-211, jan/dez 2009.
NADER, Paulo. Introdução ao direito. 22. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

 NAGEL, Stuart S. Political party representation on the State Supreme Courts. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 260-264.

 ________. Sociometric relations among American courts. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 301-305.

 ________. Testing empirical generalizations. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 518-529.

 ________. The relationship between the political and ethnic affiliation of judges, and their decision-making. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 234-259.

 NETO, A. L. Machado. Compêndio de introdução à ciência do direito. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 1984.

 NETO, Agostinho Ramalho Marques. Direito alternativo e marxismo: apontamentos para uma reflexão crítica. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 37-70, 1992.

 NETO, João Alves de Almeida. O princípio da solidariedade como mecanismo de efetividade dos direitos fundamentais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 79-94, 2000.

 NEVES, A Castanheira. Curso de introdução ao estudo do direito. Coimbra: Policopiado, 1971.

______. Apontamentos complementares de teoria do direito: sumários e textos. Coimbra: Policopiado, 1998.

______. Teoria do direito: lições proferidas no ano lectivo de 1998/1999. Coimbra: Policopiado, 1998.

NUNES, Riazzatto. Manual de introdução ao estudo do direito. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

 OLIVECRONA, Karl. Il direito come fato. A cura di Silvana Castignone. Varese: Giu, 1967.

 OLIVEIRA, Thiago Pires. Redefinindo o status jurídico dos animais. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 193-208, Julho/Dezembro 2007.

 PALLIERI, Giorgio Balladore. A crise da personalidade do estado. In: CARNELUTTI, Francesco. A morte do direito. Tradução Hiltomar Martins Oliveira. Belo Horizonte: Líder, 2004. p.103-123.

 PELLER, Gary. The metaphysics of american legal. In: BOYLE, James. Critical Legal Studies (Edit.). Aldershot/Hong Kong/Singapore/Sydney: Dartmouth, 1992. p. 447-503.

 PELTASON, Jack W. The interest group approach. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 50-53.

 POOLE, Diego. La ley natural en la filosofia se Santo Tomás. In: COELHO, Nuno M. Morgadinho dos Santos; MELLO, Cleyson de Moraes (Orgs.). O Fundamento do Direito: Estudos em Homenagem ao Professor Sebastião Trogo. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2008. p.35-59.
POSNER, Richard A. Law and legal theory in the UK and USA. Oxford: Clarendon Press, 1996.

______. Frontiers of legal theory. Cambridge: Harvard University Press, 2001.

______. Para além do direito. Tradução Evandro Ferreira e Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

 PRITCHETT, C. Herman. Division on opinion among Supreme Court Justices. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 319-324.

 RÁO, Vicente. O direito e a vida dos direitos. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

 REALE, Miguel. Lições preliminares de direito. 27. ed. São Paulo: Saraiva 2003.

 RIBEIRO, Juliane Maria Nogueira. As células familiares homoafetivas. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 433-445, 2000.

 RIBEIRO, Paulo de Tarso Ramos. Processo e conflito: a crise de legitimação das decisões judiciais. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 77-94, 1992.

 SANTO TOMÁS DE AQUINO. Tratado de la ley em geral (1-2 q. 90-97). In: Summa Theologica. Versión Fr. Carlos Soría, O. P. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos, MCMLVI. tomo VI, p. 1-202.

 SANTOS, Roberto A. O. A questão Amazônica e o direito: meio ambiente, soberania, dívida externa, desenvolvimento. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 130-151, 1992.

 SCHMIDHAUSER, John R. The backround characteristics of United States Supreme Court Justices. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 206-233.

 SCHUBERT, Glandon. The power of organized minorities in small group. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 465-476.

 ________. A psychological model of supreme court decision-making. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 341-351.

 ________. Prediction from a psychometric model. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 548-587.

 ________. The «packing» of the Michigan Supreme Court. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 273-278.

 ________. The certiorari game. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 415-442.

 SCRUTON, Roger. Duty and the beast: moral conclusions. In: SCRUTON, Roger. Animal rights and wrongs. S.l: Metro, [s.d]. p. 123-133.

 ________. Metaphysics. In: SCRUTON, Roger. Animal rights and wrongs. S.l: Metro, [s.d]. p. 1-26.

 SECCO, Orlando de Almeida. Introdução ao estudo do direito. 11. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

 ________. Introdução ao estudo do direito. 9. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

 SEN, Amartya. The discipline of cost-benefit analysis. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 95-115.

 SICHES, Luis Recaséns. Introducción al estudio del derecho. México: Editorial Porrua S.A, 1970.

 SILVA, Tagore Trajano de Almeida. Capacidade de ser parte dos animais não humanos: repensando os institutos da substituição e representação processual. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 267-296, Janeiro/Dezembro 2009.

 ________. Direito animal e os paradigmas de Thomas Kuhn: reforma ou revolução científica na teoria do direito? Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 239-269, Júlio/Dezembro 2007.

SINGER, Peter. Todos os animais são iguais. In: SINGER, Peter. Escritos sobre uma vida ética. Tradução Pedro Galvão, Maria Teresa Castanheira e Diogo Fernandes. Lisboa: Dom Quixote, 2008. p. 43-72.

 SIQUEIRA JR, Paulo Hamilton. Teoria do direito. São Paulo: Saraiva 2009.

 SNYDER, Eloise. Uncertainty and the Supreme Cout’s decisions. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 181-186.

 SOMIT, Albert; TANENHAUS, Joseph; WILKE, Walter. Aspects of judicial sentencing behavior. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 389-394.

 SOUZA JÚNIOR, José Geraldo de. A crise do golfo: a deriva do direito. Revista de Direito Alternativo. São Paulo, nº 1, p. 176-183, 1992.

 STAMMLER, Rudolf. La genesis del derecho. Traducción W. Roces. Madrid: Calpe, 1925.

 STEPHEN, Frank H. Teoria econômica do direito. Tradução Neusa Vitale. São Paulo: Makron Books do Brasil, [s.d].

 SUÁREZ, Francisco. De legibus: Livro I – Da lei em geral. Tradução Luiz Cerqueira. Lisboa: Tribuna, 2004.

 SUSSMAN, Gilbert. Underhill moore. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 77-83.

 TANENHAUS, Joseph. The application of social science methods to the study of the judicial process. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 530-547.

 TEUBNER, Günher. O direito como sistema autopoiético. Tradução José Engrácia Antunes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

 ________. The two faces of Janus: rethinking legal pluralism. In: TUORI, Bankowsk & Uusitalo (Edit.). Law and power. Liverpool: Deborah Charles Publications, 1997.

 THURSTONE, Louis L; DEGAN, J. W. A factorial study of the supreme court. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 335-340.

 TRIBE, Laurence H. Dez lições que a nossa experiência constitucional pode nos ensinar a respeito do quebra-cabeça dos direitos dos animais: o trabalho de Steven M. Wise. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 55-65, Janeiro/Dezembro 2009.

 ULMER, S. Sidney. Discriminant analysis and an error criterion. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 506-517.

 ________. Homeostasis in the Supreme Court. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 162-180.

 ________. The political party variable in the Michigan Supreme Court. In: SCHUBERT, Glendon (Edit.). Judicial behavior: a reader in theory and research. Chicago: Rand McNally & Company, 1964. p. 279-286.

 VECCHIO, Giorgio Del. Il concetto del diritto. Bologna: Ristampa, 1912.

 ________. Princípios gerais do direito. Tradução Fernando de Bragança. Belo Horizonte: Líder, 2003.

 ________. Mutabilidad y eternidad del derecho. Traducción M. Dana Montaño. Anuário de filosofia del derecho. Madrid, tomo III, nº 4, p. 1-18, 1955.

 VENOSA, Silvio de Salvo. Introdução ao estudo do direito: primeiras linhas. São Paulo: Atlas, 2004.

 VILANOVA, José; MONCADA, L. C.; BRANDÃO, José; LUNDSTEDT, Vilhelm, OLIVECRONA, Karl. El hecho del derecho. Buenos Aires: Editorial Losada S.A, 1956.

 VILLEY, Michel; KALINOWSKI, Georges. La mobilité du droit naturel chez Aristote et Thomas d’Aquin. Archives de Philosophie du droit. Paris, tome 29, p. 187-199, 1984.

 WEI, Song. Tradicional cultura chinesa coloca dificuldade para nova lei de bem-estar animal. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 49-54, jan/dez 2009.

Sociologia, Sociologia do Direito, História e História do Direito

ADONIS, Andrew. Grã-Bretanha: a virtude cívica posta à prova. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 117- 134.

ADORNO, Sérgio; PEDROSO, João. Políticas de controlo e repressão ao tráfico internacional de drogas: estudo comparativo de Brasil e Portugal (1980-1990). In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 219-251.

 AGUIAR, Mônica. A função social da posse do novo Código Civil Brasileiro: breve análise. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 195-200, 2000.

 ALARCÃO, Rui de. Recordando Orlando Gomes. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 15-16, Julho 1982.

 ALONSO, José Antonio. La crisis del sistema judicial. Leviatán/Revista de hechos e ideas. Madrid, nº 81, p.59-86, [s.d].

 ALVES, José Carlos Moreira. Direito Romano. 13. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000, v. I.

 _______. Orlando Gomes e sua obra. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 17-27, Julho 1982.

 AVRITZER, Leonardo. Modelos de deliberação democrática: uma análise do orçamento participativo no Brasil. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 561-597.

 AZEVEDO, Luís Eloy. Perfil do juiz: da modelação à crise de identidade 522. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 293-306.

 BAGANHA, Maria Ioannis. Como distinguir entre mobilização e protesto? Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 54, p. 193-196, Junho 1999.

BARBAS HOMEM, António Pedro. O perfil do juiz na tradição ocidental: Portugal. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 53-70.

 BARBOSA, Mário Figueiredo. Cultor do direito. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 141-146, Julho 1982.

 BASTOS, Carlos Eduardo Caputo. A organização dos tribunais e os juízes. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 339-346.

 BOUISSOU, Jean-Marie. Presentes, redes e clientelas. A corrupção no Japão: um sistema de redistribuição? In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 151-168.

 BRESSON, Jean-Cartier. A economia da corrupção. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 169-188.

 BROOME, John. Cost-benefit analysis and population. In: ADLER, Matthew D; POSNER, Eric A (Edit.). Cost-benefit analysis: legal, economic, and philosophical perspectives. Chicago: The University of Chicago Press, 2001. p. 117-134.

 BUHLUNGÜ, Sakhela. O reinventar da democracia participativa na África do Sul. Tradução Sara Araújo. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 133-170.

 CAENEGEM, R. C. Van. “Oráculos da Lei” ou “Bouche de la loi”: considerações históricas sobre o papel dos juízes. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 35-52.

 CAMPELO, Fernanda Carneiro. Violência no trânsito: a situação brasileira. Caderno de Iniciação Científica. Salvador, nº 01, p. 13-38, 2008.2. (Faculdade Baiana de Direito).

 CANÊDO, Letícia Bicalho. Aprendendo a votar. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 517-543.

CARIA, Telmo H. Da análise do protesto colectivo aos movimentos sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 54, p. 187-192, Junho 1999.

 CARVALHO HOMEM, Armando Luis de. Os oficiais da justiça central régia nos finais da idade média portuguesa (Ca. 1279-ca. 1521). In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 107-120.

 CASTRO, Reginaldo Oscar de. Direito dos pobres/pobres direitos ou novos modelos de solidariedade social? Coimbra, p. 391-398, 1999. (Stvdia Ivridica 40, Colloquia 2).

 CHORÃO, Luís Bigotte. A I República entre a legalidade a excepção: a propósito do “Poder Judicial”. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 203-222.

 COELHO, Nuno. A organização dos tribunais, os juízes e o direito. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 347-402.

 COMTE, Auguste. Catecismo positivista. Tradução Miguel Lemos. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 117-318 (Os Pensadores).

 _______. Curso de filosofia positiva. Tradução José de Artur Giannotti.  2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 1-39. (Os Pensadores).

 _______. Discurso preliminar sobre o conjunto do positivismo. Tradução José de Artur Giannotti. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 95-115. (Os Pensadores).

 _______. Discurso sobre o espírito positivo. Tradução José de Artur Giannotti. 2.ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 41-94. (Os Pensadores).

 CORSI, Giancarlo; ESPOSITO, Elena; BARALDI, Claudio. Glosario sobre la teoría social de Niklas Luhmann. Traducción Miguel Romero Pérez y Carlos Villalobos. México, D. F: Anthropos, 1995.

 COSTA, Hermes Augusto. A europeização do sindicalismo português: entre novos cursos institucionais e velhas práticas sociais. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 19-46.
COSTA, Mário Júlio de Almeida; MARCOS, Rui Manuel de Figueiredo. A primeira república no direito português. Coimbra: Almedina, 2010.

COSTA, Susana. A justiça em laboratório. Revista Critica de ciências sociais. Coimbra, nº 60, p. 171-190, Outubro 2001.

 COULANGES, Fustel de. A cidade antiga: estudo sobre o culto, o direito e as instituições da Grécia e de Roma. Tradução J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

 CRUZ, Guilherme Braga da. A posse de ano e dia no direito hispânico medieval. In: _______. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, 1979. v. I, 1ª parte, p. 259-286.

 _______. Algumas considerações sobre a «Perfiliatio». In: CRUZ, Guilherme Braga da. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, 1979. v. I, 1ª parte, p. 1-80.

 _______. Direito romano vulgar ocidental. In: CRUZ, Guilherme Braga da. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, 1979. v. I, 1ª parte, 1979, p. 317-369.

 _______. O «jurisconsulto» romano. In: CRUZ, Guilherme Braga da. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, v. I, 1ª parte, 1979. 135-258.

 _______. O direito de superfície no direito romano. In: CRUZ, Guilherme Braga da. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, v. I, 1ª parte, 1979. p. 287-316.

 _______. O problema da sucessão dos ascendentes no antigo direito grego. In: CRUZ, Guilherme Braga da. Obras esparsas: estudos de história do direito-direito antigo. Coimbra: Coimbra Editora, v. I, 1ª parte, 1979. p. 81-134.

 DEMANT, Peter. Direito para os excluídos. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 343-383.

DEMO, Pedro. Sociologia: uma introdução crítica. São Paulo: Atlas, 1983.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p.203-245. (Os Pensadores).

 _______. As regras do método sociológico. Tradução Margarida Garrido Esteves.  2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 71-161. (Os Pensadores).

 _______. Da divisão do trabalho social. Tradução Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 1-70. (Os Pensadores).

 _______. O suicídio. Tradução Luz Cary, Margarida Garrido e J. Vasconcelos Esteves. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p.163-202. (Os Pensadores).

 FAJARDO, Elias. Em julgamento: a violência no campo. Petrópolis: Vozes/Instituto Apoio Jurídico Popular/FASE, 1988.

 FERREIRA, António Casimiro. O sistema português de resolução dos conflitos de trabalho: dos modelos paradigmáticos às organizações internacionais. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 103-121.

 FONSECA, Luciano Lobo. Acesso à justiça e morosidade do Judiciário. Caderno de Iniciação Científica. Salvador, Faculdade Baiana de Direito, nº 01, 2008.2, p. 41-80.

 FÔRES JR, Renato G. O milagre chinês e o Brasil: alguns pontos para reflexão. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 133-146, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da família patriarcal. São Paulo: Círculo do Livro, 1980.

 FUJITA, Edmundo Sussumu. Desafios e oportunidades para o Brasil no quadro asiático. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 147-156, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 FULLER, Steve. Multiculturalismo y enseñanza de la ciência. Leviatán/Revista de hechos e ideas. Madrid, nº 81, p.49-58, [s.d]. 

 FUNARI, Pedro Paulo. A cidadania entre os Romanos. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 49- 79.

 FUNDAÇÃO ORLANDO GOMES. Fundação Orlando Gomes: retrospectiva histórica- origens, finalidades e realizações. 2. ed. Salvador: Fundação Orlando Gomes, 2009.

 GIANG, Vu Minh. Renovação no Vietnã: crescimento, integração global e redução da pobreza. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 115-132, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 GIDI, Antonio. História da Faculdade de Direito da Bahia. Salvador: Faculdade de Direito da UFBA, 1991.

 GIL, Pedro Ortego. Condenar ou absolver: entre os juízes de Castela e o iudex communeIn: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 131-164.

 GIORDANO, Alberto. Ética, democrazia e mercato: in margine ad un libro di Brunella Casalini. Materiali per una Storia della Cultura Giuridica. Genova, anno XXXIII, nº 2, p. 561-574, Dicembre 2003.

 GIRÃO, Ferreira. O perfil do juiz na tradição ocidental. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 307-312.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Movimentos sociais e educação. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

_______. Movimentos sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis: Vozes, 2003.

_______. Teorias dos movimentos sociais. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2000.
 GOMES, Flávio dos Santos. Sonhando com a terra, construindo a cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 447- 467.

 GOMES, Mércio Pereira. O caminho brasileiro para a cidadania indígena. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 419- 445.

 GRAES, Isabel. Algumas linhas acerca da magistratura portuguesa no século XIX. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 165-201.

 GUERRA, Isabel. O território como espaço de ação coletiva: paradoxos e possibilidades do “jogo estratégico de atores”no planejamento territorial em Portugal. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 341-372.

 GUSTIN, Miracy B. S. Das necessidades humanas aos direitos: ensaio de sociologia e filosofia do direito. Belo Horizonte: Del Rey, 1999.

 HAMILTON, Carlos D. Manual de história del derecho. 3. ed. Santiago: Editorial Juridica de Chile, 1970.

 HE, Fan. A reforma econômica da China: estratégias, sucessos e desafios. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 33-61, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 HELLER, Patrick; ISAAC, T. M. Thomas. O perfil político e institucional da democracia participativa: lições de Kerala, Índia. Tradução António Calheiros. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 599-645.

 HESPANHA, António Manuel. Justiça e litigiosidade: história e prospectiva. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

 HEYWOOD, Paul. Da Ditadura à democracia: as formas mutáveis da corrupção em Espanha. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 77-93.

 HO, Khai Leong. Modernização, Globalização e reforma do setor publico em Cingapura e na Malásia: uma análise comparativa. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 77- 114, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 HONG, Sung-Chick. Modernização e industrialização na Coréia. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 63-75, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 HOONAERT, Eduardo. As comunidades cristãs dos primeiros séculos. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 81-95.

 JUSTINIANUS, Flavius Petrus Sabbatius. Institutas do Imperador Justiniano. Tradução J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

 JUSTO, A. Santos. Nótulas de história do pensamento jurídico (História do direito). Coimbra: Coimbra Editora, 2005.

 _______. O Código de Napoleão e o Direito Ibero-Americano. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, v. LXXI, p. 27-96, 1995.

 _______. A administração da justiça do direito romano. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 71-94.

 _______. Propriedade no direito romano: alguns reflexos nos direitos português e brasileiro. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 75-101, Julho 1982.

 KARNAL, Leandro. Estados Unidos, liberdade e cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 135-157.

 LACASTA, Nuno; CAVALHEIRO, Gonçalo. Um novo clima? Portugal e as negociações internacionais sobre alterações climáticas. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 303-333.

LAKATOS, Eva Maria. Sociologia geral. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1979.


LARAÑA, Enrique. La construcción de los movimientos sociales. Madrid: Alianza Editorial, 1999.
 LEAL, Laura García. Crisis de la administración de justicia y la justicia alternativa. Frónesis. Maracaíbo, v. 7, nº 3, p. 88-114, Diciembre 2000.

 LEVAI, Laerte Fernando; SOUZA, Verônica Martins de. Memórias de sangue: a história da caça à baleia no litoral Paraibano Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 213-236, Janeiro/Dezembro 2009.

 LOPES, José Reinaldo de Lima. O direito na história: lições introdutórias. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

 LUCA, Tânia Regina de. Direitos sociais no Brasil. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 469-493.

LUHMANN, Nicklas. Introducción a la teoria de sistemas. Publicacción Javier Torres Nafarrate. México, D.F: Anthropos, 1996.

 MAFFI, Alberto. Legislazione e giurisdizione nel diritto grego e romano. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 231-238.

 MANTAS, Vasco. As vias de comunicação na Europa romana. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 169-202.

 MARÇAL, João. O movimento dos consumidores: entre desafios transnacionais e oportunidades locais. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 51-74.

 MARCHESINI, Pablo Oliveira. Exploração do trabalho infantil. Caderno de Iniciação Científica. Salvador, Faculdade Baiana de Direito, nº 01, 2008.2, p. 83-103.

 MARCONDES, Marleine Paula; TOLEDO, Ferreira de. O direito Romano e seu contributo para a construção da Europa. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 239-254.

 MARCOS, Rui de Figueiredo. A administração visigótica revisada. Coimbra: Coimbra Editora, 2006. p. 681-706. (Estudos em Honra de Ruy de Albuquerque).

_______. Apontamento histórico sobre a aquisição de acções próprias em Portugal: da fantasia prática à magia do legislador. Coimbra: Coimbra Editora, 2003. p. 263-287. (Estudos em Homenagem ao Prof. Doutor Raúl Ventura).

 _______. A Conservatória das Companhias Setecentistas Portuguesas. Lisboa:  [s.n], 2004. p. 285-312. (I Jornadas de História do Direito Hispânico).

_______. História da Administração Pública: relatório sobre o programa, o conteúdo e os métodos de ensino. Coimbra: Almedina, 2006.

_______. O «Ius Politiae» e o comércio: a idade publicista do direito comercial. Coimbra, Ad Honorem-1, p. 655-684. ([Stvdia Ivridica 61).

_______. O modo setecentista de julgar em Portugal: uma reflexão em torno do valor dos precedentes judiciais no passado e no presente. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 121-130.

 _______. Palavras proferidas em representação da Faculdade de Direito de Coimbra, na inauguração da estátua em homenagem ao Professora Doutor Álvaro da Costa Machado Villela, na Praça de Santo António, em Vila Verde, ocorrida no âmbito das comemorações do dia do Concelho de Vila Verde, que se celebrou em 24 de Outubro de 2001. Boletim da Faculdade de Direito. Coimbra, vol. LXXVII, p. 937-944, 2001.

 _______. Réflexions sur la compréhension actuelle de l’histoire du droit. [s.l]: [s.n], 2006.

 _______. Traços da legislação penal pombalina. Coimbra: Coimbra Editora, 2001. p. 241-257. (Estudos em Homenagem a Cunha Rodrigues, II).

_______. The Coimbra Faculty of Law in Retrospect. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015. 

 MARQUES, Maria Manuel Leitão. A desnacionalização da Constituição económica. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 255-277.

 MARTINS, António. A sociedade portuguesa quer a independência dos seus juízes? In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 313-322.

 MAYER, Marc. Constantino El Grande: desconstrucción y construcción de un império. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005. v. III, p. 204-230.

 MÉDARD, Jean-François. França-África: assuntos de família. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 31- 45.

 MENDES, Azevedo. A organização dos tribunais e os juízes. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 415-424.

 MENDRAS, Marie. A Rússia: administrações sem fé nem lei. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 135-149.

 MÉNY, Yves. França: o fim da ética republicana. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 15-30.

 MINAHIM, Maria Auxiliadora. Imagem cubo-analítica de Raul Chaves. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, vol. 7, nº 10, p. 35-39, 2000.

 MIRANDA JR., Joaquim José. O rebaixamento da idade penal: solução falaciosa para a criminalidade juvenil. Revista da Faculdade de Direito de Conselheiro Lafaiete. Conselheiro Lafaiete, ano 2, nº 3, p. 51-54, novembro 2003.

 MIRANDA, Jorge. O perfil do juiz nas constituições democráticas. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 271-280.

 MONDAINI, Marco. O respeito aos direitos dos indivíduos. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 115-133.

 MORAES, Maria Lygia Quartim de. Cidadania no feminino. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 495-515.

 MORISSAWA, Mitsue. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

 MOURA, José Barata. Que fazer com a mentira? In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 223-242.

 NASCIMENTO, Luis António Noronha. Discurso de abertura do Seminário Internacional ‘O perfil do juiz na tradição ocidental’. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p.13-20.

 NASCIMENTO, Walter Vieira do. Lições de história do direito. 15. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

 NAVES, Rubens. Novas possibilidades para o exercício da cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 563-583.

 NOGUEIRA, José Artur Duarte. O perfil do juiz na tradição européia Portugal nos seus primórdios. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 95-106.

 NOLASCO, Carlos. O desportivismo institucional do desporto. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 281-301.

 NUNES, João Arriscado; SERRA, Nuno. “Casas decentes para o povo”: movimentos urbanos e emancipação em Portugal. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 255-293.

 NUNNENKAMP, Peter. Porque o desempenho econômico e a competitividade internacional deferem tanto entre a América Latina e a Ásia. Cadernos Adenauer. Rio de Janeiro, ano IV, nº 4, p. 13-31, 2003. (Experiências asiáticas: modelo para o Brasil?).

 ODALIA, Nilo. A liberdade como meta coletiva. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 159-169.

 OSÓRIO, Conceição. Poder político e protagonismo feminino em Moçambique. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 419-451.

 PACCIOLA, S. Corso di Ius commune. Roma: [s.n], Anno Accademico 1999-2000, 1999.

 PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Orlando Gomes, mestre do porvir. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 147-156, Julho 1982.

 PAOLI, Maria Célia. Empresas e responsabilidade social: os enredamentos da cidadania no Brasil: In: SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 373-418.

 PARAMIO, Ludolfo. Democracia y ciudadanía en el tiempo de los medios audiovisuales. Leviatán/Revista de hechos e ideas. Madrid, nº 81, p.19-34, [s.d].

 PEDROSO, João. O comércio internacional e a pluralidade de ordens jurídicas: Lex mercatoria, contratos de Estado e arbitragem comercial transnacional. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 75-101.

 PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Igualdade e especificidade. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 265-309.

 PORTA, Donatella Della. Os círculos viciosos da corrupção. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 47-57.

 PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Conclusão: democracia e corrupção: para uma análise comparada. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 189-197.

 _______. Introdução: democracia e corrupção. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 9-14.

 POSSAS Cristina. Estado, movimentos sociais e reformas na América latina: uma reflexão sobre a crise contemporânea. Revista Critica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 35, p. 77-93, junho 1992.

 PRIMUS, Líber. Digesto de Justiniano: introdução ao direito romano. Tradução [Bilingüe latim/português] Hélcio Maciel França. 3. ed. São Paulo: RT, 2002.

 PUREZA, José Manuel. Portugal e o novo internacionalismo: o caso da comissão mundial independente para os Oceanos. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 337-354.

 QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Movimentos messiânicos primitivos e na civilização ocidental. In: QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O messianismo no Brasil e no mundo. São Paulo: Domus Editora, [s.d]. p. 1-135.

 RAMÍREZ, María Clemencia. A política do reconhecimento e da cidadania no Putumayo e na Baixa Bota Caucana: o caso do movimento cocalero de 1996. Tradução Manuel del Pino. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 171-215.
RAMOS, Luiz Felipe Rosa; FILHO, Osny da Silva. Para entender Orlando Gomes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

 RIBEIRO, Helena Mesquita. Organização dos tribunais e juízes. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 403-414.

 RIBEIRO, Wagner Costa. Em busca da qualidade de vida. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 399-417.

ROCHA, Julio Cesar de Sá. Faculdade de Direito da Bahia: processo histórico e agentes de criação da Faculdade Livre no final do século XIX. Salvador: Fundação Faculdade de Direito da Bahia, 2015. (Série Memória Histórica do Direito, 1).

 ROCHA, Maria Elisabeth Guimarães Teixeira. A independência do poder judiciário e o estado dos magistrados na Constituição Brasileira de 1988. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 323-338.

 RODRIGUES, Conde. Discurso de encerramento do Seminário Internacional ‘O perfil do juiz na tradição ocidental’, Lisboa, Instituto de História do Direito e do Pensamento Político da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa/ Conselho Superior de Magistratura. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 425. 428.

 RODRIGUES, Cunha. O perfil profissional do juiz na Constituição da República de 1976. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 281-292.

 RODRÍGUEZ, María Elena Simón. La democracia vital. Leviatán/Revista de hechos e ideas. Madrid, nº 81, p. 35-48, [s.d].

 ROLIM, Luiz Antonio. Instituições de direito romano. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

 ROMITA, Arion Sayão. A natureza jurídica da convenção coletiva de trabalho, segundo Orlando Gomes: significado atual. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 65-73, Julho 1982.

 ROSETA, Helena. Comentário à Sessão «Cidadania activa, movimentos sociais e democracia participativa». Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 54, p. 181-185, Junho 1999.

RUIVO, Fernando. Introdução ao Painel «Cidadania activa, movimentos sociais e democracia participativa». Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, nº 54, p. 173-179, Junho 1999.

 SADER, Emir. Para outras democracias. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 649-678.

 SANTANA, Fernando. Raul Chaves, Emérito. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 27-33, 2000.

 SANTOS, Boaventura de Sousa. Direito e democracia: a reforma global da justiça. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 125-174.

 _______. O discurso e o poder: ensaio sobre a sociologia da retórica jurídica. Coimbra: Coimbra Editora, 1980.

 _______. Orçamento participativo em Porto Alegre: para uma democracia redistributiva. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 455- 559.

 _______. Os processos da globalização. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Edições Afrontamento, [s.d]. p. 31-106.

 SANTOS, Boaventura de Sousa; AVRITZER, Leonardo. Para ampliar o cânone democrático. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 39-82.
SAPELLI, Giulio. La cooperazione: impresa e movimento sociale. Roma: Edizioni Lavoro, 1998.

 SEIBEL, Wolfgang. A corrupção na Alemanha. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 95-116.

SHETH, D. L. Micromovimentos na Índia: para uma nova política de democracia participativa. Tradução Victor Ferreira. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 85-131.

 SILVA, Nuno J. Espinosa Gomes da. Bártolo na história do direito português. Revista da Faculdade de direito da Universidade de Lisboa. Lisboa, v. XII, p. 177-219.
SILVA, Sebastião Santos. História de Urandi – Bahia. Espinosa: Dejan Gráfica e Editora Ltda, 2011.

 SINGER, Paul. A cidadania para todos. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003, p. 191-263.

 SPINK, Peter; CLEMENTE, Roberta. (Orgs.). 20 experiências de gestão pública e cidadania. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

 STOLLEIS, Michael. O perfil do juiz na tradição européia. In: BARBAS HOMEM, António Pedro et alii (Coord.). O perfil do juiz na tradição ocidental. Almedina: Coimbra, 2007. p. 21-34.

 TRINDADE, Washington Luiz da. O valor revolucionário da obra de Orlando Gomes. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 119-122, Julho 1982.

 TRUYOL Y SERRA, Antonio. Historia del derecho internacional público. Versión Paloma Garcia Picazo. Madrid: Tecnos, 1998.

 UPRIMNY, Rodrigo; GARCÍA-VILLEGAS, Mauricio. Tribunal constitucional e emancipação social na Colômbia. Tradução Manuel del Pino. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 297-339.

URIBE DE H, María Teresa. Emancipação social em um contexto de guerra prolongada: o caso da Comunidade de Paz de San José de Apartadó, Colômbia. Tradução Manuel del pinto. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar e democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 217-253.

 VANNUCCI, Alberto. Padrinhos e políticos: máfia e corrupção em Itália. In: PORTA, Donatella Della; MÉNY, Yves. Democracia e corrupção na Europa. Tradução Luís Serrão. Mem Martins: Inquérito, 1995. p. 59-75.

 VARELA, João de Matos Antunes. Perfil do autor (Orlando Gomes). Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 29-42, Julho 1982.

 VILLEGAS, Mauricio García; RODRÍGUEZ, César. Justiça em sociedades semiperiféricas: os casos de Portugal e da Colômbia. In: PUREZA, José Manuel; FERREIRA, António Casimiro (Orgs.). A teia global: movimentos sociais e instituições. Porto: Edições Afrontamento, 2001. p. 177-217.

 WALDMAN, Maurício. Natureza e sociedade como espaço de cidadania. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 545-559.

 WEBER, Max. Conceitos sociológicos fundamentais. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2009.

 _______. Economía y Derecho (Sociologia del Derecho). In: WEBER, Max. Economia y Sociedad: esbozo de sociología comprensiva. Traducción José Medina Echavarría et alii. México/Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 1944.

 WOLKMER, Antônio Carlos. História do Direito no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

ZERON, Carlos. A cidadania em Florença e Salamanca. In: PINSKY, Jaime; PINSKY, Carla Bassanezi (Orgs.). História da cidadania. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2003. p. 97-113.

Antropologia, Antropologia Filosófica e Antropologia Jurídica

CARVALHO, Adalberto Dias de. A contemporaneidade como utopia. Porto: Afrontamento, 2000.

 DARWIN, Charles. A origem das espécies. Tradução John Green. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2010.

 FROMM, Erich. O dogma de cristo. Tradução: Waltensir Dutra. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GALIANO, Manuel F.; ADRADOS, Francisco R.; VEGA, José S. Lasso de la. El concepto del hombre en la antigua Grécia: tres conferencias. Madrid: Sección de Filología Clásica de la Facultad de Filosofia y Letras da Universidad de Madrid, 1955.

 LESTEL, Dominique. As origens animais da cultura. Tradução Maria João Batalha Reis. Lisboa: Piaget, 2001.

 LUMSDEN, Charles; WILSON, Edward. O fogo de prometeu: reflexões sobre a origem do espírito. Tradução Carlos Henrique de Jesus e Carlos Henriques de Jesus. Lisboa: Gradiva, 1987.

 MCLUHAN, Marshall. A Galáxia de Gutenberg. Tradução Leônidas Gontijo. São Paulo: Editora Nacional, 1977.
LINTON, Ralph. O homem: uma introdução à antropologia. Tradução Lavínia Vilela. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

 TAVARES, A. Augusto. As civilizações pré-clássicas: guia de estudo. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1987

Dogmática Jurídica

ALMEIDA, Juliana Evangelista de. A boa-fé no direito obrigacional. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, 359-373, Julho/Dezembro 2009.

 ANDRADE, Danilo Ferreira. Aplicação analógica no processo penal: algumas hipóteses de invocação de dispositivos do CPC. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, vol. 7, nº 10, p. 341-358, 2000.

 ARAÚJO, Fábio Roque da Silva. Origem do direito penal ambiental e suas peculiaridades na legislação brasileira. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 21-40, Janeiro/Junho 2009.

 _______. Aplicação da pena: circunstâncias judiciais e direito penal do autor. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, 125-132, 2011.

 _______. O artigo 229 do código penal: um estudo à luz da tipicidade penal. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 261-273, 2009.

 _______. O princípio da proporcionalidade referido ao legislador penal. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2011.

 ARAÚJO, Luis Ivani de Amorim. Curso de direito internacional público. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

 ASSEMBLÉIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Programa de Acção Mundial para os Deficientes. Revista Portuguesa de Pedagogia, ano XXII, p. 415-442, 1988. (Tradução e Adaptação J. A. Zagalo Cardoso, Luis Mendes de Almeida e António Silva Marques).

 AYRES, Tiago. A boa-fé objetiva como conteúdo do princípio da moralidade administrativa. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 459-469, Julho/Dezembro 2009.

 AZEVÊDO, Bernardo Montalvão Varjão de. Do assistente de acusação: o (des)assistido pela Constituição. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 267-303, Janeiro/Junho 2009.

 BANDEIRA, Thaís. Dos crimes contra a dignidade sexual: mudança de paradigmas e o advento da lei 12.015/2009. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 445-458, 2011.

 _______. Os enfoques e as repercussões penais da utilização de aparelhos celulares no sistema prisional. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 393-409, 2010.

 BANDEIRA, Thaís. Lavagem de capitais: (dis)funções político-sociais no seu combate. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2001.

 BANDEIRA, Thaís; PORTUGAL, Daniela. Da liberdade provisória nos crimes de tráfico de entorpecentesTeses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 231-248, 2009.

_______. O princípio da legalidade e a proteção da ordem econômica. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 139-168, Janeiro/Junho 2009.

BARBOSA, Camilo de Lelis Caloni. Aspectos jurídicos da desapropriação das terras ocupadas pelos remanescentes das comunidades quilombolas. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 27-38, 2011.

BARBOZA, Leandro Pereira. Transação penal: natureza jurídica e aplicação na ação penal privada. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 499-514, 2000.

BARREIROS, Lorena Miranda Santos. Deveres de cooperação processual à luz das jurisprudências brasileira e portuguesa. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 353-373, 2010.

 BARRETO, Rafael. Constituição e poder político. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 141-152, 2000.

 BASTOS, Antonio Adonias A. O incidente de resolução de causas repetitivas no projeto do novo CPC. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 15-25, 2011.

 _______. O reconhecimento da dívida e a sua satisfação em prestações na execução civil. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 373-392, 2009.

 _______. A razoável duração do processo. Salvador: Juspodivm/ Faculdade Baiana de Direito, 2009.

 BIANCHINI, Alice. Aspectos subjetivos da sentença penal. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 189-207, Janeiro/Junho 2009.

 BORGES, Daniela Lima de Andrade. A tributação como mecanismo para efetivação dos objetivos traçados pela Constituição Federal de 1988. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 77-96, 2011.

 BORGES, Roxana. Direitos de personalidade e dignidade: da responsabilidade civil para a responsabilidade constitucional. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 103-132, 2006.

 BORGES, Thiago Carvalho. A crise da ONU e seu papel na (des)fragmentação do direito internacional. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 459-472, 2011.

 _______. A imaterialização da propriedade privada: entre a função social do crédito e a regulação dos mercados financeiros. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 353-392, 2009. 

 _______. Danos punitivos: hipóteses de aplicação no direito brasileiro. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 433-453, 2010.

 _______. O Direito dos Contratos na União Européia: política de harmonização. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2009.

 _______. Boa-fé nos contratos: entre a fonte e a solução do caso concreto. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 125-159, Julho/Dezembro 2009.

 BRAGA, Paula Sarno. O STF e o julgamento do recurso extraordinário nº 495740. Antecipação dos efeitos da tutela de obrigação pecuniária contra a fazenda pública e com o uso do poder geral de efetivação (Art. 461, CPC). Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 407-423, 2009.

 BRANDÃO, Cláudio. Despedida sem justa causa do empregado: princípios constitucionais como limitadores ao direito do empregador. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 57-76, 2011.

 BRITO, Andréa Carvalho de. A função restritiva do princípio da boa-fé objetiva: uma limitação ao exercício regular dos direitos subjetivos. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 163-179, Julho/Dezembro 2009.

 BRITO, Edivaldo. Perda da propriedade para o Estado. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 123-140, Julho 1982.

 CABRAL, Antonio do Passo. O contraditório como dever e a boa-fé processual objetiva. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 181-208, Julho/Dezembro 2009.

 CAMPOS, Diogo Leite de. O direito da família: relações de associação. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 43-63, Julho 1982.

 CANOTILHO, José Joaquim Gomes. O círculo e a linha: da «liberdade dos antigos» à «liberdade dos modernos» na teoria republicana dos direitos fundamentais. Revista de Historia das Idéias. Coimbra, nº 9, v. III, p. 733-758, 1987.

 CARNEIRO, Hélio Márcio Lopes. Análise da responsabilidade dos sites nacionais de leilão virtual pela finalização da venda. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 383-401, 2000.

 CAYMMI, Pedro Leonardo Summers. Recusa de certidão negativa de débitos fiscais pelo descumprimento de obrigação acessória. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 29-49, 2010.

 CERQUEIRA, Társis Silva de. O que é o processo? Uma proposta de análise a partir de sua estrutura dialógica. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 421-443, 2011.

 CERQUEIRA, Vinicius da Silva. Flexibilização trabalhista – O avanço do capital contra as conquistas dos trabalhadores. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 553-567, 2000.

 CERVINI, Raúl. Alternativas para uma adequada compresión y tipificación de la criminalidad económico-financeira que anida en la actual crisis global de los mercados. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 507-551, Janeiro/Junho 2009.

 CESANO, José Daniel. La imputación penal em el ámbito de la empresa y las estructuras omisivas: bases para su análisis. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, 477-506, Janeiro/Junho  2009.

 CHAVES, Raul. A usucapião e o crime. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 41-57, 2000.

 CHEHAB, Gustavo Carvalho. Interpretação constitucional e ativismo judicial. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 111-127, Janeiro/Junho  2010.

 CORDEIRO, Alexandre Régis. Teorias legitimadoras da pena como critério inicial da atividade judicial de individualização. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 171-187, Janeiro/Junho  2009.

 COSTA, Alfredo de Araújo Lopes da. Direito Processual Civil Brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense,1959. v. I.

 CRUZ, Gabriel Dias Marques da. Arguição de descumprimento de preconceito de preceito fundamental: uma nova proposta. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 51-70, 2010.

 CUNHA JÚNIOR, Dirley da. A juridicialização da política, a politização da justiça e o papel do juiz no Estado constitucional social e democrático de direito. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 15-28, 2010.

 _______. Ativismo e concretização dos direitos fundamentais. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 23-38, Janeiro/Junho  2010.

 _______. Breves anotações sobre a doutrina constitucionalista de efetividade constitucional e o controle judicial das omissões do Estado. A virada hermenêutico-constitucional e o desbloqueio da Constituição. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 97-105, 2011.

 _______. Balanço crítico da jurisdição constitucional brasileira: um contraponto entre os modelos difuso e concentrado. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 17-35, 2009.

 DANTAS, Miguel Calmon. Bem jurídico-penal no Estado constitucional. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 89-116, Janeiro/Junho  2009.

 _______. Entre a liberdade e as liberdades: contornos constitucionais das manifestações públicas. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 41- 74, 2009.

 _______. O tempo da expansão do possível: solidariedade dirigente a reserva orçamentária. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 317-372, 2011.

 _______. Poderes separados ou concentrados: novos sentidos da vetusta separação de poderes. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 119-142, 2010.

 DIDIER JR, Fredie. Notas sobre a aplicação da teoria do adimplemento substancial no direito processual civil brasileiro. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 37-40, 2009.
_______. Curso de direito processual civil. 17. ed. Salvador: Juspodivm, 2015. v. 1.

 _______. Os três modelos de direito processual: inquisitivo, dispositivo e cooperativo. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 133-144, 2011.         

_______. Subsídios para uma teoria das impenhorabilidades. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 375-391, 2010.

 _______. Competência para a execução de título executivo social. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, vol. 7, nº 10, p. 207-217, 2000.

 _______. A confissão no Código Civil 2002 e suas repercussões no Código Processo Civil 1973. In: MATTA, Alfredo Eurico Rodrigues et alli (Orgs). Educação, cultura e direito: coletânea em homenagem a Edivaldo M. Boaventura. Salvador: EDUFBA, 2005. p. 759-769.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 25. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

 DOWER, Nélson Godoy Brasil. Curso básico de direito civil. 2. ed. São Paulo: Nelpa Edições, 1996. v. I.

 

EHRHARDT JÚNIOR, Marcos. Deveres gerais da conduta nas obrigações civis: breves notas sobre o princípio da boa-fé objetiva e sua influência nas relações contratuais. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 375-385, Julho/Dezembro 2009.

 FAGUNDES, Cristiane Druve Tavares. Ativismo judicial e sua seara de aplicação no Direito Brasileiro. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 81-110, Janeiro/Junho  2010.

FARIAS Cristiano Chaves de. A aplicação do abuso do direito nas relações de família: o venire contra factum proprium e a supressio/surrectioTeses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 143-160, 2010.

 _______. Responsabilidade civil dos shoppings centers por danos causados em seus estacionamentos: um brado contra a indevida informação à luz dos efeitos anexos à boa-fé objetiva. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 23-41, Julho/Dezembro 2009.

 FERRAZ, Ricardo de Barros Falcão. O ativismo judicial na (des)personalização dos ordenamentos jurídicos. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 217-224, Janeiro/Junho  2010.

 FIGUEIREDO, Luciano L. A (im)possibilidade da prisão civil do infiel depositário. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 215-233, 2010.

 _______. As relações extraconjugais e o terceiro de boa fé: união estável putativa e concubinato consentido. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, 329-352, 2009.

 _______. A função social das patentes de medicamentos: quebra de patentes e políticas públicas. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2009.

 FIGUEIREDO, Luciano L; MASCARENHAS, Ana Carolina F. A autonomia privada nas relações familiares: o cerceamento do direito ao namoro. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 227-253, 2011.

 FILHO, Fernando Tourinho. O questionário no plenário do júri. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 339-353, Janeiro/Junho  2009.

 FILHO, João Glicério de Oliveira. Conteúdo jurídico do principio constitucional da liberdade de iniciativa econômica. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 195-208, 2011.

 FILHO, João Glicério de Oliveira; NETO, Abelardo Sampaio Lopes.  A institucionalidade da vedação. A formação de sociedade marital pelo Código Civil Brasileiro (Art. 977, CCB/2002). Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 313-328, 2009.

 FILHO, José dos Santos Carvalho. “Personalidade judiciária de órgãos públicos”. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, vol. 7, nº 10, p. 293-301, 2000.
FILHO, Marçal Justen. Curso de direito administrativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

 FÖPPEL, Gamil. Teoria geral do concurso de crimes. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 153-171, 2000.

 FÖPPEL, Gamil; FERRARI, Renata. Da impossibilidade de deflagração de investigação criminal exclusivamente a partir de “denúncia” anônima: uma análise à luz da constituição. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 469-484, 2010.

FÖPPEL, Gamil; LUZ, Ilana Martins. Novas tendências da tipicidade moderna: a tipicidade garantista. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 275-301, 2009.
 FÖPPEL, Gamil; GOMES, Adriano Figueiredo de Sousa. A (i)legitimidade do direito penal para disciplinar a figura do Insider TradingTeses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 145-179, 2011.

 _______. Liberdade de informação jornalística: uma abordagem referente à (in)dignidade humana da pessoa algemada. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, 41-88, Janeiro/Junho  2009.

 FRANÇA, Wilson Chaves de. O poder da Justiça do Trabalho na solução dos dissídios coletivos após a emenda constitucional 45/2004. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, vol. 7, nº 10, p. 581-598, 2000.

 GABURRI, Fernando. Da lei 8.245/91 e a natureza jurídica dos contratos de cessão de uso de espaço em shoping centersRevista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v.  7, nº 10, p. 219-228, 2000.
GAGLIANO, Pablo Stolze; FILHO, Rodolfo Pamplona. Novo curso de direito civil: parte geral. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. v. 1.

 GALLO, Daniel de Araújo. A boa-fé objetiva do legitimado ativo coletivo como critério avaliador da representação adequada. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 209-233, Julho/Dezembro 2009.

GÁLVEZ, Juan F. Monroy. Y al final del día, ¿qué es el garantismo en el proceso civil? Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 227-246, Janeiro/Junho  2010.

 GAUDENZI, Leonardo Sergio Pontes. A excessiva legitiosidade do estado e o acesso à justiça- uma análise à luz dos princípios. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 209-226, 2011.

 GAUDENZI, Patrícia Bressan Linhares. A inclusão de tributos na base de cálculo de outros tributos: limites constitucionais à tribulação. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 99-117, 2010.

 GOMES, Geder Luiz Rocha. O conflito entre a defesa social e o respeito às garantias fundamentais. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 355-385, Janeiro/Junho  2009.

 GOMES, Luiz Flávio. Teoria constitucionalista do delito. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 397-410, Janeiro/Junho  2009.

 GOMES, Matheus Barreto. Precedentes vinculantes como instrumentos de efetivação do direito fundamental ao tratamento isonômico. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 269-300, 2011.

 GOMES, Roberto de Almeida Borges. A inicial acusatória no processo penal em face da pessoa jurídica: uma analise crítica da posição do STJ. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 455- 468, 2010.
GOMES, Orlando. Direitos reais. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1995.

______. Direito de família. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1993.
GONZALEZ, Tânia Diaz. El derecho a la educacion. Pamplona: Ediciones Universidad de Navarra, 1973.

GRAÇA, Cristina Seixas. As oportunidades de diálogo entre os saberes do direito ambiental e da produção limpa rumo ao desenvolvimento sustentável. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 71-97, 2010.

 GRAU, Eros. Habeas Corpus 84.078-7. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 555-566, Janeiro/Junho  2009.

HUPSEL, Francisco. Autonomia privada na dimensão civil-constitucional. Salvador, Juspodivm, 2016.

 JORDÃO, Eduardo Ferreira. O abuso de direito como ilicitude cometida sob aparente proteção jurídica. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 255-292, Julho/Dezembro 2009.

 KRUSCHEWSKY, Eugênio. Por uma nova responsabilidade civil na área de saúde: uma crítica ao regime reservado às atividades com células tronco. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 185-213, 2010.

 LIMA, André Canuto de F. A proporcionalidade e o núcleo essencial dos direitos fundamentais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 403-411, 2000.

 LIMA, Fernando Bezerra de Oliveira. Habeas Corpus para animais: admissibilidade do HC “Suíça”. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, v. 2, nº 2, p. 155-192, Julho/Dezembro 2007.

 LOPES JR., Aury; DI GESU, Cristina Carla. Falsas memórias e prova testemunhal no processo penal: em busca da redução de danos. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 255-266, Janeiro/Junho  2009.

 LOPES, Fernanda Ravazzano A. O circuito do terror – uma análise comparativa entre a política criminal italiana e a brasileira: o direito penal da exceção. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 637-659, 2000.

 LOPES, Levindo Ferreira; LOPES, Américo Ferreira. Inventários e partilhas. 3. ed. Rio de Janeiro: Jacintho Ribeiro dos Santos Editor, 1918.

 LOURENÇO, Daniel Braga. Federalismo e repartição da competência legislativa ambiental no Brasil. Revista Brasileira de Direito Animal/Brazilian Animal Rights Review. Salvador, ano 4, nº 5, p. 237- 251, Janeiro/Dezembro 2009.

 MACHADO, Clara Cardoso. Limites ao ativismo judicial à luz do constitucionalismo fraterno. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 53-80, Janeiro/Junho 2010.

 MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. Direito Constitucional. Belo Horizonte: Mandamentos, 2002. tomo II.

 MARTINS, Carlos Eduardo Behrmann Rátis. Direito à educação de qualidade. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 129-181, 2009.

 MARTINS-COSTA, Judith. Autonomia privada, confiança e boa-fé: princípios informadores da relação obrigacional. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 319-357, Julho/Dezembro 2009.

MARQUES, José Frederico. Instituições de direito processual civil. Rio de Janeiro: Forense, 1958. v. 1.

 MATTOS, Liana Portilho (Org.). Estatuto da Cidade Comentado. Belo Horizonte: Mandamentos, 2002.

 MELLO, Renata Rapold. O princípio da boa-fé objetiva. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 387-393, Julho/Dezembro 2009.

 MELLO, Sebástian Borges de Albuquerque. O novo enquadramento jurídico do “seqüestro-relâmpago” em face da lei 11.923/2009. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 249-259, 2009.

 _______. Aspectos polêmicos do delito de exploração de prestígio. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 405-419, 2011.

 MINAHIM, Maria Auxiliadora. Bem jurídico nos crimes tributários. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 411-423, Janeiro/Junho 2009.

 _______. Direito penal e biotecnologia: o tratamento jurídico-penal da vida e da morte. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 175-194, 2006.

 MIONO, Marcos Luis Brito. A relação administração pública-administrado em crime. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 534-552, 2000.

MIRANDA, Pontes de. Comentários à Constituição de 1967. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1967. tomos I, II, III e IV.

_______. Comentários à Constituição de 1967. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1968. tomos V, VI.

 MORAES, Ezequiel; BERNARDINO, Diogo. Constituição de garantia real no mútuo bancário: excesso e abuso do direito. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 293-317, Julho/Dezembro 2009.

 MORAIS, José Luis Bolzan de; AGRA, Walber de Moura. A jurisprudencialização da Constituição e a densificação da legitimidade da jurisdição constitucional. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 129-151, Janeiro/Junho 2010.

 MOREIRA, Rômulo de Andrade. O mais recente entendimento do Supremo Tribunal Federal e a investigação criminal pelo Ministério Público. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 425-441, Janeiro/Junho 2009.

 NETO, Jaime Barreiros. A adoção do sistema eleitoral proporcional de listas fechadas no Brasil: uma abordagem crítica. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 197-230, 2009.

 _______. Breves considerações sobre os limites da liberdade de expressão nas campanhas eleitorais. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 181-194, 2011.

 

_______. Fidelidade partidária. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, 2009.

 _______. Ponderação de interesses e meio ambiente no direito brasileiro. Salvador: Juspodivm/Faculdade Baiana de Direito, [s.d].

 NETO, Manoel Jorge e Silva. Proteção constitucional à liberdade religiosa. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

______. Constituição e redistribuição de processos na Justiça do Trabalho. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 235-248, 2000.

 NETO, Nestor Nérton Fernandes Távora; ALENCAR, Rosmar Antonni Rodrigues Cavalcanti de. Método, (In)certeza e decisão penal contraditória. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 117-138, Janeiro/Junho 2009.

 NEVES, André Luiz Batista. Asilo, refúgio e o caso Battisti. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 75-86, 2009.

 NOGUEIRA, Johnson Barbosa. Lei complementar tributária: funções e hierarquia. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 173-83, 2000.

 OLIVEIRA, Adriana Reis de Sá. A omissão de socorro e a responsabilidade médica. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 531-541, 2000.

 OLIVEIRA, Álvaro Sócrates Anjos et alli. Prescrição retroativa antecipada: aceitabilidade entre os promotores de justiça com atribuições criminais da Comarca de Salvador/BA. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 413-431, 2000.

 OLIVEIRA, Antonio Carlos. Revista pessoal de empregado: intimidade x propriedade. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 309-327, 2010.

 OLIVEIRA, Elayne Leal de. O acesso à justiça, juizados especiais e efetividade. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 327-338, Janeiro/Junho 2009.

 PAIXÃO JÚNIOR, Manuel Galdino da. Teoria Geral do Processo. Belo Horizonte: Del Rey, 2002.

 PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Noções conceituais sobre o assédio moral na relação de emprego. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 329-351, 2010.

 PAMPLONA FILHO, Rodolfo; ARAÙJO, Ana Thereza Meirelles. Tutela jurídica do nascituro à luz da Constituição Federal. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 249-264, 2000.

 PEREIRA, Antônio Bernardo dos Santos. A guerra e o direito: evolução, normatização e efetividade. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v.  7, nº 10, p. 515-529, 2000.

PEREIRA, Marlene de Paula. Ativismo judicial e direito à cidade: em busca de um espaço urbano mais democrático. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 193-215, Janeiro/Junho 2010.

 PERIANDRO, Fábio. Direito constitucional da ordem econômica brasileira: ainda a questão do tabelamento de juros, em face da inconstitucionalidade da RC nº 40/03 Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 303-338, 2000.

 ______. Aplicação concreta dos princípios constitucionais pelo STJ e pelo STF: acertos e desacertos. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 105-128, 2009.

 _______. O bloco de constitucionalidade brasileiro: afirmação e evolução. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 235-270, 2010.

 _______. Uma proposta de mudança no formato da assunção aos cargos em tribunais no Brasil. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 107-124, 2011.

 

PESSOA, Roberto Dórea. Aplicação da teoria das “cargas probatórias dinâmicas” nas lides de acidente de trabalho-uma perspectiva epistemológica. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 389- 403, 2011.

 PESSOA, Valton Dória. O direito fundamental ao contraditório na execução trabalhista. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 393-406, 2009.

 PIMENTA, Rafael Sales. Manual prático da conciliação prévia trabalhista. Belo Horizonte: RTM, 2000.

 PINHO, Ana Cláudia Bastos. Jogo de azar ou direito penal democrático: façam as suas apostas. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 209-228, Janeiro/Junho 2009.

 PORCIÚNCULA, André Ribeiro. Teoria da reserva do possível: justificativa para legitimar a ineficiência do poder público ou real escassez de recursos orçamentários? Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 463-471, 2000.

 PRADO, Daniel Nicory do. A perda dos dias remidos e o princípio da proporcionalidade. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 411-431, 2010.

 PRAZERES, Gustavo Cunha. Processo, celeridade e composição de conflitos: da importância da competência negocial para a paz social. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 271-284, 2010.

 ______. Venire contra factum proprium nulli conceditur e direito processual: a influência da solidariedade social no processo. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 43-77, Julho/Dezembro 2009.

 RÁTIS, Carlos. Eficácia dos deveres fundamentais. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 39-55, 2011.
_____. Introdução ao estudo sobre os deveres fundamentais. Salvador: Juspodivm, 2011.

 RECHSTEINER, Beat Walter. Direito internacional privado: teoria e prática. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

 REIS, Nilza. A ordem de vocação hereditária instituída pelo Código Civil de 2002 e a sua repercussão na vida das pessoas vinculadas ao de cujus pelos laços de parentesco, casamento e união estável. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 25-48, 2006.

 REQUIÃO, Maurício. As normas de textura aberta e o Código Civil de 2002: proposta de distinção e critérios para interpretação. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 301-315, 2011.

 REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

REZEK, J. F. Direito internacional público. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

 RIBEIRO, Darci Guimarães. O sobreprincípio da boa-fé processual como decorrência do comportamento da parte em juízo. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 235-254, Julho/Dezembro 2009.

 RIOS, Mirela. Os efeitos do mandado de injunção após os MI’s 670 e 712 Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 489-497, 2000.

ROCHA, Julio Cesar de Sá da. Direito ambiental do trabalho. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

 ROMEU, Talita. O princípio da boa-fé e o instituto da preclusão: a suppressio processual. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 397-441, Julho/Dezembro 2009.

 SABADELL, Ana Lúcia. Problemas metodológicos na história do controle social: o exemplo da tortura. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 229-254, Janeiro/Junho 2009.

 SALOMÃO, Luis Felipe. Recurso especial nº 418.572-SP (2002/0025515-0). Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 529-539, Julho/Dezembro 2009.

 SALTER CID, Nuno de. Direitos Humanos e Família: quando os homossexuais querem casar. Janeiro/Junho. Évora, nº 66, 1998. (Separata).

 SAMPAIO, Aurisvaldo Melo. Os denominados planos de saúde “antigos” em face de algumas histórias de exclusão ou limitação de cobertura assistencial. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 303-311, 2009.

 

SAMPAIO, Marcos. A função social dos direitos fundamentais. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 255-267, 2011.

 SAMPAIO, Tatiana Menezes. O assédio moral nas relações de trabalho. Caderno de Iniciação Científica. Salvador, Faculdade Baiana de Direito, nº 01, p 197-142, 2008.2.

 SANDES JR., Ruy. Fixação jurídica do momento do surgimento da vida humana para fins de pesquisa com células-tronco embrionárias. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 157-170, 2006.

 SANT’ANNA, Danilo Barbosa de. A inaplicabilidade das regras de impenhorabilidade absoluta no caso concreto, à luz do direito fundamental à tutela jurisdicional efetiva do credor. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 623-636, 2000.

 SANTANA, Fernando. Sobre a prova emprestada no inquérito policial. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 229-234, 2000.

 SANTANA, Heron José de. O futuro do direito penal ambiental: legalidade e tipicidade na lei de crimes ambientais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 265-289, 2000.

 SANTANA, Hugo César Azevedo. Penhora On-line: instrumento de efetividade processual. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 607-621, 2000.

 SANTANA, Selma Pereira de. A reparação como sanção autônoma e o direito penal secundário. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 95-121, 2000.

 SANTOS, Cézar. A nova lei de cumprimento de sentença – Lei nº 11.232/05. Revista da Faculdade de Direto-UFBA. Salvador, v. XXIX, p. 133- 155, 2006.

SANTOS, Leonardo Vieira. Breves notas sobre a responsabilidade civil por abuso de direito no Brasil. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 285-308, 2010.

 SARAIVA, Maria Vitória Barros e Silva. Princípio da reserva de jurisdição e investigação parlamentar. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 599-606, 2000.

 SILVA, Davi Castro. Notas sobre a sujeição passiva nos delitos patrimoniais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 371-381, 2000.

 SILVA, Joseane Suzart Lopes da. A súmula 381 do STJ e a violação à boa-fé dos consumidores dos serviços bancários. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 79-124, Julho/Dezembro 2009.

 SILVA, Luiz de Pinto Pedreira da. Os deveres pré-contratuais na formação do contrato de trabalho. Revista Brasileira de Direito Comparado. Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, p. 103-117, Julho 1982.

 SILVA, Roberto Luiz. Direito internacional público. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2002.

 SILVA, Rodrigo Pimentel da. Remuneração devida pelo serviço público de esgotamento sanitário, natureza jurídica de taxa ou de preço público? O caso particular da EMBASA e a solução da matéria à luz dos precedentes jurisprudenciais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 473-487, 2000.

 SIMÕES, Thiago Felipe Vargas. A boa-fé nas relações familiares. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 443-457, Julho/Dezembro 2009.

 SIQUEIRA, Marcelo Sampaio. Responsabilidade do Estado: erro judicial praticado em ação civil. Belo Horizonte: Mandamentos, 2001.

 SOARES, Guido Fernando Silva. Curso de direito internacional público. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004. v. I.

 SOARES, Luiz Eduardo. Insegurança e Inépcia. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 387-395, Janeiro/Junho 2009.

 SOARES, Ricardo Maurício Freire. Elementos para uma nova teoria dos direitos fundamentais. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 379-388, 2011.

 ______. O público e o privado no carnaval de Salvador: a necessidade de uma ponderação de bens e interesses. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 183-195, 2009.
SOARES, Ricardo Maurício Freire; SANTOS, Claiz Maria P. G; FREITAS, Tiago Silva de. O direito fundamental à memória e à verdade. Curitiba: Juruá, 2013.

 SOUZA, Wagner Mota Alves de. Direito à procriação, técnicas de reprodução medicamente assistida e a proibição de venire contra factum proprium– a inseminação artificial heterológa e o comportamento contraditório do cônjugue ou companheiro (a). Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 471-493, Julho/Dezembro 2009.

 SOUZA, Wilson Alves de. Fundamentação e alcance político dos procedimentos especiais. Revista Jurídica dos Formandos em Direito da UFBA. Salvador, v. 7, nº 10, p. 201-206, 2000.

 ______. O Código Civil 2002 e o direito processual: breves notas sobre intervenção de terceiros nas causas envolvendo contrato de seguro de dano. Revista da Faculdade de DiretoUFBA. Salvador, v. XXIX, p. 49-75, 2006.

 SUZART, Joseane. Cláusulas abusivas nos cartões de crédito e o superendividamento dos beneficiários. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 2, p. 161-184, 2010.

 TANGERINO, Davi de Paiva Costa. Alternativas ao sistema punitivo: possibilidades de prevenção da criminalidade urbana violenta por meio do controle social informal. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 03, p. 305-326, Janeiro/Junho 2009.

 TARUFFO, Michele. Abuso de direitos processuais padrões comparativos de lealdade processual. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 04, p. 497-525, Julho/Dezembro 2009.

 TÁVORA, Nestor. Natureza jurídica do descumprimento da transação penal. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 3, p. 373-378, 2011.

 ______. Principio da adequação e julgamento antecipado do mérito do processo penal. Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 425-429, 2009.

 TOURINHO, Rita. Concurso público e ordenamento jurídico brasileiro. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. 

______. O combate ao nepotismo e a súmula vinculante n.13: avanço ou retrocesso? Teses da Faculdade Baiana de Direito. Salvador, v. 1, p. 87-103, 2009.

 VARELA, Maria da Graça B. A. A. Ativismo judicial e discricionariedade na atuação do juiz em face dos termos jurídicos indeterminados, das cláusulas gerais e das lacunas legislativas. Revista Baiana de Direito. Salvador, v. 05, p. 153-192, Janeiro/Junho 2010.

 VERVAELE, John. A união e a harmonização da aplicação das políticas penais. [s.n.t].

Legislação

BAHIA. Estatuto. 23novembro2009. Cria o Estatuto da Universidade Federal da Bahia. Salvador.

BRASIL. Constituição Federal. 5outubro1988. Promulga a Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União. Brasília, 05outubro1988, nº 191-A.

BRASIL. Decreto-lei 2.848. 7dezembro1940. Cria o Código Penal Brasileiro. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, 31 dezembro 1940, republicado e retificado em 03 janeiro 1941.

BRASIL. Decreto-lei 3.689. 3outubro1941. Cria o Código de Processo Penal Brasileiro. Rio de Janeiro, 3 outubro 1941.

BRASIL. Decreto-lei 5.452. 1maio1943. Institui a Consolidação das Leis do Trabalho. Rio de Janeiro.

BRASIL. Lei 10.406. 10janeiro2002. Cria o Código Civil Brasileiro. Diário Oficial da União. Brasília, 11 janeiro 2010.

BRASIL. Lei 4.737. 15julho1965. Cria o Código Eleitoral. Brasília.

BRASIL. Lei 5.172. 25outubro1966. Cria o sistema tributário nacional. Diário Oficial da União. Brasília, 27 outubro 1966, retificada em 31 outubro 1966, passando a se chamar, a partir de outras alterações, Código Tributário Nacional.

BRASIL. Lei 5.869. 11janeiro1973. Cria o Código de Processo Civil. Brasília.

BRASIL. Lei 556. 25junho1850. Cria o Código Comercial Brasileiro. Brasília.

BRASIL. Lei 8.906. 4julho1994. Cria o Estatuto da Advocacia e da OAB. Diário Oficial da União. Brasília, 05 julho 2010, Seção 1, p. 10.093
MÉXICO. Constitución Política de los Estados Unidos Mexicanos. 18junio2008. Promulga a Constituição Política dos Estados Unidos Mexicanos.  [s.n.t].
URANDI. Lei Orgânica. Promulga a Lei Orgânica do Município de Urandi, Estado da Bahia. [s.n.t].

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. 26junho1945. Estabelece a Carta das Nações Unidas. São Francisco. Aprovada no Brasil pelo Decreto-lei 7.935 de 04 setembro 1945 e promulgada pelo Decreto 19.841 de 22 outubro 1945, entrou em vigor em 22 outubro 1945.

VATICANO. Código de Direito Canônico. Vaticano.

Literatura, Teoria da Literatura e Ensaios Literários

AGUIAR E SILVA, Vítor Manuel de. Teoria da Literatura. 5. ed. Coimbra: Almedina, 1983. v. I.

ALENCAR, José de. Til. In: ALENCAR, José de. Til/O sertanejo. [s.l]: [s.n], 1971. p. 5-148. (Obras Completas, v. V).

________. O tronco do ipê. Rio de Janeiro/São Paulo/Fortaleza: Abc Editora, 2006.

ALIGHIERE, Dante. A divina comédia. Tradução Fábio M Alberiti. São Paulo: Suzano, 2003.
______. Divina comédia. Tradução J. P. Xavier Pinheiro. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1964, vols. I e II.
ALVES, Castro. Os Escravos. São Paulo: Martin Claret, 2003.

AMADO, Jorge. Tieta do Agreste: pastora de cabras. 24. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

AMARAL, José Braga. O contador de histórias dos jardins suspensos. Peso da Régua: Associação dos Amigos do Museu do Ouro, 2004.

ANDRADE, Carlos Drummond. Antologia Poética. 48. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ARANHA, Graça. Machado de Assis e Joaquim Nabuco: comentários e notas à correspondência entre estes dois escritores. 2. ed. Rio de Janeiro: F. Briguiet & Cia., 1942.

ARAÚJO, Carlos Roberto Santos. Conversa com minha mãe. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 199-202, 2008.

ARLT, Roberto. Los siete locos. 17. ed. Buenos Aires: Editorial Losada, 2001.

ASSIS, Machado de. Quincas Borba. Rio de Janeiro: Ediouro, [s.d].

AVENA, Armando. Discurso de posse. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 333-351, 2008.

BECKETT, Samuel. Malone morre. São Paulo: Circulo do livro, [s.d.].  

BOAVENTURA, Edivaldo M. O cordel da vida. Salvador: Edições do Autor, 2007.

________. Os baianos na academia portuguesa de história. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 115-129, 2008.

________. Viagens a caminho do saber. Salvador: Quarteto editora, 2016.

BOCAGE. Antologia poética. 3. ed. [s.l.]: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, 1998.

BORGES, Jorge Luis. Historia universal de la infamia. Madrid: Alianza editorial, 1998.
BOURGET, Paulo. O discípulo. Tradução José de Bragança. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1944.

BRANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. Sonetos. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 189-194, 2008.

BUARQUE, Chico. Leite derramado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
______. Benjamim. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

______. Fazenda modelo. São Paulo: Circulo do livro, 1976.

CALMON, Jorge. Saudação a Pedro Moacir Maia. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 293-299, 2008.

CAMÕES, Luís. Os Lusíadas. 5. ed. Braga: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, 1997.

________. Os Lusíadas. Men Martins: Europa América, 1991.

________. Poesia lírica. Lisboa: Verbo, 1971.

CAMUS, Albert. O estrangeiro. Tradução Valerie Rumjanek. Rio de Janeiro: Record/Altaya, 1957.

CAPINAN, José Carlos. Uma canção de amor e versos enviezados. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 179-184, 2008.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Círculo do Livro, 1982.

CARAGIALE, Ion Lucas. Justiça. Tradução Georges Ignácio Maissiat.  São Paulo: Edições Paulinas, 1969.

CASTRO, Sílvio. A carta de Pero Vaz de Caminha: o descobrimento do Brasil. Porto Alegre: L&PM, 2009.

CERQUEIRA, Dorine. Iacina: o belo romance esquecido. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 131-138, 2008.

CERVANTES, Miguel de. Dom Quixote de la Mancha. Tradução Viscondes de Castilho e Azevedo. São Paulo: Suzano, 2003.

________. A Ciganita. In: CERVANTES, Miguel de. O casamento ardiloso e outras novelas exemplares. Tradução Vergílio Godinho. Lisboa: Verbo, [s.d]. p. 95-146.

________. A famosa sopeirinha. In: CERVANTES, Miguel de. O casamento ardiloso e outras novelas exemplares. Tradução Vergílio Godinho. Lisboa: Verbo, [s.d]. p. 147-190.

________. Novela e Colóquio de Cipión e Berganza. In: CERVANTES, Miguel de. O casamento ardiloso e outras novelas exemplares. Tradução Vergílio Godinho. Lisboa: Verbo, [s.d]. p. 21-73.

________. O casamento ardiloso. In: CERVANTES, Miguel de. O casamento ardiloso e outras novelas exemplares. Tradução Vergílio Godinho. Lisboa: Verbo, [s.d]. p. 9-20.

________. O licenciado vidraça. In: CERVANTES, Miguel de. O casamento ardiloso e outras novelas exemplares. Tradução Vergílio Godinho. Lisboa: Verbo, [s.d]. p. 73-94.

CHRISTIE, Agatha. A Mansão Hollow. Tradução Vânia de Almeida Salek. São Paulo: Círculo do Livro, 1946.

________. Aventura em Bagdá. Tradução Ari Blaustein. São Paulo: Círculo do Livro, 1951.

________. Morte na praia. Tradução Vera Teixeira Soares. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976.

COEN, Monja. 108 contos e parábolas orientais. 2. ed. São Paulo: Planeta, 2016. 

COELHO, Adolfo. Contos populares portugueses. Lisboa: Pocket, 1985.

COSTA, Aramis Ribeiro. Discurso da tocha acesa. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 267-280, 2008.

COUTO, Mia. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia de Bolso, 2015.

DICKENS, Charles. The Shorther Novels [Oliver Twist, Hard Times, A Tale of Two Cities and Great Expectations]. London: Wordsworth Editions, 2005.

DINIS, Júlio. As apreensões de uma mãe. In: DINIS, Júlio. O espólio do Senhor Cipriano e outras novelas. Lisboa: Verbo, [s.d]. 29-90.

________. O espólio do Senhor Cipriano. In: DINIS, Júlio. O espólio do Senhor Cipriano e outras novelas. Lisboa: Verbo, [s.d]. 7-28.

________. Os novelos da Tia Filomela. In: DINIS, Júlio. O espólio do Senhor Cipriano e outras novelas. Lisboa: Verbo, [s.d]. 91-148.

________. Uma flor de entre o gelo. In: DINIS, Júlio. O espólio do Senhor Cipriano e outras novelas. Lisboa: Verbo, [s.d]. 149-190. 

DOSTOIEVSKI, Fedor. Crime e Castigo. Tradução Adelino dos Santos Rodrigues. 2. ed. Mem Martins: Europa-América, 1999.

________. O jogador. Tradução Armando Luíz. Lisboa: Verbo, [s.d].

________. Os irmãos Karamázov. Tradução Herculano Villas-Boas. São Paulo: Martin Claret, 2013.

ECO, Umberto. O nome da Rosa. Tradução Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

ELLISON, Ralph. Homem invisível. Tradução Mauro Gama. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2013.

FERRERIA, M. Ema (Org.). Literatura dos descobrimentos e da expansão portuguesa. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, 1993.

FILHO, M. B. Lourenço. Aventuras de Pedrinho. 3. ed. São Paulo: Edições Melhoramento, 1956.

FILHO, Ruy Espinheira. Três poemas. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 175-178, 2008.

FONSECA, Aleilton. A cartomante. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 256-257, 2008.

FRAGA, Myriam. Discurso de saudação a Evelina Hoisel. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 377-388, 2008.

GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. Tradução João Azenha Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

GALEÃO, Celeste Aida. Duas novelas de Thomas Mann. In: Revista da academia de Letras da Bahia. Salvador, Academia de letras da Bahia, nº 48, nov. p. 61-68, 2008.

GALLO, Mayrant. Brinquedo perdido. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 247-255, 2008.

GOETHE, J. Wolfgang von. Fausto. Tradução Agostinho D’Ornellas. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2010.

GOMES, Dias. O Bem-Amado. 5. ed. São Paulo: Ediouro, 2001.

________. O pagador de promessas. 52. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

GORKI. A mãe. Tradução Araújo Neves. Rio de Janeiro: Edições de ouro, [s.d.].

GUERRA, Guido. Saudação a Armando Avena. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 319-332, 2008.

GUIMARÃES, Bernardo. A Escrava Isaura. São Paulo: Saraiva, 2008.

HAMSUN, Knut. Fome. Tradução Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Circulo do livro, 1977.

HENRIQUE, Luís. Traga para o velório de Maria Clara o dia em que a encontrou. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 213-233, 2008.

HOISEL, Evelina. Discurso de posse. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 389-409, 2008.

HOMERO. Odisea. [s.l]: Editorial Planeta, 2001.

HUGO, Victor. O último dia de um condenado. Tradução Bénédicte Houart. Lisboa: Biblioteca Editores Independentes, 2010.

JARDIM, Rachel. O penhoar chinês. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1967.

JOYCE, James. Ulisses. Tradução Antônio Houaiss. São Paulo: Círculo do Livro, 1975.

KAFKA, Franz. O Processo. Tradução Maria José Fabião. Mem Martins: Europa- América, 1998.

________. À porta da Lei. In: KAFKA, Franz. Parábolas e fragmentos. Tradução João Barrento. [s.l.]: Assírio & Alvim, [s.d].

KAISER, Gerhard R. Introdução à Literatura comparada. Tradução Teresa Alegre. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

KAISER, Glória. Discurso de posse. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 365-375, 2008.

LIMA, Clóvis. Une Charogne. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 187-188, 2008.

LINS, Osman. Guerra sem testemunha. São Paulo: Martins, [s.d.]. 

MACIEL, Luiz Carlos Junqueira; XAVIER, Gilberto. Cadernos de literatura comentada [Broquéis, de Cruz e Sousa; Vidas Secas, de Graciliano Ramos; Os Ratos, de Dyonélio Machado; Cadernos de João, de Aníbal Machado; prosas seguidas de odes mínimas, de José Paulo Paes]. Belo Horizonte: HG Edições, 2002.

MAIA, Pedro Moacir. Discurso de posse. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 301-318, 2008.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Memória de minhas putas tristes. Tradução Eric Nepomuceno.  4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MATTA, João Eurico. Aos 90 anos do acadêmico Rubem Nogueira. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 281-292, 2008.

MATTOS, Cyro. Poesia. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 195-198, 2008.

MATTOS, Florisvaldo. Quatro Poemas. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 169-174, 2008.

MEIRELES, Cecília. Antologia Poética. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1963.

MENDES, Cleise. O comediógrafo, seu público, seu oficio. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 69-89, 2008.

MICHAUX, Henri. Un bárbaro en Asia. Buenos Aires: Hyspamérica, 1985.

MICHELET, Jules . A biblia da humanidade: mitologias da Índia, Pérsia, Grécia e Egito. Tradução Romualdo J. Sister. São Paulo: Ediouro, 2002.

MILTON. O paraíso perdido: poema épico em doze cantos. São Paulo: Logos, [s.d.]. Tomo 1 e 2.

MIRANDA, Ana. Boca do inferno. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Narrativas de tradições familiares. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 11-29, 2008.

NOGUEIRA, Rubem. Traços da vida sentimental de Ruy Barbosa. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 91-100, 2008.

OLIVEIRA, Adelmo. Poemas. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 203-211, 2008.

OLIVEIRA, Waldir Freitas. Um poema indianista na Bahia do século XIX. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 101-113, 2008.

ORDEP, Serra. Sete portas: contos. Rio de Janeiro: Granond, 2010.

PEDRO ABELARDO. A história das minhas calamidades. In: SANTO ANSELMO DE CANTUÁRIA E PEDRO ABELARDO. Monológico, Proslógico, A verdade, O gramático, Lógica para principiantes e A história de minhas calamidades. Tradução Ruy Afonso da Costa Nunes. São Paulo: Abril Cultural, 1973. p. 246-278. (Os Pensadores)

PAMUK, Orhan. Meu nome é vermelho. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

PENA, Martins. O juiz de paz na roça. São Paulo: Martin Claret, 2005.

________. O noviço. São Paulo: Martin Claret, 2005.

________. Quem casa quer casa. São Paulo: Martin Claret, 2005.

PERES, Fernando da Rocha. Besalel (a sombra de Deus). Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 185-186, 2008.

PESSOA, Fernando. Mensagem. Rio de Janeiro/São Paulo/Fortaleza: ABC Editora, 2004.

________. Livro do desassossego. São Paulo: Editora Schwarcz, 2016

PÓLVORA, Hélio. Enlutada estará Helena Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 237-245, 2008.

QUEIRÓS, Eça de. A cidade e as serras. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1987.

 ________. Contos. Porto: Lello & Irmão, [s.d.].

________. Crônicas e Cartas. Lisboa: Verbo, 1972.

_______. O primo Basílio. São Paulo: Ática, 1975.

________. Os Maias. Linda-a-Velha: Abril Controljornal Edipresse, 2000; v. I e II.

RAMOS, Graciliano. S. Bernardo. 85. ed. Rio de Janeiro: Record, 2007.

________. Vidas Secas. 74. ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.

REGO, José Lins. Menino de engenho. 92. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

________. Doidinho. 14. ed.  Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1976.

RIBEIRO, Carlos. Iararana: Revista de arte, crítica e literatura. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 155-166, 2008.

RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

ROCHA, Fernando Santana. Aos novos depositários da esperança [Oração de paraninfia proferida pelo Prof. Fernando Santana, no Centro de Convenções da Bahia, em 26 de janeiro de 2002]. Salvador: Fundação Advogado Gonçalo Porto de Souza, 2002

ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. 11. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1978.

RUSHDIE, Salman. Os versículos satânicos. Tradução Ana Luísa Faria e Miguel Serras Pereira. Lisboa: Dom Quixote; São Paulo: Círculo de Leitores, 1989.

SADOC, Gaspar, Monsenhor. O pastor e o rebanho. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 55-60, 2008.

SANTOS, Gérson Pereira dos. O mito literário Ingeborg Bachmann. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 31-38, 2008.

SANTOS, Roberto. Dois momentos. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 259-264, 2008.

SARAMAGO, José. Ensaio sobre a lucidez. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SENA, Consuelo Pondé de. Discurso de saudação a Glória Kaiser. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 353-363, 2008.

SHAKESPEARE, William. Noite de Reis. Tradução Beatriz Viégas-Faria. Porto Alegre: L&PM, 2008.

________. O Mercador de Veneza. Tradução Beatriz Viégas-Faria. Porto Alegre: L&PM, 2008.

________. Romeu e Julieta. Tradução Maria Jose Martins. Linda-a-Velha: Abril Controljornal Edipresse, 2000.

________. Otelo: a tragédia do ciúme, da insensatez e da perfídia. Tradução [Bilíngüe Inglês-Português] Luís de Bragança. Mem Martins: Europa-América, [s.d].

________. Hamlet. Tradução Millôr Fernandes. Porto Alegre: L&PM, 1997.

SOBRAL, Newton. Importante legado. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 139-142, 2008.

STOWE, H. Beecher. A cabana do Pai Tomás. São Paulo: Paulinas, 1968.

SVEVO, Italo. Senilidade. Tradução Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

SUASSUNA, Ariano. Auto da Compadecida. 35. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

THECOV. Contos. Tradução Costa Neves. São Paulo: Editôra Brasileira, 1965, v. XXXVII.

TEIXEIRA, Cid. Três textos. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 43-54, 2008.

TELLES, Lygia Fagundes. Ciranda de Pedra. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

TWAIN, Mark. As aventuras de Huckleberry Finn. Tradução Alfredo Ferreira. 2 ed. São Paulo: Martin Claret, 2003.

VEIGA, Cláudio. Discurso de posse na Presidência da Academia de Letras da Bahia em 12 de março de 1981. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 411-417, 2008. 

VEIGA, Cláudio. Revisitando Thales de Azevedo. Revista da Academia de Letras da Bahia. Salvador, nº 48, p. 39-42, 2008. 

VERÍSSIMO, Érico. Ana Terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

________. Olhai os lírios do campo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

VICENTE, Gil. Auto da Alma. In: VICENTE, Gil. Três autos e uma farsa. Lisboa: Verbo, 1971. p. 7-35.

________. Auto da Barca do Inferno. In: VICENTE, Gil. Três autos e uma farsa. Lisboa: Verbo, 1971. p. 37-71.

________. Auto de Mofina Mendes. In: VICENTE, Gil. Três autos e uma farsa. Lisboa: Verbo, 1971. p. 73-100.

________. Farsa de Inês Pereira. In: VICENTE, Gil. Três autos e uma farsa. Lisboa: Verbo, 1971. p. 101-142.

VIEIRA, Antônio. Sermões Escolhidos. São Paulo: Martin Claret, 2004.

VOLTAIRE. Cândido. Tradução Maria Ermantina G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

ZUSAK, Marcus. A menina que roubava livros. Tradução Vera Ribeiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

ZWEIG, Stefan. Fouché: el genio tenebroso. Caracas: Fundacion Editorial el perro y la rana, 2007.

Literatura Clássica e Estudos de Cultura Clássica

ABREU, Manuel Viegas. Mito, ciência e vida: contributos da psicologia para a compreensão de Medeia. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 57-74.

 ALARCÃO, Jorge de. Globalização e regionalismos na Europa Romana. In: OLIVEIRA, Francisco de. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 269-274.

 ARISTÓFANES. Os Cavaleiros. Tradução Maria de Fátima de Sousa e Silva 2. ed. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação, 1991.

 __________. Pluto (A riqueza). Tradução Américo da Costa Ramalho. 2. ed. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1989.

 BARATA, J. Oliveira. Utopia e realidade: os encantos de Medeia e o anel de Sacatrapo. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 101-134.

 BARATTA, Giulia. Appunti suelle variabili e constanti dell’interpretatio religiosa nell’occidente romano. In: OLIVEIRA, Francisco de. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 123-134.

 BARNEA, Alexandru. Dacia ripensis, moesia secunda et scythia minor entre les cultes paíens et le christianisme. In: OLIVEIRA, Francisco de. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 159-168.

 BORIE, Monique; ROUGEMONT, Martine de; SCHERER, Jacques. Estética teatral: textos de Platão a Brecht. Tradução Helena Barbas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

 BRANDÃO, José Luís. Suetónio e o fascínio do Oriente. In: OLIVEIRA, Francisco de. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 81-102.

BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico. Petrópolis: Vozes, 2014.

 CASTRO, Aníbal Pinto de. Modernidade e modernização de um mito: a Lunga notte di Medea de Alvaro. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 153-169.
CHAMPEAUX, Jacqueline. Fortuna: le culte de la fortune dans le monde romain. Paris/Roma: École Française de Roma, 1987.
CRAIK, Elizabeth M. The Hippocratic Corpus: content and context. London: Routledge, 2015.

 DOLEZEL, Lubomír. A poética ocidental: tradição e inovação. Tradução Vivina de Campos Figueiredo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1990.

ESOPO. Fábulas. Tradução Antônio Carlos Vianna. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2009.

 ÉSQUILO. As suplicantes. Tradução Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Inquérito, [s.d].

 __________. Oresteia [Agamémnon, Coéforas, Euménides]. Tradução Manuel de Oliveira Pulquério. Lisboa: Edições 70, 1992.

 __________. Prometeu Agrilhoado. Tradução Ana Paula Quintela Sttomayor. Lisboa: Edições 70, 2008.

 EURÍPEDES. Duas Tragédias Gregas [Hécuba, Troianas]. Tradução Cristian Werner. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

 __________. Medéia. Tradução Miroel Silveira e Junia Silveira Gonçalves. São Paulo: Martin Claret, 2009.
__________. Íon. Tradução Frederico Lourenço. Lisboa: Colibri, 1994.

 EZQUERRA, António Alvar. Europa en el imaginário de los poetas latinos. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 19-38.

 FERNANDES, Maria Helena. A Ilíada [Apontamentos sobre A Ilíada de Homero]. 3. ed. Mem Martins: Europa-América, 1999.
FRAZIER, Françoise; LEÃO, Delfim F. Tychè et Pronoia: la marche du monde selon Plutarque. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, 2010.

 HERÓDOTO. Histórias. Tradução José Ribeiro Ferreira e Maria de Fátima Silva. Lisboa: Edições 70, 2002, Livro I.

 __________. Histórias. Tradução Maria de Fátima Silva e Cristina Abranches. Lisboa: Edições 70, 1997, Livro III.

 __________. Histórias. Tradução Cristina Abranches Guerreiro e Maria de Fátima Silva. Lisboa: Edições 70, 2001, Livro IV.

 __________. Histórias. Tradução Maria de Fátima Sousa e Silva e Carmen Leal Soares. Lisboa: Edições 70, 2007, Livro V.

 __________. Histórias. Tradução José Ribeiro Ferreira e Delfim Ferreira Leão. Lisboa: Edições 70, 2000, Livro VI.

 __________. Histórias. Tradução José Ribeiro Ferreira e Carmen Leal Soares. Lisboa: Edições 70, 2002, Livro VIII.

 HESÍODO. Teogonia. Tradução Ana Elias Pinheiro e Jose Ribeiro Ferreira. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.

 __________. Trabalhos e Dias. Tradução Ana Elias Pinheiro e Jose Ribeiro Ferreira. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.

 HOMERO. A Ilíada. Tradução Cascais Franco. 2. ed. Mem Martins: Europa-América, 1999.

 __________. Odisseia. Tradução Cascais Franco. 3. ed. Mem Martins: Europa-América, 2000.

 __________. Odisséia. Tradução Manuel Odorico Mendes. São Paulo: Martin Claret, 2004.

 HORÁCIO. Arte poética. Tradução [Bilingue Latim-Português] R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Livraria Clássica Editora, [s.d].

 __________. Sátiras. Tradução Antônio Luís Seabra. Rio de Janeiro: Tecnoprint, [s.d].

HIPPOCRATES. Hippocratic writings. In: Hippocrates; Galen [Great Books of the Western World]. Chicago: The University of Chicago, 1952. p. vii-19.

PADOVANI, Andrea; STEIN, Peter G. The jurists’ philosophy of law from Rome to the seventeenth century [A treatise of legal philosophy and general jurisprudence, vol. 7]. Dordrecht: Springer, 2007.
KITTO, H. D. F. Os gregos. Tradução José Manuel Coutinho e Castro. 3. ed. Coimbra: Arménio Amado, 1990.
LEÃO, Delfim F. Sólon: estadista, poeta e sábio. Coimbra: Minerva Coimbra, 2006.

 __________. Sólon: ética e política. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

__________. As ironias da fortuna: sátira e moralidade no Satyricon de Petrónio. Coimbra: Colibri, 1998.

 LESKY, Albin. História da Literatura Grega. Tradução Manuel Rosa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.
LUCIANO. Diálogo dos mortos. Tradução Américo da Costa Ramalho. Brasília: Editora UnB, 1998.

 MEDEIROS, Walter de. A donzela do carro do sol: os caminhos do abismo e da redenção na Medeia senequiana. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 45-56.

 MONTEIRO, Ofélia Paiva. Medeia ou o egotismo trágico de Corneille a Anouilh. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 75-99.

 MOREDA, Santiago López. Función de los exempla en Valério Máximo y su pervivencia en la edad media y renacimiento. Gênese e consolidação da idéia de Europa: mundo romano. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005, v. III, p. 39-64.
OTTO, Walter F. Los dioses de Grecia. Traducción Rodolfo Berge y Adolfo Murguía Zuriarrain. Madrid: Siruela, 2003.

OVÍDIO. Amores. Tradução Carlos Ascenso André. Lisboa: Cotovia, 2006.

 _________. Arte de amar. Tradução Carlos Ascenso André. Lisboa: Biblioteca Editores Independentes, 2006.

 PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Estudos de História da cultura clássica: cultura grega. 5. ed.  Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1979, v. I.

__________. Estudos de história da cultura clássica: cultura romana. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1990, v. II.

 __________. Helade: antologia da cultura grega. 7. ed. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1990.

 __________. Romana: antologia da cultura latina. 4. ed. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2000.

 PÍNDARO. Odes. Tradução António de Castro Caeiro. Lisboa: Quetzal, 2010.

 PLAUTO. A comédia da marmita. Tradução Walter de Medeiros. Brasília: UnB Editora, 1994.

 _________. Anfitrião. Tradução Carlos Alberto Louro Fonseca. Lisboa: Edições 70, 1993.

 _________. O gorgulho. Tradução Walter de Medeiros. 3. ed. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1991.

 _________. Os dois Menecmos. Tradução Carlos Alberto Louro Fonseca. 2. ed. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1989.

 PLUTARCO. Como tirar proveito dos inimigos. Lisboa: Coisas de ler, 2008.

_________. Das doenças da alma e do corpo. In: PLUTARCO. Sobre a tagarelice e outros textos. Tradução Mariana Echalar. São Paulo: Landy, 2008, p. 103-109.

__________. Sobre a demora da justiça divina. In: PLUTARCO. Sobre a tagarelice e outros textos. Tradução Mariana Echalar. São Paulo: Landy, 2008, p. 45-101.

 __________. Sobre a tagarelice e outros textos. Tradução Mariana Echalar. São Paulo: Landy, 2008.

 __________. Vida de Sólon. Tradução Delfim Ferreira Leão. Lisboa: Relógio d’Água, 1999.
__________. Acerca del destino. Traducción Mexicana Pedro C. Tapia Zúniga y Martha E. Bojórquez Martínez. Ciudad del México: Universidad Nacional Autónoma del México, 1996.

 PULQUÉRIO, Manuel Oliveira. O grande monólogo da Medeia de Eurípides. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 33-44.

 RIBEIRO, Maria Aparecida. O trágico e a denúncia social numa Medeia brasileira: a Gota D’Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes. In: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 171-195.

 ROMILLY, Jacqueline de. Homero: introdução aos poemas homéricos. Tradução Leonor Santa-Bárbara. Lisboa: Edições 70, 2001.
SCHEIDL, Ludwig.

Franz Grillparzer: o clássico e o romântico em MedeiaIn: Medeia no Drama Antigo e Moderno, 1991, Coimbra. Actas do Colóquio. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, 1991. p. 135-151.

 SÉNECA. Medeia. Tradução Ricardo Duarte. 1. ed. Lisboa: Sá da Costa Editora, 2010.

 SEQUEIRA, Isabel. Odisseia [Apontamentos sobre a Odisseia de Homero]. 2. ed. Mem Martins: Europa-América, 1998.

 SÓFOCLES. A trilogia Tebana [Édipo Rei, Édipo em Colono, Antígona]. Tradução Mario da Gama Kury. 12. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

__________. Antígona. Tradução Jean Melville. São Paulo: Martin Claret, 2004.

 __________. As Traquínias. Tradução Maria do Céu Zambujo Fialho 2. ed. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1989.

 __________. Édipo Rei. Tradução Jean Melville. São Paulo: Martin Claret, 2004.

 __________. Filoctetes. Tradução José Ribeiro Ferreira. 1. ed. Coimbra: Festea, 2005.

TERÊNCIO, Plauto e. A comédia latina. [s.l.]: Editora tecnoprint, [s.d].

 TERÊNCIO. A moça que veio de Andros. Tradução Walter de Medeiros. 1. ed. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1988.

 __________. A sogra. Brasília: Editora UnB, 1994.

 __________. O homem que se puniu de si mesmo. Tradução Walter de Medeiros. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1992.

TITO LIVIO. Desde la fundación de Roma. Traducción Mexicana Agustín Millares Carlo. Ciudad Universitaria: Universidad Nacional Autónoma de México, 1998.

VIRGÍLIO. A Eneida. 3. ed. Mem Martins: Europa-América, 1997.

_______. Bucólicas. Tradução Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Melhoramentos; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

Gramáticas e Dicionários


AVOLIO, Jelssa Ciardi; FAURY, Mara Lucia. Michaelis. Gramática Prática Francês Michaelis. São Paulo: Melhoramentos, 2006.

CAMARGO, Glória Paschoal de. Gramática Prática Alemão Michaelis. São Paulo: Melhoramentos, 2001.

CARVALHO, Olívio de. Dicionário de Francês-Português. Porto/Lisboa: Porto Editora, [s.d].
 CHIUCHIÚ, Ângelo; MINCIARELLI, Fausto; SILVESTRINE, Marcello. Grammatica Italiana per Stranieri: in italiano-corso multimediale di lingua e civiltá a livello elementare e avanzato. Perugia: Edizioni Guerra, 1990. v. 1.

DICIONÁRIO ALEMÃO-PORTUGUÊS/PORTUGUÊS-ALEMÃO. Porto: Porto Editora, [s.d].

 DICIONÁRIO BRASILEIRO GLOBO. Composição Francisco Fernandes, Celso Pedro Luft e F. Marques Guimarães. 24. ed. São Paulo: Globo, 1992.

 DICIONÁRIO DE LATIM [Palavras, expressões e brocados jurídicos mais usados no dia-a-dia para universitários]. Composição João Luiz Bentes de Oliveira e Quitéria Maria Andrade de Oliveira. Belo Horizonte: Líder, 2003.

 DICIONÁRIO LAROUSSE FRANCÊS-PORTUGUÊS/PORTUGUÊS-FRANCÊS. São Paulo: Larousse do Brasil, 2005.

 DICIONÁRIO MICHAELIS INGLÊS-PORTUGUÊS/PORTUGUÊS-INGLÊS. Composição Equipe Lexicográfica das Edições Melhoramentos. São Paulo: Melhoramentos, 1987.

 DIZIONARIO PORTOGHESE-ITALIANO/ITALIANO-PORTOGHESE. Composição Carlo Parlagreco. Milano: Antonio Vallardi Editore, 1974.

DICCIONARIO VELÁZQUEZ ESPAÑOL-INGLÉS/INGLÉS-ESPAÑOL. New York: Enciclopedia Barsa, 1961 (Edition Special).

 FONSECA, Carlos Alberto Louro. Iniciação ao Grego. 2. ed. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1987.

 ________. Sic itvr in Vrbem: iniciação ao latim. 4. ed. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 1987.

 FREIRE, António. Gramática Grega. 9. ed. Braga: Livraria A. I, 1987.

 ________. Gramática Latina (Liceus e Universidades). 6. ed. Braga: Livraria A. I, 1998.

 TORRES, Nelson. Gramática Prática da Língua Inglesa: o inglês descomplicado. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

Periódicos

CADERNOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, Salvador, Faculdade Baiana de Direito, nº 1, 2008.2.

ENTRE ASPAS/REVISTA DA UNICORP, ISSN 2179-1805, Salvador, Universidade Corporativa do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, vol. 5, Julho 2016.

 OLHARES, ISSN 2176-3291, Salvador, NPPD/UniJorge, nº 1, Outubro 2009.

REVISTA BAIANA DE DIREITO, ISSN 1983-1552, Salvador, Faculdade Baiana de Direito, vol. 3, Janeiro/Junho 2009 [Crime e Sociedade), vol. 4, Jul/Dez 2009 [Proteção ao Princípio da Boa-Fé] e vol. 5, Janeiro/Junho 2010 (Ativismo Judicial).

 REVISTA BRASILEIRA DE DIREITO ANIMAL, ISSN 1809-9092, Salvador, ano 2, nº 3, Julho/Dezembro, ano 4, nº 5, Janeiro/Dezembro 2009.

 REVISTA BRASILEIRA DE DIREITO COMPARADO, ISSN 1517-2163, Rio de Janeiro, Instituto de Direito Comparado Luso-Brasileiro, edição especial em homenagem a Orlando Gomes, 2009.

 REVISTA DA ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA, ISSN, 1518-1766, Salvador, nº 48, Novembro 2008.
REVISTA DA ACADEMIA DE LETRAS JURÍDICAS DA BAHIA, Salvador, ano 16, nº 18, 2011/2012.

REVISTA DA FACULDADE DE DIREITO DE CONSELHEIRO LAFAIETE, ISSN 1679-8139, Conselheiro Lafaiete, ano 2, nº 3, Novembro 2003.

 REVISTA DA FACULDADE DE DIREITO-UFBA, Salvador, 2006, v. XXXIX.
REVISTA DA FACULDADE DE DIREITO DA UFG, ISSN 0101-7187, Goiânia, v. 32, nº 2, Julho/Dezembro 2008.
REVISTA ERGA OMNES, ISSN 1984-5618, Salvador, Escola de Magistrados da Bahia, ano 5, nº 6, vol. 2, Janeiro/Junho 2013, ano 5, nº 7, vol. 2, Julho/Dezembro 2013.
 REVISTA JURÍDICA DOS FORMANDOS EM DIREITO DA UFBA, ISSN 1414-0101, Salvador, vol. VII, nº X, 2007.2.

 TESES DA FACULDADE BAIANA DE DIREITO, Salvador, Faculdade Baiana de Direito, v. 1 (2009), v. 2 (2010) e v. 3 (2011).

 Outras

BEL, Bernard. Construção e reapropriação dos saberes: das comunidades virtuais à mobilização social sobre questões do nascimento na Índia e na França. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 133- 145.

 BÍBLIA SAGRADA. São Paulo: Paulinas, 1990. (Edição Pastoral).
BLAIRON, Jean; CAVILLOT, Jean-Pol. Rádio, vídeo e televisão associados a serviço da palavra dos desfavorecidos da Bélgica: uma questão de “defesa do sujeito”. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 89-100.
 CANNIZZARO, Paulo Roberto. Mudanças revolucionárias nas empresas. Recife: Edição do Autor, 2010.

 CARVALHO, Marcelo. A rede e as redes-Difusão da informação na construção de alianças: uma análise preliminar dos mecanismos de comunicação entre ONGs brasileiras de mulheres. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 187- 207.

 CASANOVA, Sebastião. 101 Citações e provérbios judaicos. Lisboa: Garrido Editores, 2003.

 DESHPANDE, Sudhanva. Uma comunicação informal e popular: formas, conteúdos e espaços do teatro de rua na Índia. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 89-100.

 FAY, Eric. Diálogo e empresa virtual: Alice na “Virtual Globo Company In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 208-220.

 GALLIAND, Etienne. As novas técnicas de informação e de comunicação e o universo do escrito. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 221-232.

IBRAHIM, I. A. Um breve guia ilustrado para compeender o Islã. Tradução Maria Christina da S. Moreira. Londres: Darussalam, 2008.

 MATTELART, Armand. Rumo a que “Nova Ordem da Informação”? In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 237-245.
NOVA BÍBLIA VIVA. São Paulo: Mundo Cristão, 2010.

 PARTHASARATHIM, Vibodh et alii. As múltiplas formas de abordar o tema da comunicação e suas tramas. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 17-32.

 PEUGEOT, Valérie. O rato que pariu uma montanha: tentativa de decodificar as mutações em jogo na era da informação. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 257-270.

 SANTORO, Luiz Fernando. Mídia comunitária, internet, imprensa e televisão: o que muda no processo de formação da opinião pública brasileira. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 271-291.

 SAUQUET, Michel; TRAMONTE, Cristiana; SOUZA, Marcio Vieira de. “Quanto mais nós somos, mas eu sou”. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 35-39.

 ________. Nem anjo, nem animal. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 115-119.

 ________. Sujeitar-se ou controlar? In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 235-236.

 SORJ, Bernardo. Vivafavela.com.br: uma experiência brasileira de acesso à informática na luta contra a pobreza. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 146-154.

 SOUZA, Marcio Vieira. Os meios de comunicação e o movimento pela construção de uma cidadania ativa no Brasil. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 120-132.

 STAHLBERG, Per. Imprensa escrita e comunicação intercultural: a mundialização escreve-se também em hindi. In: A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face á exploração dos meios de comunicação. Petrópolis: Editora Vozes, 2005. p. 246-256.

 TIWARI, Bradi Narayan. Memória história e política: da comunicação à mobilização. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 101-112.

 TRAMONTE, Cristiana et alii. Diálogos entre “loucos andarilhos da Aldeia Global”. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 13-16.

 TRAMONTE, Cristiana. As escolas de samba no Brasil: a ação comunicativa entre tradição e modernidade. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 53-76.
 VASQUES, André. 101 provérbios e aforismos do Islão. Lisboa: Garrido Editores, 2002.

 ________. 101 provérbios e máximas sobre a guerra e a paz. Lisboa: Garrido Editores, 2003.

 WIEVIORKA, Michel. Entre individualismo e identidades culturais: os dilemas da comunicação hoje. In: TRAMONTE, Cristiana et alii (Orgs.). A comunicação na aldeia global: cidadãos do planeta face à explosão dos meios de comunicação. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 292-301.